A ATUAÇÃO DA ENFERMAGEM FRENTE AO INDIVÍDUO PORTADOR DA SÍNDROME DE DOWN

Autores

  • Marcelo Cerilo-Filho Doutorando em Microbiologia e Parasitologia Aplicadas – Departamento de Microbiologia e Parasitologia – Instituto Biomédico – Universidade Federal Fluminense. https://orcid.org/0000-0002-4221-2728
  • Julyana Constância Feitosa Marinho Centro Universitário do Rio São Francisco
  • Bruna Stefany Rocha do Nascimento Centro Universitário do Rio São Francisco
  • Lais Edvirgens Lima da Cruz Centro Universitário do Rio São Francisco
  • Mirelly Nascimento Soares Licencianda em Ciências Biológicas – Universidade do Estado da Bahia – Departamento de Educação – Campus VIII ¬– Colegiado de Ciências Biológicas
  • Erika dos Santos Nunes Universidade do Estado da Bahia - UNEB, Campus VIII, Paulo Afonso - BA
  • ´Kátia Cilene da Silva Félix Professora do curso de Enfermagem – Centro Universitário do Rio São Francisco – Colegiado de Enfermagem

DOI:

https://doi.org/10.22289/2446-922X.V9N2A26

Palavras-chave:

Aconselhamento genético, Cuidados de Enfermagem, Diagnóstico de Enfermagem, Saúde Mental

Resumo

A Síndrome de Down é um distúrbio cromossômico ocasionado pela cópia extra do cromossomo 21.  Essa alteração cromossômica é a mais comum em todo o mundo, os indivíduos apresentam características herdadas de seus pais independente da condição patológica, sendo que a deficiência intelectual é a característica da síndrome mais frequente entre as crianças. A enfermagem tem um papel relevante ao lidar com crianças esta patologia, bem como, com toda a família, precisando ter cuidados em todos os aspectos, desde os portadores, a orientação aos familiares no enfrentamento da sindrome. Assim, este trabalho teve como objetivo, descrever o papel da enfermagem diante a Síndrome de Down, como também, abordar a importância dessa profissão nos aspectos familiares. Trata-se de um estudo de revisão integrativa com abordagem qualitativa do tipo exploratório. Foram utilizados artigos originais indexados nas bases de dados PubMed, Scientific Electronic Library Online (SciELO) e Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS), utilizando os descritores (DECS) “down syndrome”, “nursing care”, “nursing diagnosis”, “genetic counseling”. A partir das buscas nas bases de dados citadas foram encontrados 196.734 artigos, os quais foram submetidos os critérios de inclusão e exclusão estabelecidos neste trabalho, foram selecionados 14 artigos que respondem à pergunta da pesquisa. Os estudos descrevem a importância da atuação do enfermeiro defronte a SD, orientação à família, apresentação à importância sobre o conhecimento científico e prático dos enfermeiros acerca da patologia. Desta maneira, o profissional enfermeiro deve ser sensibilizado sobre suas práticas como profissional, pois é considerado um identificador do diagnóstico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Araujo, N. D.; Santos, H. O.; Alonso, A. C., & Speciali, D. S. (2016). Orientações sobre estimulação motora em crianças com Síndrome de Down. Revista CPAQV, São Paulo, v. 8, n. 2, p. 2. http://www.cpaqv.org/revista/CPAQV/ojs-2.3.7/index.php?journal=CPAQV&page=article&op=view&path%5B%5D=112&path%5B%5D=

Boff, J., & Caregnato, R. T. A. (2008). História oral de mulheres com filhos portadores de Síndrome de Down. Texto & Contexto Enfermagem, Florianópolis, v. 17, n. 3, p. 578-586. https://doi.org/10.1590/S0104-07072008000300020.

Borges-Osório, M. R., & Robinson, W. M. (2013). Genética humana. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2013.

Brasil, Ministério da Saúde. (2013). Diretrizes de atenção a pessoas com síndrome de down. 1 ed. Brasília.http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diretrizes_atencao_pessoa_sindrome_down.pdf%20%3E.%20Acesso%20em:%2008%20mar.%202020.

Carswell, W. A. (1993). Estudo da assistência de enfermagem a crianças que apresentam Síndrome de Down. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 1, n. 2, p. 113-128. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11691993000200010.

Coelho, C. A síndrome de Down. (2016). 14 f. www.psicologia.pt/artigos/ver_artigo.php?a-sindrome-de-down&codigo.

Cunha, J. G; Costa, N. O.& Silva, M. (2011). Perfil epidemiológico da Síndrome de Down no estado da Bahia. Revista Pesquisa Em Fisioterapia, Bahia, v,1, n. 2, p. 165-175. http://www.bahiana.edu.br/revistamcc/hp/artig o.aspx?id=4676.

Estupiñan, E. J. V.; Forero-Castro R. M.& Granados, J. L. M. (2014). Estudio descriptivo-transversal del síndrome de Down en pacientes de Boyacá (Colombia). Revista Ciencia en Desarrollo, Colômbia, v. 5, n. 2, p. 187-195. http://www.scielo.org.co/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0121-74882014000200014.

Farias, M. E. L.; Neto, D. L., & Llapa-Rodriguez, E. O. (2020). Educação especial de estudantes com Síndrome de Down para o autocuidado. Escola Anna Nery, Rio de Janeiro, v. 24, n. 1. https://doi.org/10.1590/2177-9465-ean-2019-0129.

Ferreira, M. E. V.; Machado, L. S. P.; Bressan, R. C.; Silva, A. N. E. F.& Smeha, L. N. (2018). O bebê com síndrome de Down: a percepção dos profissionais acerca da formação do vínculo materno. Cadernos de Pós-Graduação em Distúrbios do Desenvolvimento, São Paulo, v. 18, n. 2, p. 28-45. http://dx.doi.org/10.5935/cadernosdisturbios.v18n2p28-45.

Fundação Síndrome De Down. (2013). Síndrome de Down. Campinas. http://www.fsdown.org.br/sobre-a-sindrome-de-down/.

Garduño-Zarazúa, L. M.; Alois, L. G.; Kofman-Epstein, S., & Peredo, A. B. C. (2013). Prevalencia de mosaicismo para la trisomía 21 y análisis de las variantes citogenéticas en pacientes con diagnóstico de síndrome de Down. Revisión de 24 años (1986-2010) del Servicio de Genética del Hospital General de México “Dr. Eduardo Liceaga”. Boletín médico del Hospital infantil de México, México, v. 70, n. 1, p. 31-36. http://www.scielo.org.mx/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1665-11462013000100007.

Gonçalves, G. S. S. (2016). A importância da intervenção precoce na Criança com Síndrome de Down. Disponível em: https://bdigital.ufp.pt/bitstream/10284/5495/1/PG_27182.pdf.

Hernandéz-Almaguer, D.; Villarreal, L. M.; Arteaga-Alcaraz, G.; Elizondo-Cárdenas, G., & Esmer-Sánchez, M. C. (2008). Departamento de Genética da Faculdade de Medicina, Francisco I. Madero e Eduardo Aguirre Pequeno, México, v. 65, n. 4, p. 1-8. http://www.scielo.org.mx/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1665-11462008000400003.

Kozma, C. O que é a síndrome de Down? In: Stray-Gundersen K. (2007). Crianças com síndrome de Down: guia para pais e educação. 2 eds. Porto Alegre: Artmed.

Lima, M. Da S., & Ross, J. De R. (2017). Tracking Down syndrome: what narrate to scientific publications? (2017). ReonFacema, Caxias, v. 3, n. 1, p. 422-428. http://www.facema.edu.br/ojs/index.php/ReOnFacema/article/view/174/95.

Link, D. C. A narrativa na Síndrome de Down. (2002). Dissertação (Mestrado em Linguística de Língua Portuguesa). Universidade Federal do Paraná, Curitiba. https://acervodigital.ufpr.br/bitstream/handle/1884/24457/D%20-%20LINK%2C%20DEIZI%20CRISTINA.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 5 mar. 2020.

Luiz, F. M.R.; Bortoli, P. S.; Santos, M. F., & Nascimento, L. C. (2008). A inclusa?o da criança com Síndrome de Down na rede regular de ensino: desafios e possibilidades. Revista Brasileira de Educação Especial, São Paulo, v. 14, n. 3. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-65382008000300011.

Mancini, M. C.; Silva, P. C.; Gonçalves, S. C., & Martins, S. M. (2000). Comparação do desempenho funcional de crianças portadoras de síndrome de Down e crianças com desenvolvimento normal aos 2 e 5 anos de idade. Arquivos de Neuro-Psiquiatria, São Paulo, v. 61, n. 2, p. 409- 415, 2000. https://doi.org/10.1590/S0004-282X2003000300016.

Marilyn, J.; & Bull, M. (2011). Clinical Report-Health Supervision for Children With Down Syndrome. Pediatrics, v. 128, n. 2, p. 393- 406. https://pediatrics.aappublications.org/content/pediatrics/early/2011/07/21/peds.2011-1605.full.pdf.

Martinho, L. S. T. (2011). Comunicação e linguagem na Síndrome de Down. Dissertação – Mestrado em Educação Especial, Escola Superior de Educação Almeida Garret, Lisboa. recil.grupolusofona.pt/bitstream/handle/10437/1647/Comunica%c3%a7...pdf?sequence =1>.

Mcgrath, R. J.; Laflamme, D. J.; Schwartz, A. P.; Stransky, M., & Moeschler, J. B. (2009). Access to Genetic Counseling for Children With Autism, Down Syndrome, and Intellectual Disabilities. Pediatrics, EUA, v. 124, n. 4, p. 1-9. https://doi.org/10.1542/peds.2009-1255Q.

Mendes, K. D. S.; Silveira, R. C. C. P., & Galvão, C. M. (2008). Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto Contexto Enfermagem, Florianópolis, v. 17, n. 4, p. 758-764. https://doi.org/10.1590/S0104-07072008000400018.

Micheletto, M. R. D.; Amaral, V. L. A. R.; Valerio, N. I., & Fett-Conte, A. G. (2009). Adesão ao tratamento após aconselhamento genético na Síndrome de Down. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 14, n. 3, p. 491-500. https://doi.org/10.1590/S1413-73722009000300010.

Moreira, L. M. A.; El-Hanib, C. N., & Gusmão, F. A. F. (200). A síndrome de Down e sua patogênese: considerações sobre o determinismo genético. Revista Brasileira de Psiquiatria, São Paulo, v. 22, n. 2, p. 96-99. https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-44462000000200011.

Nepomuceno, I. L.; Rodrigues, E. G. S.; Rodrigues, E. A.; Santos, I. G. O.; Santos, M., & Acioli, F. R. D. (2016). Síndrome de Down: é possível viver com as limitações. Anais 2016: 18ª Semana de Pesquisa da Universidade Tiradentes. https://eventos.set.edu.br/index.php/sempesq/article/view/3883/3097.

Nunes, M. D. R., & Dupas, G. (2011). Independência da criança com síndrome de Down: a experiência da família. Revista Latino-Americana de Enfermagem, São Paulo, v. 19, n. 4, p. 1-9, https://doi.org/10.1590/S0104-11692011000400018.

Oyama, S. M. R.; Arvigo, G., & Mechetti, F. C. (2011). A atuação do enfermeiro com crianças e famílias de portadores da síndrome de down. Cuidarte enfermagem, São Paulo, v. 5, n. 2, p. 90-96, http://fundacaopadrealbino.org.br/facfipa/ner/pdf/CuidArte%20Enfermagem%20v.%205,%20n.%202,%20jul.-dez.%202011.pdf.

Paula, A. K. E.; Nunes, A. G.; Bandeira, I. B.; Almeida, M. S. C., & Santos, C. R. B. (2016). Aspectos sociais e genéticos da Síndrome de Down. Mostra Científica em Biomedicina, Quixadá, v. 1, n. 1. http://publicacoesacademicas.unicatolicaquixada.edu.br/index.php/mostrabiomedicina/article/viewFile/818/734.

Pereira-Silva, N. L. P., & Dessen, M. (2002). A. Síndrome de Down: etiologia, caracterização e impacto na família. Interação em Psicologia, Brasília, v. 6, n.2, p. 167-176. https://revistas.ufpr.br/psicologia/article/view/3304/2648.

Perkins, A. M. S. N. (2017). The lowdown on Down syndrome. Nursing made Incredibly Easy, [s.l.], v. 15, n. 2, p. 40-46. https://journals.lww.com/nursingmadeincrediblyeasy/fulltext/2017/03000/the_lowdown_on_down_syndrome.10.

Pessallacia, J. D. R.; Ribeiro, I. K. S.; Rates, C. M. P.; Azevedo, C., & Braga, P. P. (2015). Experiência de acesso a serviços primários de saúde por pessoas com Síndrome de Down. Revista de Enfermagem do Centro Oeste Minerio, Brasil, v. 5, n. 2, p. 1752-1767. https://doi.org/10.19175/recom.v5i3.1275.

Pompeo, D. A.; Rossi, L. A., & Galvão, C. M. (2009). Revisão integrativa: etapa inicial do processo de validação de diagnóstico de enfermagem. Acta Paulista de Enfermagem, São Paulo, v. 22, n. 4, p. 434-438. https://doi.org/10.1590/S0103-21002009000400014.

Pueschel, S. M. (2003). Características físicas da criança Síndrome de Down: guia para pais e educadores. 8.ed. Campinas, SP: Papirus.

Ramos, A. F.; Caetano, J. A.; Soares, E., & Rolim, K. M. C. (2006). A convivência da família com o portador de Síndrome de Down à luz da Teoria Humanística. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 59, n. 3, p. 262-268. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672006000300003.

Ramos, D. A., & Gouvêia, E. A. (2019). A importância da equipe multidisciplinar no preparo dos pais diante da Síndrome de Down: uma revisão bibliográfica de literatura. Revista JRG de Estudos Acadêmicos, Brasília, v. 2, n. 5. http://revistajrg.com/index.php/jrg/article/view/93/84.

Rodrigues, C. (2012). Os cuidados com a síndrome de down e o trabalho das entidades sociais na cidade de Assis. Trabalho de Conclusão de Curso, Assis. https://cepein.femanet.com.br/BDigital/arqTccs/0911250359.pdf.

Roos, L.; Costa, A. E. K., & Pissaia, L. F. (2019). Síndrome de down: trajetórias do seu diagnóstico para os pais. Revista interdisciplinar de promoção da saúde, Santa Cruz do Sul, v. 2, n. 1, p. 8-13, //online.unisc.br/seer/index.php/ripsunisc/article/view/13192/8353.

Santoro, S. L. M. D.; Jacobson, T. L. G. C.; Lemle, S. M. B. A., & Bartman, T. M. D. (2017). Integrating a Geneticist in a Multidisciplinary Clinic for Down Syndrome Increases Commitment to Genetic Counseling. Pediatric Quality and Safety, EUA, v. 2, n. 5, p. 1-8. 10.1097 / pq9.0000000000000039.

Santos, M. C. M.; Batista, A. C., & Simões, I. A. R. (2017). Síndrome de down: facilidades, dificuldades e apoio encontrado pelos pais. Ciência em Saúde, Minas Gerais, v. 7, n. 2, fev. https://www.researchgate.net/publication/318037787_Sindrome_de_down_facilidades_dificuldades_e_apoio_encontrado_pelos_pais_Down_syndrome_facilities_dificulties_and_support_found_by_parents.

Schwartzman, J. S. (1999). Síndrome de Down. São Paulo: Memnon.

Sérés, A.; Quinones, E.; Casaldáliga, J.; Corretger, J., & Trias, K. Síndrome de down, de A a Z. (2011). Federação Brasileira das Associações de Síndrome de Down. Ed. Saberes, 2011. http://federacaodown.org.br/index.php/sindrome-de-down/.

Silva, A. F., & Trabaquini, P. Dos S. (2019). Assistência de enfermagem para crianças com Síndrome de Down. Revista da Saúde da AJES, Juína, v. 5, n. 9, p. 1-9. http://revista.ajes.edu.br/index.php/sajes/article/view/300.

Souza, M. T.; Silva, M. D., & Carvalho, R. (2017). Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein, v. 8, n. 1, p. 102-106.

Stray- Gundersen, K. (2007). Crianças com síndrome de down: guia para pais e educadores. 2 eds. Porto Alegre: Artmed.

Viana, C. M. M.; Pierantoni, C. R.; França, T. C.; Magnago, C.; Rodrigues, M.P.S., & Morici, M.C. (2013). Modelos econométricos de estimativa da força de trabalho: uma revisão integrativa da literatura. Physis Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 23, n. 3, p. 925-950. https://www.scielosp.org/pdf/physis/2013.v23n3/925-950/pt.

Vicic, A.; Hafner, T.; Vlatkovic, I. B.; Lorac, P.; Habek, D., & Stipoljev, F. (2017). Prenatal diagnosis of Down syndrome: A 13-year retrospective study. Taiwanese Journal of Obstetrics & Gynecology, Taiwan, v. 56, n. 6, p. 731-735, 2017. https://doi.org/10.1016/j.tjog.2017.10.004.

Downloads

Publicado

13-10-2023

Como Citar

Cerilo-Filho, M., Constância Feitosa Marinho, J., Stefany Rocha do Nascimento, B., Edvirgens Lima da Cruz, L., Nascimento Soares, M., dos Santos Nunes, E., & Cilene da Silva Félix, ´Kátia. (2023). A ATUAÇÃO DA ENFERMAGEM FRENTE AO INDIVÍDUO PORTADOR DA SÍNDROME DE DOWN. Psicologia E Saúde Em Debate, 9(2), 463–472. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V9N2A26

Edição

Seção

Estudo Teórico