PERCEPÇÃO DE PSICÓLOGOS SOBRE A PROFILAXIA PRÉ-EXPOSIÇÃO AO HIV (PREP) EM MATO GROSSO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22289/2446-922X.V9N2A19

Palavras-chave:

Profilaxia Pré-Exposição, Política pública, Psicólogos

Resumo

A Profilaxia Pré-Exposição ao HIV (PrEP) é uma estratégia de saúde pública para reduzir a probabilidade de aquisição do HIV por pessoas com alto risco de exposição. Este trabalho aborda a percepção de profissionais psicólogos da rede de atenção básica de saúde acerca da implementação da política pública de PrEP no estado de Mato Grosso, Brasil. Por meio entrevistas semiestruturadas, buscou-se entender o itinerário terapêutico na unidade em que atuam, assim como opiniões e envolvimento na implementação da PrEP. Verifica-se a indefinição quanto as atribuições e espaço de atuação do psicólogo em relação a PrEP nas unidades de saúde. Em algumas o acolhimento é realizado com obrigatoriedade no primeiro atendimento, em outros apenas se há um pedido do usuário. Depreende-se das entrevistas, a desconfiança e preconceito em relação à política e comportamento sociais dos usuários, bem como o reconhecimento da falta de treinamento e divulgação como principais motivações para a baixa adesão. As psicólogas mostraram-se profissionais importantes no processo de implementação da PrEP. Entretanto, é necessário mais diálogo com a gestão em nível local e estadual para que dúvidas, crenças e representações sociais sejam discutidas e não comprometam a efetivação da política.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Deberson Ferreira de Jesus, Universidade Federal de Mato Grosso

Servidor da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). Possui dupla graduação, licenciatura e bacharelado em Ciências Sociais (concentração em sociologia e ciência política) e Doutorado em Sociologia Política.

Glória Luiza Silveira da Silva, Universidade Federal de Mato Grosso

Estudante de Psicologia

Neuza Cristina Gomes da Costa , Universidade Federal de Mato Grosso

Professora Departamento de Saúde Coletiva da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). Graduada em Enfermagem e em Ciências Sociais (bacharelado e licenciatura). Mestre em Saúde Coletiva e Doutora em Estudos da Cultura Contemporânea. 

Referências

Barbosa, J., & Ramalho, W. (2021). Saúde Amanhã: Textos para Discussão 55: mortes por causas externas no Brasil: possíveis cenários epidemiológicos para o Brasil em 2040. https://www.arca.fiocruz.br/bitstream/handle/icict/47609/BARBOSA-J-e-RAMALHO-W-2021-Poss%EDveis-cen%E1rios-epidemiol%F3gicos-para-Brasil-2040-Fiocruz-Saude-Amanha-TD055.pdf;jsessionid=FB6CE33733626817A55B279C75120B56?sequence=2

Boni, V., & Quaresma, S. J. (2005). Aprendendo a entrevistar: como fazer entrevistas em Ciências Sociais. Em tese, 2(1), 68-80. https://periodicos.ufsc.br/index.php/emtese/article/view/18027

BRASIL. Ministério da Saúde (2017). Diretrizes para a organização dos serviços de saúde que ofertam a Profilaxia Pré-Expoxição sexual ao HIV (PrEP) no sistema único de saúde. http://antigo.aids.gov.br/pt-br/pub/2017/diretrizes-para-organizacao-dos-servicos-de-saude-que-ofertam-profilaxia-pre-expoxicao-prep

BRASIL. Ministério da Saúde (2018). Protocolo clínico e diretrizes terapêuticas para Profilaxia Pré-exposição (PrEP) de risco à infecção pelo HIV. Ministério da Saúde. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/protocolo_clinico_diretrizes_terapeuticas_profilaxia_pre_exposicao_risco_infeccao_hiv.pdf

Carvalho, D. D. R. (2010). Custos no tratamento ambulatorial da HIV/AIDS: um estudo de caso no Hospital-Dia–Natal/RN. [Dissertação de mestrado, Programa Multiinstitucional e Inter-Regional de Pós-Graduação em Ciências Contábeis da UnB, UFPB, UFRN, Natal]. https://repositorio.unb.br/bitstream/10482/9561/1/2010_DanieledaRochaCarvalho.pdf

CFP, Conselho Federal de Psicologia (2020). Referências técnicas para atuação de psicólogas (os) nos programas e serviços de IST/HIV/AIDS. CFP. https://crpsp.org/uploads/impresso/78646/6iRm9fcu24F1qOuItSotbwvkItpNLeag.pdf

Conrad, P. (2007). The medicalization of society: on the transformation of human conditions into treatable disorders. Johns Hopkins University Press.

Conselho Regional de Psicologia de São Paulo (2014). Psicologia, Laicidade, Espiritualidade, Religião e os Saberes Tradicionais: referências básicas para a atuação profissional. http://www.crpsp.org.br/portal/comunicacao/livro-diverpsi/DiverpsiLivroConteudo.pdf

Di Ciaccio, M., Sagaon-Teyssier, L., Protière, C., Mimi, M., Suzan-Monti, M., Meyer, L.,... & Spire, B. (2021). Impact of HIV risk perception on both pre-exposure prophylaxis and condom use. Journal of health psychology, 26(10), 1575-1586. https://doi.org/10.1177/1359105319883927

Foucault, M. (2014). História da Sexualidade 1: A vontade de saber. Paz & Terra.

Gafos, M., Horne, R., Nutland, W., Bell, G., Rae, C., Wayal, S., ... & McCormack, S. (2019). The context of sexual risk behaviour among men who have sex with men seeking PrEP, and the impact of PrEP on sexual behaviour. AIDS and Behavior, 23, 1708-1720. https://doi.org/10.1007/s10461-018-2300-5

Gonçalves, L. L., Lobo, B., Lima, N. S., & Mengarda, C. F. (2010). Acolhimento multiprofissional em Estratégia de Saúde da Família: espaço de atuação para o profissional psicólogo. Revista de Psicologia da IMED, 2(1), 276-287. https://doi.org/10.18256/2175-5027/psico-imed.v2n1p276-287

Jenness, S. M., Weiss, K. M., Goodreau, S. M., Gift, T., Chesson, H., Hoover, K. W., ... & Rosenberg, E. S. (2017). Incidence of gonorrhea and chlamydia following human immunodeficiency virus preexposure prophylaxis among men who have sex with men: a modeling study. Clinical Infectious Diseases, 65(5), 712-718. https://doi.org/10.1093/cid/cix439

Lionço, T. (2017). Psicologia, democracia e laicidade em tempos de fundamentalismo religioso no Brasil. Psicologia: Ciência e Profissão, 37, 208-223. https://doi.org/10.1590/1982-3703160002017

?

Cecília, M., Gonçalves, S., & Ramos, E. (2005). Conceito de avaliação por triangulação de métodos. In: Avaliação por triangulação de métodos. SciELO - Editora FIOCRUZ.

Parent, M. C., Woznicki, N., Dillon, F. R., & Pituch, K. A. (2020). Psychosocial barriers to pre-exposure prophylaxis (PrEP) uptake: The roles of heterosexual self-presentation, sexual risk, and perceived peer prep use. Psychology of Men & Masculinities, 21(4), 699–703. https://doi.org/10.1037/men0000258

Piovesan, A., & Temporini, E. R. (1995). Pesquisa exploratória: procedimento metodológico para o estudo de fatores humanos no campo da saúde pública. Revista de saúde pública, 29, 318-325. https://www.scielo.br/j/rsp/a/fF44L9rmXt8PVYLNvphJgTd/?fo

Rasera, E. F., & Issa, C. L. G. (2007). A atuação do psicólogo em ONG/AIDS. Psicologia: Ciência e profissão, 27, 566-575. https://doi.org/10.1590/S1414-98932007000300015

Sousa, A. M. de, Lyra, A., de Araújo, C. C. F., Pontes, J. L., Freire, R. C., & Pontes, T. L. (2012). A política da AIDS no Brasil: uma revisão da literatura. Journal of Management & Primary Health Care, 3(1), 62–66. https://doi.org/10.14295/jmphc.v3i1.119

Vera Cruz, G., Mateus, A., Domingos, L., Mullet, E., & Moore, P. J. (2020). Assessing Mozambicans’ willingness and determinants to use pre-exposure prophylactic HIV medication. Journal of Health Psychology, 25(12), 1954-1964. https://doi.org/10.1177/13591053187832

Zucchi, E. M., Grangeiro, A., Ferraz, D., Pinheiro, T. F., Alencar, T., Ferguson, L., ... & Munhoz, R. (2018). Da evidência à ação: desafios do Sistema Único de Saúde para ofertar a profilaxia pré-exposição sexual (PrEP) ao HIV às pessoas em maior vulnerabilidade. Cadernos de Saúde Pública, 34. https://doi.org/10.1590/0102-311X00206617

Downloads

Publicado

26-09-2023

Como Citar

Ferreira de Jesus, D., Silveira da Silva, G. L., & Gomes da Costa , N. C. (2023). PERCEPÇÃO DE PSICÓLOGOS SOBRE A PROFILAXIA PRÉ-EXPOSIÇÃO AO HIV (PREP) EM MATO GROSSO. Psicologia E Saúde Em Debate, 9(2), 336–354. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V9N2A19

Edição

Seção

Artigo original