O IMPACTO DO TRANSTORNO OBSESSIVO-COMPULSIVO NAS RELAÇÕES FAMILIARES: uma replicação sistemática

Autores

  • Lariane Gonçalves Uniararas (Centro Universitário da Fundação Hermínio Ometto - FHO) https://orcid.org/0009-0009-0407-4908
  • André Luíz Ferreira Centro Universitário da Fundação Hermínio Ometto - FHO

DOI:

https://doi.org/10.22289/2446-922X.V9N2A17

Palavras-chave:

Transtorno obsessivo-compulsivo, Família, Cuidadores

Resumo

O Transtorno Obsessivo-compulsivo (TOC) é caracterizado pela presença de obsessões e/ou compulsões que surgem de forma a consumir tempo excessivo dos indivíduos acometidos, ocasionando prejuízos funcionais e sofrimento significativo. Considerando que a família tem ocupado o papel de principal cuidadora no projeto psicossocial atual, o presente trabalho objetivou investigar a sobrecarga de familiares de pacientes diagnosticados previamente com TOC, visando ser uma replicação sistemática do estudo de Soares Neto et al. (2011), intitulado “Sobrecarga em familiares de indivíduos com transtorno obsessivo-compulsivo”. Para a coleta de dados foi utilizada a escala FBIS-BR e um questionário que levantou dados sociodemográficos e referentes à convivência familiar. Participaram desta pesquisa 07 familiares de sujeitos com TOC, selecionados por grau de proximidade, maiores de 18 anos e que não possuíssem transtornos mentais em curso. A pesquisa realizou um estudo de levantamento, com análise quantitativa e qualitativa dos dados. Seu intuito foi analisar e compreender o grau de sobrecarga objetiva e subjetiva desses familiares. Como principais resultados, encontraram-se graus elevados de sobrecarga, sobretudo nos itens abrangidos pela dimensão subjetiva da escala, embora o escore global objetivo tenha sido maior. A subescala A (referente à frequência de realização de atividades cotidianas) registrou o maior impacto na sobrecarga objetiva; enquanto a subescala E (referente à preocupação com os pacientes psiquiátricos), em comparação com todas as subescalas, obteve o maior escore médio. Diante disso, é essencial que haja maior respaldo dos serviços e profissionais de saúde às famílias, tendo em vista que ela tem ocupado a posição de principal cuidadora.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Albuquerque, E. P. T., Cintra, A. M. O., & Bandeira, M. (2010). Sobrecarga de familiares de pacientes psiquiátricos: comparação entre diferentes tipos de cuidadores. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 59 (4), 308-316. https://doi.org/10.1590/S0047-20852010000400007

Bandeira, M., Calzavara, M. G. P., & Varella, A. A. B. (2005). Escala de Sobrecarga dos familiares de pacientes psiquiátricos – FBIS-BR: adaptação transcultural para o Brasil. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 54 (3), 206-214. https://www.researchgate.net/publication/311666949_Escala_de_sobrecarga_dos_familiares_ de_pacientes_psiquiatricos_adaptacao_transcultural_para_o_Brasil_FBIS-BR.

Bandeira, M.; Calzavara, M. G. P., & Castro, I. (2008). Estudo de validade da escala de sobrecarga de familiares cuidadores de pacientes psiquiátricos. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 57 (2), 98-104. https://doi.org/10.1590/S0047-20852008000200003

Barroso, S. M., Bandeira, M., & Nascimento, E. do. (2007). Sobrecarga de familiares de pacientes psiquiátricos atendidos na rede pública. Archives of Clinical Psychiatry, 34 (6), 270-277. https://doi.org/10.1590/S0101-60832007000600003

Batista, C. M. F., Bandeira, M. B., Quagila, M. A. C., Oliveira, D. C. R., & Albuquerque, E. P. T. de. (2013). Sobrecarga de familiares de pacientes psiquiátricos: influência do gênero do cuidador. Cadernos Saúde Coletiva, 21 (4), 359-369. https://www.scielo.br/j/cadsc/a/nn7MmvztbC9rLJQwfdBj5Kp/?lang=pt#

Boarati, L. & Malerbi, F. E. K. (2018). Intervenção analítico-comportamental dirigida a familiares de portadores do transtorno obsessivo-compulsivo. Revista Brasileira de Análise do Comportamento, 14 (1), 44-53. http://dx.doi.org/10.18542/rebac.v14i1.7158

Bortoli, B. A., & Francke, I. A. (2018). Tratamento psicoterápico do transtorno obsessivo-Compulsivo: perspectivas da terapia cognitivo-comportamental e terapia analítico-comportamental. Aletheia, 51 (1-2), 131-142. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-03942018000100012

Copque, H., & Guilhardi, H. J. (2009). O modelo comportamental na análise do TOC. (Inter)subjetividades, 1-19. https://itcrcampinas.com.br/pdf/helio/Modelo_Comportamental_na_Analise_do_TOC.pdf

Demarco, D. A. (2014). Fatores associados à sobrecarga familiar em Centros de Atenção Psicossocial do Sul do Brasil. Dissertação (Mestrado) (Pós-graduação em Enfermagem) - Universidade Federal de Pelotas. https://wp.ufpel.edu.br/pgenfermagem/files/2015/10/5f93f983524def3dca464469d2cf9f3e.pdf

Eloia, S. C., Oliveira, E. N., Lopes, M. V. O., Parente, J. R. F., Eloia, S. M. C., & Lima, D. dos S. (2018). Sobrecarga de cuidadores familiares de pessoas com transtornos mentais: análise dos serviços de saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 23 (9), 3001-3011. https://doi.org/10.1590/1413-81232018239.18252016

Fernandes, J. B.; Kruel, L. R. P., & Finkler, D. C. (2015). Repercussão da acomodação familiar no tratamento do transtorno obsessivo compulsivo. Revista Brasileira de Terapias Cognitivas, 11 (1), 50-56. https://doi.org.10.5935/1808-5687.20150007

Fernandes, P. A., & Carvalho, M. R. (2016). Alterações neurobiológicas verificadas a partir do tratamento com Terapia Cognitivo-comportamental no Transtorno Obsessivo-Compulsivo. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 32 (2), 1-9. https://doi.org/10.1590/0102-3772e322215

Ferrão, Y. A., Diniz, J. B., Lopes, A. C., Shavitt, R. G., Greenberg, B., & Miguel, E. (2007). Resistência e refratariedade no transtorno obsessivo compulsivo. Brazilian Journal of Psychiatry, 29 (2), 66-76. https://doi.org/10.1590/S1516-44462006005000059

Hemanny, C., Iêgo, S. Sena, E. P., & Dunningham, W. A. (2012). Psicoterapia versus farmacoterapia no tratamento do transtorno obsessivo-compulsivo: uma revisão sistemática. Revista de Ciências Médicas e Biológicas, 11 (2), 239-244. https://repositorio.ufba.br/handle/ri/11536

Martins, J. P., & Guimarães, A. C. P. C. (2012). Transtorno Obsessivo-Compulsivo: repercussões na dinâmica familiar. Mimesis, 33 (2), 165-180. https://secure.unisagrado.edu.br/static/biblioteca/mimesis/mimesis_v33_n2_2012_art_04.pdf

Morais, P. R. (2007). Estatística para psicólogos (que não gostam de números). ESETec Editores Associados.

Oliveira, A. J., Rosa, D. G. da, Ferro, L. A. M., & Rezende, M. M. (2018). Técnicas cognitivo-comportamentais no tratamento do transtorno obsessivo-compulsivo: uma investigação baseada em evidências. Revista de Psicologia da UNESP, 18 (1), 30-49. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1984-90442019000100003

Oliveira, E. N., Eloia, S. M. C., Lima, D. dos S., Eloia, S. C., & Linhares, A. M. F. (2017). A família não é de ferro: ela cuida de pessoas com transtorno mental. Revista de Pesquisa Cuidado é Fundamental Online, 9 (1), 71-78. https://doi.org/10.9789/2175-5361.2017.v9i1.71-78

Randemark, N. F. R., Jorge, M. S. B. & Queiroz, M. V. O. (2004). A reforma psiquiátrica no olhar das famílias. Texto & Contexto - Enfermagem, 13 (4), 543-550. https://doi.org/10.1590/S0104-07072004000400006

Reis, T. L. dos, Dahl, C. M., Barbosa, S. M., Teixeira, M. R., & Delgado, P. G. G. (2016). Sobrecarga e participação de familiares no cuidado de usuários de Centros de Atenção Psicossocial. Saúde em Debate, 40 (109), 70-85. https://doi.org/10.1590/0103-1104201610906

Silveira, C. C., & Vermes, J. S. (2014). Relato de um caso de Transtorno Obsessivo-Compulsivo infantil à luz da Análise do Comportamento. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva, 16 (3), 82-92. https://doi.org/10.31505/rbtcc.v16i3.714

Soares Neto, E. B., Teles, J. B. M., & Rosa, L. C. dos S. (2011). Sobrecarga em familiares de indivíduos com transtorno obsessivo-compulsivo. Archives of Clinical Psychiatry, 38 (2), 47-52. https://doi.org/10.1590/S0101-60832011000200001

Torres, A. R., & Lima, M. C. P. Epidemiologia do transtorno obsessivo-compulsivo: uma revisão. (2005). Brazilian Journal of Psychiatry, 27 (3), 237-242. https://doi.org/10.1590/S1516-44462005000300015

Torresan, R. C., Smaira, S. I., Ramos-Cerqueira, A. T. de A., & Torres, A. R. (2008). Qualidade de vida no transtorno obsessivo-compulsivo: uma revisão. Archives of Clinical Psychiatry, 35 (1), 13-19. https://doi.org/10.1590/S0101-60832008000100003

Vermes, J. S. & Zamignani, D. R. (2002). A perspectiva analítico comportamental no manejo do comportamento obsessivo-compulsivo: estratégias em desenvolvimento. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva, 4 (2), 135-149. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-55452002000200006

Downloads

Publicado

20-09-2023

Como Citar

Gonçalves, L., & Ferreira, A. L. (2023). O IMPACTO DO TRANSTORNO OBSESSIVO-COMPULSIVO NAS RELAÇÕES FAMILIARES: uma replicação sistemática. Psicologia E Saúde Em Debate, 9(2), 305–327. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V9N2A17

Edição

Seção

Artigo original