PROJETOS DE FELICIDADE NO CÁRCERE: implicações para o cuidado em saúde

Autores

  • Beatriz Santana Caçador UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA https://orcid.org/0000-0003-4463-3611
  • Thuany Caroline Souza e Silva Prefeitura Municipal de Belo Horizonte
  • Laylla Veridiana Castória Silva UFES
  • Carolina da Silva Caram UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS https://orcid.org/0000-0001-6219-3301
  • Gian Batista Carmo Prefeitura Municipal de Viçosa
  • Antonio Aparecido Branco Júnior UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA
  • Luíza de Alcântara Dutra Universidade Federal de Ouro Preto
  • Bruna Pereira de Oliveira UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA

DOI:

https://doi.org/10.22289/2446-922X.V8N1A5

Palavras-chave:

Prisioneiros; Saúde; Vulnerabilidade em Saúde; Assistência centrada no paciente.

Resumo

Pesquisa realizada com o objetivo de conhecer os projetos de felicidade de uma população privada de liberdade e suas implicações para o cuidado em saúde. Para isso utilizou-se o estudo qualitativo. A coleta de dados ocorreu no período de julho de 2019 a outubro de 2020, em um presidio do interior da Zona da Mata Mineira, com 20 pessoas privadas de liberdade. Realizou-se entrevista aberta com roteiro semiestruturado, sendo submetidos à Análise de Conteúdo. Os aspectos éticos foram respeitados. Os resultados indicam que os projetos de felicidade das pessoas privadas de liberdade encontram significados, tanto em experiências pontuais do presente através da ressignificação dos modos de viver no cárcere, quanto em perspectivas futuras pela construção de pensamentos da vida após o cárcere. Também, desejam realizar projetos sociais em escolas para conscientizar jovens sobre o viver no cárcere, bem como acessar direitos fundamentais como educação e trabalho, constituir e cuidar da família e seguir uma religião. Assim, a produção subjetiva mobilizada no cárcere, produz como projeto de felicidade, participar do rompimento do ciclo perverso que historicamente aprisiona àqueles cujos direitos não são acessados na vida fora do presídio, possibilitando a construção de cuidados coerentes com a integralidade e humanização.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Ayres, J. R. C. M (2004). Cuidado e reconstrução das práticas de saúde. Interface (Botucatu), vol.8, n.14, pp. 73-92. https://doi.org/10.1590/S1414-32832004000100005

Ayres, J. R. C. M. (2004). O cuidado, os modos de ser (do) humano e as práticas de saúde. Saúde soc, vol.13, n.3, pp. 16-29. https://doi.org/10.1590/S0104-12902004000300003

Barcinski, M., Cúnico, S. D. (2014). Os efeitos (in)visibilizadores do cárcere: as contradições do sistema prisional. Psicologia, Porto Alegre - RS, v. 28, n. 2, p. 63-70. https://doi.org/10.17575/rpsicol.v28i2.696

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, pp. 229.

Brasil. (2014). Ministério da Saúde (MS). Política Nacional de Atenção Integral à Saúde das Pessoas Privadas de Liberdade no Sistema Prisional. Brasília: MS, Ministério da Justiça. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2014/pri0001_02_01_2014.html

Brasil. (2016). Ministério da Justiça. Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias (Infopen). https://www.justica.gov.br/news/mj-divulgara-novo-relatorio-do-infopen-nesta-terca-feira/relatorio-depen-versao-web.pdf

Caçador, B. S., Brito, M. J. M., Moreira, D. A., Rezende, L. C., Vilela, G. S. (2015). Being a nurse in the family health strategy programme: challenges and possibilities. Rev Min Enferm. jul/set; 19(3): 620-626. DOI: 10.5935/1415-2762.20150047

Carvalho, P. A. L., Malhado, S. C. B., Constâncio, T. O. S., Ribeiro, I. J. S., Boery, R. N. S. O., Sena, E. L. S. (2019). Cuidado humano à luz da fenomenologia de Merleau-Ponty. Texto Contexto Enferm. 28:e20170249. https://dx.doi.org/10.1590/1980-265X-TCE-2017-0249

Cestari, V. R. F., Moreira, T. M. M., Pessoa, V. L. M. P., Florêncio, R. S., Silva, M. R. F., Torres, R. A. M. (2017). The essence of care in health vulnerability: a Heideggerian construction. Rev Bras Enferm. 70(5):1112-6. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2016-0570

Forti, S., Serbena, C. A., Scaduto, A. A. (2020). Mensuração da espiritualidade/religiosidade em saúde no Brasil: uma revisão sistemática. Ciênc. saúde coletiva, 25(4):1463-1474. https://doi.org/10.1590/1413-81232020254.21672018

Lermen, H. S., Gil, B. L., Cúnico, S. D., Jesus, L.O. (2015). Health in prison: analysis of health social policies targeting the Brazilian prison population. Physis, Rio de Janeiro, 25 [ 3 ]: 905-924 https://doi.org/10.1590/S0103-73312015000300012

Martins, E. L. C., Martins, L. G., Silveira, A. M., Melo, E, M. (2014). O contraditório direito à saúde de pessoas em privação de liberdade: o caso de uma unidade prisional de Minas Gerais. Saúde Soc. São Paulo, v. 23, n. 4, p. 1222-1234. https://doi.org/10.1590/S0104-12902014000400009.

Minayo, M. C. S. (2017). Amostragem e saturação em pesquisa qualitativa: consensos e controvérsias. Revista Pesquisa Qualitativa. 5(7):1-12. https://editora.sepq.org.br/index.php/rpq/article/view/82/59

Miranda, A. E., Rangel, C., Moura, R. C. (2016). Questões sobre a população prisional no Brasil: Saúde, Justiça e Direitos Humanos. UFES, Proex., v. 2, n. 1, pp. 1-192, Vitória – ES. https://proex.ufes.br/sites/proex.ufes.br/files/field/anexo/versao_com_isbn.pdf

Monteiro, F. M., Cardoso, G. R. (2013). A seletividade do sistema prisional brasileiro e o perfil da população carcerária: um debate oportuno. Civitas, Porto Alegre, v. 13, n. 1, p. 93-117. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2013.1.12592

Olerj. (2018). Secretaria de Estado de Administração Penitenciária. Observatório Legislativo da Intervenção Federal na Segurança Pública do Rio de Janeiro (Olerj). Rio de Janeiro. http://olerj.camara.leg.br/

Prata, D. N., Feller, T. A., Rodrigues, W. (2019). Perfil da população carcerária e fatores ensejadores da criminalidade no sul-tocantinense. Revista de Direito da Cidade, Tocantins, v. 11, n. 4, p. 620-649. https://doi.org/10.12957/rdc.2019.41020

Schneider, A., Ditrich, M. G., Dias, M. A. H. (2020). O estudo da felicidade relacionada à política pública: uma análise bibliométrica. Interações, Campo Grande, MS, v. 21, n. 1, p. 67-79, jan./mar. https://doi.org/10.20435/inter.v21i1.1928.

Serra, A. E. G., Lima, R. C. R. O. (2019). Promoção da saúde para pessoas no regime semiaberto do sistema penitenciário: relato de experiência. Saúde debate, Rio de Janeiro, v. 43, n. 123, p. 1270-1281, out./dez. https://doi.org/10.1590/0103-1104201912322

Siqueira, S. A. V., Hollanda, E., Motta, J. I. J. (2017). Equity Promotion Policies in Health for vulnerable groups: the role of the Ministry of Health. Ciên. Saúde coletiva, 22(5):1397-1406. DOI: 10.1590/1413-81232017225.33552016

Downloads

Publicado

15-01-2022

Como Citar

Caçador , B. S. ., Souza e Silva, T. C. ., Silva, L. V. C. ., Caram, C. da S. ., Carmo, G. B. ., Branco Júnior , A. A. ., Dutra , L. de A. ., & Oliveira, B. P. de . (2022). PROJETOS DE FELICIDADE NO CÁRCERE: implicações para o cuidado em saúde. Psicologia E Saúde Em Debate, 8(1), 60–73. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V8N1A5

Edição

Seção

Artigo original