DESEMPENHO DA PATERNIDADE: experiências de homens com filhos autistas nos vídeos do YouTube

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22289/2446-922X.V9N2A10

Palavras-chave:

Paternidade, relações pais-filho, transtorno do espectro autista, uso de redes sociais

Resumo

A paternidade é percebida como um momento singular na vida de um homem. Ser pai de um ou mais filhos com a condição autista resulta em experiências particulares e repercussões variadas nas famílias, o que exige a reconfiguração de papeis, modelos e expectativas. A participação efetiva nos cuidados das crianças autistas é desafiadora também para os homens. Assim, o objetivo foi compreender o desempenho da paternidade, a participação nos cuidados dos filhos e a construção da identidade masculina, através das experiências relatadas pelos participantes nas gravações de vídeos publicados no Youtube. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, com objetivo descritivo-exploratório, tendo como procedimento a translação de informação visual já existente. A coleta de dados foi realizada em setembro de 2022, pela seleção de vídeos de acesso livre e gratuito. Foram analisados 23 vídeos, separados em dois grupos, sendo o primeiro composto por 14 relatos espontâneos e o segundo composto por 09 entrevistas. A análise dos dados foi realizada pelo conteúdo temático. Os resultados indicaram que os homens compartilharam suas experiências pessoais para apoiar outras pessoas que vivenciam as mesmas situações e relataram emoções e sentimentos, o processo do diagnóstico até a aceitação, o aprendizado mútuo durante os cuidados de seus filhos e a importância do apoio, incluindo o espiritual. Concluiu-se que os homens associaram a responsabilidade pelos cuidados dos filhos ao exercício da paternidade e à identidade masculina e que as redes sociais podem auxiliar na disseminação das informações, na redução dos preconceitos e no aumento da participação dos pais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Laura Araújo Parreiras, Instituto René Rachou

Bolsista de iniciação científica em Saúde Coletiva; graduanda em Psicologia

 

Celina Maria Modena, Instituto René Rachou

Pós-doutora em Saúde Coletiva

Referências

Aguiar, M. C. M., & Pondé, M. P. (2020). Autism: impact of the diagnosis in the parents. J Bras Psiquiatr. 69(3). p. 149-55. https://doi.org/10.1590/0047-2085000000295

Aguiar, M. C. M., & Pondé, M. P. (2019). Parenting a child with autism. J Bras Psiquiatr. 68(1). p.42-47. https://doi.org/10.1590/0047-2085000000223

American Psychiatry Association. (2013). Diagnostic and Statistical Manual of Mental disorders - DSM-5. (5th ed). American Psychiatric Association.

Aragão, M. G. B., & Farias, M. R. (2022). Conexão SUS: um canal do YouTube como instrumento de formação educacional e fortalecimento do Sistema Único de Saúde. Saúde Debate, 46(133). p. 421-431. https://doi.org/10.1590/0103-1104202213312

Arruda, S. L. S., & Lima, M. C. F. (2013). O novo lugar do pai como cuidador da criança. Estudos Interdisciplinares em Psicologia. 4(2). p. 201-216. https://doi.org/10.5433/2236-6407.2013v4n2p201

Bauer, M. W., & Gaskell, G. (2008). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Vozes.

Brasil. (2012). Lei nº 10.764, de 27 de dezembro de 2012. Institui a Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista; e altera o § 3º do art. 98 da Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF.

Brasil (2014). Diretrizes de Atenção à Reabilitação da Pessoa com Transtornos do Espectro do Autismo (TEA). Brasília (DF): Ministério da Saúde. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diretrizes_atencao_reabilitacao_pessoa_autismo.pdf.

Camilleri, L. J. (2022). Exploring the lived experiences of fathers of children on the autism spectrum: a narrative inquiry. Sage Journals. p. 1-13. https://doi.org/10.1177/21582440221089927.

Cheuk, S., & Lashewiz, B. (2015). How are they doing? Listening as fathers of children with autism spectrum disorder compare themselves to fathers of children who are typically developing. Autism. 20(3). p. 343–352.

Connell, R. W., & Messerschmidt, J. W. (2013). Masculinidade hegemônica: repensando o conceito. Estudos Feministas. 21(1). p. 241-282.

Costa, R. G. (2002). Reprodução e gênero: paternidades, masculinidades e teorias da concepção. Estudos feministas. 2. p. 339-356.

Cúnico, S. D. & Arpini, D. M. (2013). A família em mudanças: Desafios para a paternidade contemporânea. Pensando Famílias. 17(1). p. 28-40.

Ekas, N. V., Tidman, L. & Timmons, L. (2019). Religiosity/spirituality and mental health outcomes in mothers of children with Autism Spectrum Disorder: the mediating role of positive thinking. J Autism Dev Disord. 49. p. 4547–4558. https://doi-org.ez27.periodicos.capes.gov.br/10.1007/s10803-019-04165-z

Freitas, B. M. S., & Gaudenzi, P. (2022). “Nós, mães de autistas”: entre o saber da experiência e as memórias coletivas em vídeos no YouTube. Ciência & Saúde Coletiva. 27(4). p. 1595-1604. https://doi.org/10.1590/1413-81232022274.07212021

Gorin, M. C., Mello, R., Machado, R. N., & Féres-Carneiro, T. (2015). O estatuto contemporâneo da parentalidade. Revista da SPAGESP - Sociedade de Psicoterapias Analíticas Grupais do Estado de São Paulo. 16(2). p. 3-15.

Hallmayer, J., Cleveland, S., Torres, A., Phillips, J., Cohen, B., Torigoe, T., Miller, J., Fedele, A., Collins, J., Smith, K., Lotspeich, L., Croen, L. A,, Ozonoff, S., Lajonchere, C., Grether, J. K., Risch, N. (2011). Genetic heritability and shared environmental factors among twin pairs with autism. Arch Gen Psychiatry. 68. p. 1095-1102. https://doi.org/10.1001/archgenpsychiatry.2011.76

Kanner, L. (1943). Os distúrbios autísticos do contato afetivo. In: ROCHA, P. S. (org.) (2012). Autismos. Escuta.

Lai, M.C., Lombardo M. V., & Baron-Cohen S. (2014) Autism. Lancet. 8(383). p. 896-910. doi: https://doi.org/10.1016/S0140-6736(13)61539-1

Macêdo, A.G.A.O., Freitas, C. A. S. L., Monteiro da Silva, M. A., Melo, E. S, Mazza, V. A., Oliveira, C. M., & Rosa, B. S. C. (2021). Percepções e sentimentos de famílias de crianças com transtorno do espectro autista. Saúdecoletiva. 11(68). p. 7555-59. https://doi.org/10.36489/saudecoletiva.2021v11i68p

Maenner, M. J., Shaw, K. A., Bakian, A. V., Bilder, D.A., Durkin, M. S., Esler, A., Furnier, S. M., Hallas, L., Hall-Lande, J., Hudson, A., Hughes, M. M., Patrick, M., Pierce, K., Poynter. J. N., Salinas, A., Shenouda, J., Vehorn, A., Warren, Z., Constantino, J.N… Cogswell, M. E. (2021). Prevalence and Characteristics of Autism Spectrum Disorder Among Children Aged 8 Years — Autism and Developmental Disabilities Monitoring Network, 11 Sites, United States, 2018. MMWR Surveill Summ. 70(11). p. 1-16. http://dx.doi.org/10.15585/mmwr.ss7011a1

Mapelli, L. D., Barbieri, M. C., Castro G. V. Z. D. B., Bonelli, M. A., Wernet, M., & Dupas, G. (2018). Criança com transtorno do espectro autista: cuidado na perspectiva familiar. Escola Anna Nery. 22(4). p. 1–9. https://doi.org/10.1590/2177-9465-EAN-2018-0116

Marques, M. H., & DIXE, M. A. R. (2011). Crianças e jovens autistas: impacto na dinâmica familiar e pessoal de seus pais. Revista de Psiquiatria Clinica. 38(2). p. 66–70.

Medrado, B., Lyra, J., Azevedo, M., & Brasilino, J. (2010). Homens e masculinidades: práticas de intimidade e políticas públicas. Instituto PAPAI.

Minayo, M. C. S. (2014). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. (14 ed). Hucitec.

Mihandoust, S., Khademi, M., & Radfar, M. (2021). Stages of grieving in fathers of autistic children: a qualitative study. European Review for Medical and Pharmacological Sciences. 25. p. 7698-7708.

Oliveira, F., Goloni-Bertollo, E. M., & Pavarino, E.C. (2013). A Internet como fonte de informação em saúde. J. Health Inform. 5(3). p. 98-102.

Oliveira, B. D. C., Feldman, C. Couto, M. C. V., & Lima, R. C. (2017). Políticas para o autismo no Brasil: entre a atenção psicossocial e a reabilitação. Physis. 27(3). p. 707-726. https://doi.org/10.1590/S0103-73312017000300017

Pandya, S. P. (2021). Examining the effectiveness of WhatsApp-Based Spiritual Posts on mitigating stress and building resilience, maternal confidence and self-efficacy among mothers of children with ASD. J Autism Dev Disord. 51. p. 1479–1495. https://doi-org.ez27.periodicos.capes.gov.br/10.1007/s10803-020-04633-x

Silva, L. C., Rocha, M. B., & Fonsêca, M. A. (2023). Estratégias de enfrentamento utilizadas por mães de crianças com a condição autista e suas repercussões na saúde mental. In R. Silveira (Org) Psicologia: a Mente em seu Entendimento (pp. 8-38). Editora Union. https://doi.org/10.5281/zenodo.8000240

Vasconcellos-Silva, P. R. (2023). O consumismo da desinformação em saúde: os abjetos objetos do desejo. Ciência & Saúde Coletiva. 28(4). p.1125-1130. https://doi.org/10.1590/1413-81232023284.11752022

Visentin, P. M., & Lhullier, C. (2019). Representações sociais da paternidade: um estudo comparativo. Fractal: Revista de Psicologia. 31(3). p. 305-312. https://doi.org/10.22409/1984-0292/v31i3/5640

Downloads

Publicado

01-09-2023

Como Citar

Fonsêca, M. A., Araújo Parreiras, L., & Maria Modena, C. (2023). DESEMPENHO DA PATERNIDADE: experiências de homens com filhos autistas nos vídeos do YouTube. Psicologia E Saúde Em Debate, 9(2), 188–207. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V9N2A10

Edição

Seção

Artigo original