FATORES DE RISCO ASSOCIADOS A DEPRESSÃO PÓS PARTO

Autores

  • Marcelo Cerilo-Filho Doutorando em Microbiologia e Parasitologia Aplicadas – Departamento de Microbiologia e Parasitologia – Instituto Biomédico – Universidade Federal Fluminense. https://orcid.org/0000-0002-4221-2728
  • Bruna Stefany Rocha do Nascimento Centro Universitário do Rio São Francisco
  • Julyana Constância Feitosa Marinho Centro Universitário do Rio São Francisco
  • Lais Edvirgens Lima da Cruz Centro Universitário do Rio São Francisco
  • Mirelly Nascimento Soares Licencianda em Ciências Biológicas – Universidade do Estado da Bahia – Departamento de Educação – Campus VIII ¬– Colegiado de Ciências Biológicas https://orcid.org/0000-0003-4531-484X
  • Erika dos Santos Nunes Professora Titular do curso de Licenciatura em Ciências Biológicas – Universidade do Estado da Bahia – Departamento de Educação – Campus VIII ¬– Colegiado de Ciências Biológicas

DOI:

https://doi.org/10.22289/2446-922X.V9N2A25

Palavras-chave:

Depressão Pós-Parto, Fatores de Risco, sa´úde mental, Cuidados de Enfermagem, maternidade

Resumo

A Depressão Pós-Parto (DPP) começa a ser relatada nos séculos XVII e XVIII. No período gravídico-puerperal ocorrem alguns eventos como alterações fisiológicas, psicológicas e psicossociais. Os principais fatores de risco para o surgimento da DPP incluem: ansiedade ao extremo; eventos estressores; história prévia de depressão; falta de apoio familiar; gravidez não desejada ou planejada; relacionamento com o companheiro; baixa condição socioeconômica; dependência de álcool, tabaco ou outras drogas e história de violência doméstica. O diagnóstico é realizado pelos profissionais de saúde e através da utilização de dois instrumentos de rastreamento dos sintomas que são a Escala de Depressão Pós-Parto de Edimburgo (EPDS) e o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais 5ª Edição (DSM 5). Este trabalho teve como objetivo identificar e conhecer os fatores de risco associados a Depressão Pós-Parto, bem como discutir sobre a prevenção e métodos para o diagnóstico precoce. Trata-se de um estudo de revisão integrativa da literatura. Foram utilizados artigos indexados nas bases de dados Biblioteca Virtual de Saúde (BVS), Scientific Electronic Library Online (Scielo) e Pubmed, utilizando os descritores (DESC) Depressão Pós-Parto or Puerpério, Depressão Pós-Parto or Fatores de Risco e Depressão Pós-parto or Assistência de Enfermagem. A partir das buscas nas bases de dados citadas foram encontrados 81.226 artigos, os quais foram submetidos os critérios de inclusão e exclusão estabelecidos neste trabalho. Após a aplicação dos filtros, critérios de inclusão e exclusão, duplicidade, leitura dos resumos na integra foram escolhidos 15 artigos que respondem a pergunta da pesquisa. O presente estudo teve como objetivo identificar quais são os fatores de risco associado a DPP. Os artigos desta revisão apontam que o seu desenvolvimento se dá através de alguns determinantes que surgem no período da gestação e do pós-parto. Os fatores de risco citados pelas pesquisas que favoreciam o surgimento da DPP, incluem: eventos estressantes durante a gravidez, história prévia de depressão, idade, nível de escolaridade, número de filhos, estado civil, renda familiar. Para isso, é importante que a equipe de saúde esteja em constante capacitação no intuito de promover saúde e prevenção. Com isso, poderá observar a diminuição dos índices de morbimortalidade materna, infanticídios, minimizando as complicações para puérperas, menos prejuízo no desenvolvimento dos bebês, bem como manter a integridade do vínculo efetivo entre mãe-filho, sem interferir no relacionamento com parceiros e familiares.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Aloise, S. R.; Ferreira, A. A., & Lima, R. F. S. (2019). Depressão pós-parto: identificação de sinais, sintomas e fatores associados em maternidade de referência em Manaus, Enfermagem em Foco. 10, 40-45.

Alt, M. dos S., & Benetti, S. P. da C. (2008). Maternidade e depressão: impacto na trajetória de desenvolvimento. Psicologia Em Estudo, 13(2), 389–394. https://doi.org/10.1590/s1413-73722008000200022

American Psychiatric Association (APA). (2014). Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais V (DSM-5). 5. ed. Porto Alegre, 2014.

Arrais, A. R., & Araujo, T. C. C. F. (2017). Depressão pós-parto: uma revisão sobre fatores de risco e de proteção. Psicologia, Saúde & Doenças, 18, 828-845.

Arrais, A. R., & Araujo, T. C. C. F. (2017). Depressão pós-parto: uma revisão sobre fatores de risco e de proteção. Psicologia, Saúde & Doenças, Lisboa, v. 18, n. 3, p. 828-845.

Arrais, A. R., Araujo, T. C.C. F., & Schiavo, F. A (2019). Depressão e Ansiedade gestacionais relacionadas à Depressão Pós-Parto e o Papel Preventivo do Pré-Natal Psicológico. Revista Psicologia e Saúde. 11, 23-34.

Arrais, A. R.; Mourao, M. A., & Fragalle, B. (2014). O pré-natal psicológico como programa de prevenção à depressão pós-parto. Saúde e sociedade. São

Azevedo, K. R., & Arrais, A. R. (2006). O mito da mãe exclusivo e seu impacto na depressão pós-parto. Psicologia: Reflexão e Crítica, Brasília, v.19, n. 2, p. 269-276.

Baratieri, T., & Natal, S. (2019). Ações do programa de puerpério na atenção primária: uma revisão integrativa. Ciência & saúde coletiva. 24, 4227-4238.

Biscegli, T.S., Silva, G. S., Romualdo, P. F., Oliveira, M. S., Silva, B. R., & Solim, F. (2017). Depressão pós-parto e tipo de parto: perfil de mulheres atendidas em um hospital-escola. CuidArte, Enfermagem. 1, 59-65.

Borges, D. A., Ferreira, F. R., Mariutti, M. G., & Almeida, D. A. (2011). A depressão na gestação: uma revisão bibliográfica. Revista de iniciação cientifica da libertas. 1, 85-99.

Boska, G. A., Wisniewski, D., & Lentsck, M. H. (2016). Sintomas depressivos no período puerperal: identificação pela escala de depressão pós-parto de Edinburgh. Journal of Nursing and Health. 6, 38-50.

Brasil. (2012). Ministério da Saúde. Departamento de Atenção Básica. Atenção ao pré-natal de baixo risco. Brasília: Ministério da Saúde.

BrasiL. (2013). Ministério da Saúde. Departamento de Atenção Básica. Atenção ao pré-natal de baixo risco. Brasília: Ministério da Saúde.

Brecailo, M. K., & Saldan, P. C. (2013). Relação entre depressão materna e os cuidados em saúde à criança: revisão sistemática. UNOPAR Cient., Ciênc. Biol. Saude, -. https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/lil-705079

Brites. (2016). Depressão pós-parto paterna: família em risco. Sib.uc.pt.

Brum, E. H. M. de. (2017). Depressão pós-parto: discutindo o critério temporal do diagnóstico. Cadernos de Pós-Graduação Em Distúrbios Do Desenvolvimento, 17(2). https://doi.org/10.5935/cadernosdisturbios.v17n2p92100https://doi.org/http://hdl.handle.net/10316/36885

Camacho, R. S., Cantinelli, F. S., Ribeiro, C. S., Cantilino, A., Gonsales, B. K., Braguittoni, E., & Rennó, J. J. (2006) Transtornos psiquiátricos na gestação e no puerpério: classificação, diagnóstico e tratamento. Revista de psiquiatria clínica. 33, 92-102.

Camacho, R. S.; Cantinelli, F. S.; Ribeiro, C. S.; Cantilino, A.; Gonsales, B. K.; Braguittoni, E., & Rennó, J. J. (2006). Transtornos psiquiátricos na gestação e no puerpério: classificação, diagnóstico e tratamento. Revista de psiquiatria clínica. São Paulo, v. 33, n. 2, p. 92-102.

Cantilino, A., Zambaldi, C. F., Sougey, E. B., & Rennó Jr, J. (2010). Transtornos psiquiátricos no pós-parto. Psiquiatria Clínica. 37,278-84.

Carvalho, M. T., & Benincasa, M. (2019). Depressão pós-parto e afetos predominantes na gestação, parto e pós-parto. Interação em Psicologia, 23(2). https://doi.org/10.5380/psi.v23i02.57188

Coutinho, E. C., Silva, C. B., Chaves, C. M. B., Nelas, P. A. B., Parreira, V. B. C., Amaral, M. O., & Duarte, J. C. (2014). Gravidez e parto: O que muda no estilo de vida das mulheres que se tornam mães?. Revista Da Escola De Enfermagem Da USP. 48, 17-24.

Coutinho, M. P. L., & Saraiva, E. R. A. (2008). Depressão pós-parto: considerações teóricas. Estudos e Pesquisas em Psicologia. Rio de Janeiro, v. 8, n. 3, p. 759-773.

Fernandes, F. C., & Cotrin, J. T. D. (2013). Depressão pós-parto e suas implicações no desenvolvimento infantil. Revista Panorâmica On-Line. Barra do Garças, v.14, p. 15–34.

Ferreira, V., & Lima, D. (2017). Universidade federal da paraíba centro de ciências da saúde departamento de nutrição a importância do aleitamento materno: uma revisão de literatura.https://repositorio.ufpb.br/jspui/bitstream/123456789/11572/1/VFL05072018.pdf

Figueiredo, B., Dias, C. C., Brandão, S., Canário, C., & Nunes-Costa, R. (2013). Breastfeeding and postpartum depression: state of the art review. Jornal de Pediatria, 89(4), 332–338. https://doi.org/10.1016/j.jped.2012.12.002

Figueira, P. G.; Diniz, L. M, & Silva Filho, H. C. (2011). Características demográficas e psicossociais associadas à depressão pós-parto em uma amostra de Belo Horizonte. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, v. 33, n. 2, p. 71-75.

Fonseca, B. C. R. (2010). A construção do vínculo afetivo mãe-filho na gestação. Revista científica eletrônica de psicologia. Garça, n. 14, p.1-17.

Freitas, D. R.; Vieira B. D. G.; Alves, V. H.; Rodrigues, D. P.; Leão, D.C. M. R, & Cruz, A. F. N. (2014). Alojamento num hospital universitário: depressão pós-parto na perspectiva dos enfermeiros. Cuidado é Fundamental Online. [S.l.], v. 6, n. 3, p. 1202-1211.

Frizzo, G. B., Martins, L. W. F., Silva, E. X. L., Piccinini, C. A., & Diehl, A. M. P. (2019). A Matriz de Apoio e o Contexto de Depressão Pós-Pasto. Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo, 39, 401-408.

Gonçalves, S., & Brasília, A. (2018). Centro universitário de brasília -uniceub faculdade de ciências da educação e saúde curso de nutrição dificuldades no início do aleitamento materno: o papel do nutricionista nos bancos de leite humano. https://repositorio.uniceub.br/jspui/bitstream/235/12596/1/21505122.pdf

Gomes, G. F., & Dos Santos, A. P. V. (2017). ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NO PUERPERIO. Revista Enfermagem Contemporânea, 6(2), 211–220. https://doi.org/10.17267/2317-3378rec.v6i2.1407

Gomes, L. A. et al. (2010). Identificação dos fatores de risco para depressão pós-parto: importância do diagnóstico precoce. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste. Fortaleza, v. 11, n. esp, p. 117-123.

Greinert, B. R. M., & Milani, R. G. (2015). Depressão pós-parto: uma compreensão psicossocial. Psicologia: teoria e prática, São Paulo, v. 17, n. 1, p. 26-36.

Heloisa, S. (2014). Indicadores de depressão materna e sintomas psicofuncionais em bebês: uma compreensão psicanalítica. Jesuita.org.br. https://doi.org/http://www.repositorio.jesuita.org.br/handle/UNISINOS/4965

Hartmann, J. M.; Mendoza-Sassi, R. A., & Cesar, J. A. (2017). Depressão entre puérperas: prevalência e fatores associados. Cadernos de Saúde Pública. v. 33, n. 9.

Iaconelli, V. (2005). Depressão pós-parto, psicose pós-parto e tristeza materna. Revista Pediatria Moderna. [S.l.], v. 41, n. 4, p. 1-7.

Iscaife, A. B., Vieira, D. A., Paula, C. S., Osório, A. A. C., & Mateus, V. L. E. (2020). Associação entre sintomas de depressão pós-parto e qualidade da relação de apego mãe-bebê. Cadernos de Pós-Graduação Em Distúrbios Do Desenvolvimento, 20(1). https://doi.org/10.5935/cadernosdisturbios.v20n1p158-175

Kassada, D. S., Waidman, M. A. P., Miasso, A. I., & Marcon, S. S. (2015). Prevalência de transtornos mentais e fatores associados em gestantes. Acta Paulista de Enfermagem, 28(6), 495–502. https://doi.org/10.1590/1982-0194201500084

Krob, A. D., Godoy, J., Leite, K. P., & Mori, S. G. (2017). Depressão na Gestação e no Pós-Parto e a Responsividade Materna Nesse Contexto. Revista Psicologia E Saúde, 3–16. https://doi.org/10.20435/pssa.v9i3.565

Lima, N. C., Ravelli, A. P. X., Messias, L. S. F., & Skupien, S.V. (2016). Depressão pós-parto baseada na escala de Edimburgo. Revista conexão UEPG. 12, 268-277.

Lobato, G., Moraes, C. L., & Reichenheim, M. E. (2011). Magnitude da depressão pós-parto no Brasil: uma revisão sistemática. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, 11(4), 369–379. https://doi.org/10.1590/s1519-38292011000400003

Louzada, W., Oliveira, A. M. N., Silva, P. A., Kerber, N. P. C., & Algeri, S. (2019). A depressão pós-parto na perspectiva dos profissionais de saúde. Revista Enfermagem Atual In Derme. 87, 01-07.

Marques, L. C., Silva, W. R. V., Lima, V. P., Nunes, J. T., Ferreira, A. G. N., & Fernandes, M. N. F. (2016). Saúde mental materna: rastreando os riscos causadores da depressão pós-parto. Journal health npeps. 1, 145-159.

Martins, C. S. R. (2014). Comparação de dois instrumentos para rastreamento da depressão gestacional em uma amostra de adolescentes grávidas na cidade de Pelotas, RS. 86 f. Dissertação (Mestre em Saúde e Comportamento) - Universidade Católica de Pelotas, Pelotas. http://pos.ucpel.edu.br/ppgsc/wp-content/uploads/sites/3/2018/03/Clarissa-Martins-Compara%C3%A7%C3%A3o-de-dois-instrumentos-para-rastreamento-da-depress%C3%A3o-gestacional-em-uma-amostra-de-adolescentes-gr%C3%A1vidas-na-cidade-de-Pelotas-RS.pdf.

Martins, F., & Hildebrandt, P. (2013). Universidade Federal do Rio de Janeiro instituto de psicologia programa de pos graduação em psicologia depressão pós-parto: aspectos epidemiológicos e proposta de tratamento cognitivo-comportamental. http://objdig.ufrj.br/30/teses/807952.pdf

Matos, A., Moll, M. F., Pires, N. A., Vasconcelos, T. F., & Ventura, C. A. A. (2020). Fatores associados à depressão pós-parto: um estudo na atenção primária em bairros central e periférico. Brazilian Journal of Development. 6, 77-690.

Mendes, K. D., Silveira, R. C. C., & Galvão, C. M. (2008). Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto & contexto - enfermagem. 17, 758-764.

Mendes, K. D.; Silveira, R. C. C., & Galvão, C. M. (2008). Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto & contexto - enfermagem. Florianópolis, v. 17, n. 4, p. 758-764.

Moll, M. F., Matos, A. F., Rodrigues, T. A., Martins T. S., Pires, F. C., & Pires, N. A. S. (2019). Rastreando a depressão pós-parto em mulheres jovens. Journal of Nursing UFPE. 5, 1338-1344.

Moraes, G. P. A.; Lorenzo, L.; Pontes, G. A. R.; Motenegro, M. C., & Cantilino, A. (2017). Triagem e diagnóstico de depressão pós-parto: quando e como? Tendências em psiquiatria e psicoterapia. Porto Alegre, v. 39, n. 1, p. 54-61.

Oliveira, M.J., & Dunningham, W. A. (2015). Prevalência e fatores de risco relacionados a depressão pós-parto em Salvador. Revista Brasileira de Neurologia e Psiquiatria. v. 19, n. 2, p. 72-83.

Pereira, P. K., & Lovisi, G. M. (2008). Prevalência da depressão gestacional e fatores associados. Archives of Clinical Psychiatry (São Paulo), 35(4), 144–153. https://doi.org/10.1590/s0101-60832008000400004

Poles, M. M., Carvalheira, A. P. P., Carvalhaes, M. A. de B. L., & Parada, C. M. G. de L. (2018). Sintomas depressivos maternos no puerpério imediato: fatores associados. Acta Paulista de Enfermagem, 31(4), 351–358. https://doi.org/10.1590/1982-0194201800050

Ramos, A. S. M. B., Martins, A. C. Q., Pessoa, D. L. R., Machado, M. C. A. M., & Noronha, F. M. F. (2018). Fatores associados à depressão pós-parto: revisão integrativa. Centro Científico Conhecer. São Paulo, v.23, n.1, p.251-264.

Reis, T. M., Sousa, M. E. F. de P., Paula, R. T. de, Silva, C. C., Camilo, A. das D., & Resende, M. A. (2018). Assistência de enfermagem na depressão pós-parto e interação mãe e filho. Revista Eletrônica Acervo Saúde, Esp.(11), S1069–S1075. https://doi.org/10.25248/reas134_2018

Resende, D. P., Caixeta, D. B., Magalhães, E. A. de, Nunes, E. A., Silva, G. J., Rocha, I. A., Dornelas, P. H., Nunes, M. R., & Ferreira, M. B. (2021). Depressão pós-parto: repercussões no desenvolvimento infantil. Ciências Da Saúde: Desafios, Perspectivas E Possibilidades. V.2, 55–62. https://doi.org/10.37885/210504507

Rosaneli, C. F., Costa, N. B., & Sutile, V. M. (2020). Proteção à vida e à saúde da gravidez na adolescência sob o olhar da Bioética. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 30(1).

Sá Vieira, E., Caldeira, N. T., Eugenio, D. S., & Di Lucca, M. M. (2018). Autoeficácia para amamentação e depressão pós-parto: estudo de coorte. Revista Latino-Americana de Enfermagem. 26.

Santos Junior. H. P. O.; Silveira M. F. A., & Gualda D. M. R. (2009). Depressão pós-parto: um problema latente. Revista Gaúcha Enfermagem. Porto Alegre, v. 30, n. 3, p. 516-524.

Santos, L. P., & Serralha, C. A. (2015). Repercussões da depressão pós-parto no desenvolvimento infantil. Revista Barbarói. Cruz do Sul, v.1, n.43, p. 05-26.

Santos, R. A. F., Guedes, A. C., Santos, R. A. R., & Guedes, A. C. (2018). Fatores de risco para a depressão pós-parto: uma revisão integrativa da literatura. Journal of the Health Sciences Institute. 36, 65-70.

Schmidt, E. B., Piccoloto, N. M., & Müller, M. C. (2005). Depressão pós-parto: fatores de risco e repercussões no desenvolvimento infantil. Psico-USF, 10(1), 61–68. https://doi.org/10.1590/s1413-82712005000100008

Silva, N. F., & Souza, D. C. (2018). O diagnóstico da depressão pós-parto e o uso da hipnoterapia cognitiva no tratamento. Revista amazônica. 21, 167-190.

Silva, R. M. da, Araújo, K. N. C. de, Bastos, L. A. C., & Moura, E. R. F. (2011). Planejamento familiar: significado para mulheres em idade reprodutiva. Ciência & Saúde Coletiva, 16(5), 2415–2424. https://doi.org/10.1590/s1413-81232011000500010

Silva, T., & Botti, L. N. C. (2006). DEPRESSÃO PUERPERAL – UMA REVISÃO DE LITERATURA. Revista Eletrônica de Enfermagem, 7(2). https://doi.org/10.5216/ree.v7i2.880

Stopa, S. R., Malta, D. C., Oliveira, M. M. de, Lopes, C. de S., Menezes, P. R., & Kinoshita, R. T. (2015). Prevalência do autorrelato de depressão no Brasil: resultados da Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Revista Brasileira de Epidemiologia, 18 (suppl 2), 170–180. https://doi.org/10.1590/1980-5497201500060015

Strapasson, M. R., & Nedel, M. N. B. (2010). Puerpério imediato: desvendando o significado da maternidade. Revista Gaúcha de Enfermagem, 31(3), 521–528. https://doi.org/10.1590/s1983-14472010000300016

Velho, M. B., Santos, E. K. A., Brüggemann, O. M., & Camargo, B. V. (2012). Vivência do parto normal ou cesáreo: revisão integrativa sobre a percepção de mulheres. Texto & Contexto - Enfermagem, 21(2), 458–466. https://doi.org/10.1590/s0104-

Downloads

Publicado

12-10-2023

Como Citar

Cerilo-Filho, M., Stefany Rocha do Nascimento, B., Constância Feitosa Marinho, J., Edvirgens Lima da Cruz, L., Nascimento Soares, M., & dos Santos Nunes, E. (2023). FATORES DE RISCO ASSOCIADOS A DEPRESSÃO PÓS PARTO. Psicologia E Saúde Em Debate, 9(2), 443–462. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V9N2A25

Edição

Seção

Estudo Teórico