A TENTATIVA DE SUICÍDIO NA ADOLESCÊNCIA: um olhar psicanalítico

Autores

  • Matheus Colombari Caldeira União das Faculdades dos Grandes Lagos (UNILAGO)
  • Luciano Aparecido Pereira Junior Universidade de Franca
  • Regina Célia de Souza Beretta Universidade de Franca (UNIFRAN)
  • Antônio Cézar Peron Centro Universitário Municipal de Franca (Uni-FACEF)
  • Carlos Alberto da Costa

DOI:

https://doi.org/10.22289/2446-922X.V8N1A8

Palavras-chave:

Adolescente, Suicídio, Psicanálise

Resumo

A tentativa de suicídio evidencia a não consumação do ato de tirar a própria vida, dando à tentativa e ao suicídio uns lugares sintomáticos diferentes. O objetivo deste estudo foi discutir sobre a tentativa de suicídio em adolescentes na contemporaneidade e sua relação direta com a cultura, por meio da Psicanálise. A pesquisa bibliográfica exploratória foi realizada nas plataformas SciELO, Google Acadêmico e PePSIC-BVS, sendo selecionados cinco artigos datados de 2017-2021, bem como livros contidos na literatura e dados disponíveis em sites e cartilhas do governo brasileiro. Os descritores utilizados para a pesquisa foram: Adolescente, Suicídio e Psicanálise. A análise de conteúdo realizada teve como premissa o contexto psicanalítico enquanto referencial teórico-metodológico, além da compreensão dos impactos sociais gerados pela temática. A influência sociocultural interfere diretamente na temática do suicídio, frente ao tabu que é falar sobre a morte e diante do suicídio, como sintoma de um adoecimento social e dificuldades de espaços de escuta dos adolescentes e políticas públicas de atenção a adolescência. Por fim, é preciso compreender e articular ações, no âmbito das políticas públicas, bem como da clínica psicanalítica, que se disponham a atuar e agir frente às realidades sociais e culturais que envolvem as tentativas de suicídio e os suicídios consumados – uma compreensão ampla das realidades vividas e da integralidade (biopsicossocial, cultural e espiritual) dos sujeitos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Alberti, S. (2009). Esse sujeito adolescente. Rio de Janeiro: Rios Ambiciosos/ Contracapa.

Bauman, Z. (2001). Modernidade Líquida. Rio de Janeiro: Zahar.

Braunstein, N. (2007). Gozo. São Paulo: Escuta.

Brunhari, M. V., Darriba, V. A. (2014). O suicídio como questão: melancolia e passagem ao ato. Psicologia Clínica [online], 26(1), 197-213. https://doi.org/10.1590/S0103-56652014000100013

Brasil. (1990). Estatuto da Criança e do Adolescente – Lei Nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Brasília: Presidência da República.

Brasil. (2015). Saúde Mental em Dados – 12, ano 10, nº 12. Informativo eletrônico. Brasília: Ministério da Saúde. Recuperado em https://www.mhinnovation.net/sites/default/files/downloads/innovation/reports/Report_12-edicao-do-Saude-Mental-em-Dados.pdf

Brasil. (2011). Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília: Ministério da Saúde. Recuperado em https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt3088_23_12_2011_rep.html

Brasil. (2017). Centro de Atenção Psicossocial. Brasília: Ministério da Saúde. Recuperado em https://www.gov.br/saude/pt-br/acesso-a-informacao/acoes-e-programas/centro-de-atencao-psicossocial-caps

Bteshe, M.(2018). O suicídio na mídia: reflexões para o cuidado em saúde mental. RECIIS - Revista Eletrônica de Comunicação, Informação e Inovação em Saúde, 12(3), 252-257.

Carvalho, S. (2014). A morte pode esperar? Clínica psicanalítica do suicídio. Salvador: Associação Campo Psicanalítico.

Castro, J. C. L. de. (2018). Père-Version: A Relativização do Nome-Do-Pai. Ágora Estudos em Teoria Psicanalítica [online], 21(2), 233-243. https://doi.org/10.1590/S1516-14982018002009

Conselho Federal de Psicologia (CFP). (2013). O suicídio e os desafios para a Psicologia. Brasília: CFP.

Dolto, F. (2004). A Causa dos Adolescentes. Aparecida: Ideias & Letras.

Durkheim, E. (2000). O suicídio: estudo de sociologia. São Paulo: Martins Fontes.

Fink, B. (2018). Introdução clínica à psicanálise lacaniana. Tradução de Vera Ribeiro. (1. Ed.). Rio de Janeiro: Zahar.

Freud, S. (2016). Obras completas, volume 2: Estudos sobre histeria (1893-1895) em coautoria com Josef Breuer. São Paulo: Companhia das Letras. (Originalmente publicado em 1893-1895).

Freud, S. (2016). Introdução e conclusão de um debate sobre o suicídio. In S. Freud, Obras completas, volume 9: Observações sobre um caso de neurose obsessiva [“O homem dos ratos”], uma recordação de infância de Leonardo da Vinci e outros textos (1909-1910). São Paulo: Companhia das Letras. (Originalmente publicado em 1910).

Freud, S. (2012). Totem e tabu. In S. Freud, Obras completas, volume 11: Totem e tabu, contribuição à história do movimento psicanalítico e outros textos (1912-1914). São Paulo: Companhia das Letras. (Originalmente publicado em 1912-1913).

Garcia-Rosa, L. A. (2009). Freud e o inconsciente. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Heinemann, G. B. B., Chatelard, D. S. (2012). Concepção atual de família: do declínio da função paterna aos novos sintomas. Revista Mal-estar e Subjetividade, 12(3-4), 639-662. Recuperado em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1518-61482012000200006&lng=pt&tlng=pt

Kovács, M. J., Hwang, E. (2019). Suicídio por contágio e o papel das mídias de comunicação em massa. Revista M. Estudos Sobre a Morte, Os Mortos E O Morrer, 4(7), 77–100. https://doi.org/10.9789/2525-3050.2019.v4i7.77-100

Lacan, J. (1987). O Mito Individual do Neurótico. Lisboa: Assírio & Alvim. (Originalmente publicado em 1953).

Lacan, J. (2005). O seminário, livro 10: a angústia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Originalmente publicado em 1962-1963).

Lacan, J. (2008). O seminário, livro 16: De um Outro ao outro. Tradução de Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Originalmente publicado em 1968-1969)

Lacan, J. (2008). O Seminário, livro 11: os quatro conceitos fundamentais da psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Originalmente publicado em 1964)

Loureiro P. R., Moreira T., Sachsida, A. (2013). Os efeitos da mídia sobre o suicídio: uma análise empírica para estados brasileiros. Rio de Janeiro: IPEA.

Macedo, M. M. K., Werlang, B. S. G. (2007). Trauma, dor e ato: o olhar da psicanálise sobre uma tentativa de suicídio. Ágora: Estudos em Teoria Psicanalítica [online], 10(1), 86-106. https://doi.org/10.1590/S1516-14982007000100006

Minois, G. (2018). História do suicídio: a sociedade ocidental diante da morte voluntária. Tradução de Fernando Santos. São Paulo: Editora Unesp.

Nasio, J.-D. (1997). Lições sobre os 7 conceitos cruciais da psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar.

Oliveira, H. M. de., Hanke, B. C. (2017). Adolescer na contemporaneidade: uma crise dentro da crise. Ágora: Estudos em Teoria Psicanalítica [online], 20(2), 295-310. https://doi.org/10.1590/1809-44142017002001

Ons, S. (2018). Tudo o que você precisa saber sobre psicanálise. São Paulo: Planeta do Brasil.

Pagés, C., Ávila, L. A. (2003). Visão freudiana dos grupos: da horda ao vínculo. In W. J. Fernandes, B. Svartman & B. S. Fernandes (Org.), Grupos e configurações vinculares (Cap. 6, 75-86). Porto Alegre: Artmed.

Papalia, D. E., Feldman, R. D. (2013). Desenvolvimento Humano (12. ed). Porto Alegre, RS: Artmed.

Phillips, D. (1974). The influence of suggestion on suicide: Substantive and theoretical implications of the Werther effect. American Sociological Review.

Prodanov, C. C., Freitas, E.C. (2013). Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2. ed. Novo Hamburgo: Feevale.

Quinet, A. (2009). Psicose e laço social: esquizofrenia, paranoia e melancolia. Rio de Janeiro: Zahar.

Roudinesco, E. (1998). Dicionário de Psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar.

Sousa, K. A., Ferreira, M. G. S. G., Coelho, E, F. (2020). Multidisciplinary health care in cases of childhood suicidal ideation: operational and organizational limits. Revista Brasileira de Enfermagem, 73, e20190459. https://doi.org/10.1590/0034-7167-2019-0459

Teixeira, S. M de O, Souza, L. E. C, Viana, L. M. M. (2018). O suicídio como questão de saúde pública. Revista Brasileira em Promoção de Saúde [online], 31(3), 1-3. https://doi.org/10.5020/18061230.2018.8565

Valas, P. (2001). As dimensões do gozo: do mito da pulsão à deriva do gozo. Rio de Janeiro: Zahar.

Viola, D. T. Dutra, Vorcaro, Â. M. R. (2018). A adolescência em perspectiva: Um exame da variabilidade da passagem à idade adulta entre diferentes sociedades. Psicologia: Teoria e Pesquisa [online], 34, e3448. https://doi.org/10.1590/0102.3772e3448

World Health Organization (WHO). (2014). Preventing suicide: a global imperative. Recuperado em http://www.who.int/mental_health/suicide-prevention/exe_summary_english.pdf?ua=1

World Health Organization (WHO). (2018). World Health Statistics 2018: monitoring health for the SDGs, sustainable development goals. Recuperado em http://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/272596/9789241565585-eng.pdf

Zafiropoulos, M. (2018). Lacan e Lévi-Strauss ou o retorno a Freud (1951-1957). Tradução de Clóvis Marques. (1. ed.). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Zanette, C. A., Kern, C., Losso, A. R, da S., Amboni, G. (2020). Tentativa de suicídio na adolescência: perspectiva psicanalítica. Rev. Inova Saúde, Criciúma/SC, 10(1), 103-122. http://dx.doi.org/10.18616/inova.v10i1.2561

Zizek, S. (2009). Violência. Lisboa: Relógio D'água.

Downloads

Publicado

18-01-2022

Como Citar

Caldeira, M. C. ., Pereira Junior, L. A., Beretta, R. C. de S., Peron, A. C., & Costa, C. A. da. (2022). A TENTATIVA DE SUICÍDIO NA ADOLESCÊNCIA: um olhar psicanalítico. Psicologia E Saúde Em Debate, 8(1), 125–137. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V8N1A8

Edição

Seção

Estudo Teórico