ATUAÇÃO E IMPORTÂNCIA DA PSICO-ONCOLOGIA

Autores

  • Cleaide Ataide Lima Assunção Universidade Ceuma

DOI:

https://doi.org/10.22289/2446-922X.V9N2A16

Palavras-chave:

Oncologia, Psicologia, Psicoterapia

Resumo

O câncer, e também seu tratamento médico, levam a uma ampla variedade de problemas físicos e psicossociais e, em geral, os pacientes oncológicos não estão preparados para lidar com a carga psicológica e emocional que acompanha o diagnóstico do câncer e que só aumenta com o tempo, se não for tratada adequadamente. Assim, a psico-oncologia surgiu como um campo interdisciplinar com o objetivo de abordar essas questões e fornecer suporte para esses pacientes. Nesse contexto, este estudo tem como objetivo descrever a importância da psico-oncologia no tratamento de pacientes com câncer. Constatou-se que, quando o indivíduo se encontra diagnosticado com uma doença oncológica, não podem ser oferecidos somente cuidados físicos, pois trata-se de uma doença multifatorial, onde as emoções desempenham um papel fundamental. Conclui-se, portanto, que a necessidade da psico-oncologia é inegável, principalmente na abordagem das respostas psicológicas ao câncer, como o trauma inicial, a negação, a ansiedade, a depressão, o medo, a raiva e outras manifestações durante as diversas fases do tratamento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Alves, G. S.; Viana, J. A.; Souza, M. F. S. (2018). Psico-oncologia: uma aliada no tratamento de câncer. Pretextos - Revista da Graduação em Psicologia da PUC Minas, 3(5), 520-537. http://periodicos.pucminas.br/index.php/pretextos/article/view/15992.

American Psychiatric Association (APA). (2014). Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM-5. Artmed.

Andrade, L. H., Alonso, J., Mneimneh, Z., Wells, J. E., Al-Hamzawi, A., Borges, G., Bromet, E., Bruffaerts, R., Girolamo, G., Graaf, R., Florescu, S., Gureje, O., Hinkov, H. R., Hu, C., Huang, Y., Hwang, I., Jin, R., Karan, E. G., Mafesty, V. K. ... et al. (2014). Barriers to mental health treatment: results from the WHO World Mental Health surveys. Psychol Med, 44(1), 1303–1317. 10.1017/S0033291713001943.

Bernat, A. B. R.; Pereira, D. R.; Swinerd, M. M. (2014). Um olhar sobre os aspectos relevantes que envolvem o sofrimento psíquico do paciente oncológico. In Bernat, A. B. R.; Pereira, D. R.; Swinerd, M. M. (Orgs.). Sofrimento psíquico do paciente oncológico: o que há de específico? INCA.

Bifulco, V. A. (2010). Psico-oncologia: apoio emocional para o paciente, a família e a equipe no enfrentamento do câncer. In Bifulco, V. A.; Fernandes Júnior, H. J.; Barbosa, A. B. Câncer: uma visão multiprofissional. Minha editora.

Campos, E. M. P. (2010). A Psico-Oncologia: Uma nova visão do câncer, uma trajetória. USP.

Campos, E. M. P.; Rodrigues, A. L. & Castanho, P. (2021). Intervenções Psicológicas na Psico-Oncologia. Mudanças, 29(1), 41-47. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-32692021000100005&lng=pt&tlng=pt.

Carvalho, V. A. et al. (Org.). (2008). Temas em psico-oncologia. Summus.

Eskelinen M., Korhonen R., Selander T., Ollonen P., Beck. (2017). Depression inventory as a predictor of long-term outcome among patients admitted to the Breast Cancer Diagnosis Unit: a 25-year cohort study in Finland. Anticancer Res, 37(2), 819-824. 10.21873/anticanres.11383.

Faller, H., Weis, J., Koch, U., Brähler, E., Härter, M., Keller, M., Schulz, H., Wegscheider, K., Boehncke, A., Hund, B., Reuter, K., Richard, M., Sehner, S., Szalai, C., Wittchen, H.U., Mehnert, A. (2016). Perceived need for psychosocial support depending on emotional distress and mental comorbidity in men and women with cancer. J. Psychosom. Res, 81(1), 24–30. 10.1016/j.jpsychores.2015.12.004.

Farinhas, G. V.; Wendling, M. I.; Zanon, L. L. D. (2013). Impacto psicológico do diagnóstico de câncer na família: um estudo de caso a partir da percepção do cuidador. Pensando famílias, 17(2), 111-129. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-494X2013000200009&lng=pt&tlng=pt.

Felippe, T. C. A; Castro, P. F. (2015). Percepção sobre diagnóstico e tratamento em paciente oncológico. Revista Saúde, 9(1-2), 4-19. http://revistas.ung.br/index.php/saude/article/view/1933.

Fonseca, R. & Castro, M. M. (2016). A importância da atuação do psicólogo junto a pacientes com câncer: uma abordagem psico-oncológica. Psicologia e Saúde em Debate, 2(1), 54-72. Doi: 10.22289/2446-922X.V2EEA5.

Holland, J. C. (2002). History of psycho-oncology: overcoming attitudinal and conceptual barriers. Psychosom Med, 64(2), 206-221. 10.1097/00006842-200203000-00004.

Liberato, R. P.; Carvalho, V. A. (2008). Terapias integradas à oncologia. In: Carvalho, V. A., Franco, M. H. P., Kovács, M. J., Liberato, R. P., Macieira, R. C., Veil, M. T., Gomes, M. J. B., Barros, L. H. C. (org.). Temas em psico-oncologia. Summus.

Oliveira, E. & Andrade, M. C. M. A (2019). Psico-oncologia e seus diversos desdobramentos. Revista Mosaico, 10(1), 43-48. Doi: 10.21727/rm.v10i1.1685.

Pio, E. S. S; Andrade, M. C. M. (2020). Psico-oncologia: A atuação do Psicólogo junto aos familiares e ao paciente oncológico. Revista Mosaico, 11(1), 93-99. 10.21727/rm.v11i1.2259.

Scannavino, C. S. S., Sorato, D. B., Lima, M. P., Franco, A. H. J., Martins, M. P., Morais Júnior, J. C., Bueno, P. R. T., Rezende, F. F., Valério, N. I. (2013). Psico-Oncologia: atuação do psicólogo no Hospital de Câncer de Barretos. Psicologia USP, 24(1), 35–53. 10.1590/S0103-65642013000100003.

Veit, M. T.; Carvalho, V. C. (2010). Psico-Oncologia: um novo olhar para o câncer. O Mundo da Saúde, 34(4), 526-530. http://www.saocamilo-sp.br/pdf/mundo_saude/79/526a530.pdf.

Downloads

Publicado

26-09-2023

Como Citar

Ataide Lima Assunção, C. (2023). ATUAÇÃO E IMPORTÂNCIA DA PSICO-ONCOLOGIA. Psicologia E Saúde Em Debate, 9(2), 292–304. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V9N2A16

Edição

Seção

Estudo Teórico