CUIDADOS PALIATIVOS E POLÍTICAS PÚBLICAS NO BRASIL: aspectos conceituais e históricos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22289/2446-922X.V9N2A27

Palavras-chave:

Assistência Paliativa, Política de Saúde, cuidado

Resumo

Os Cuidados Paliativos objetivam a promoção de qualidade de vida a pacientes com doenças ameaçadoras à continuidade da vida, buscando alívio e prevenção de sofrimento físico, social, psíquico e espiritual. Este estudo trata-se de uma revisão narrativa da literatura, que objetiva apresentar um panorama conceitual e histórico dos Cuidados Paliativos, com foco na realidade brasileira e no cenário referente às políticas públicas existentes. Os resultados apontam que, apesar de importante prática em saúde e do crescente interesse pelo tema, apenas em 2018 a Comissão Intergestores Tripartite (CIT), publicou resolução que normatiza sua oferta pelo SUS como parte dos cuidados continuados integrados. Entretanto, ainda faltam bases legais para sua plena execução e alguns desafios persistem, como a concentração dos serviços em algumas regiões do país, dificuldade de acesso a opióides, falta de equipes especializadas, distanciamento entre a demanda e a formação profissional, e o desafio da diversificação nos diferentes níveis de atenção.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Cristina Hoffmann, Universidade de Brasília - UnB

Doutoranda em Psicologia Clínica e Cultura – Universidade de Brasília - Departamento de Psicologia Clínica - Instituto de Psicologia

Janaína Vidotti, Universidade de Brasília - UnB

Doutoranda em Psicologia Clínica e Cultura – Universidade de Brasília - Departamento de Psicologia Clínica - Instituto de Psicologia

 

Larissa Polejack, Universidade de Brasília - UnB

Professora do Programa de Pós graduação em Psicologia Clínica e Cultura – Universidade de Brasília - Departamento de Psicologia Clínica - Instituto de Psicologia

 

Referências

Alves, R. S. F., Cunha, E. C. N. Santos, G. C., & Melo, M. O. (2019). Cuidados Paliativos: Alternativa para o Cuidado Essencial no Fim da Vida. Psicologia: Ciência e Profissão, 39, 1-15. https://doi.org/10.1590/1982-3703003185734

Bernardo, W. M., Nobre, M. R. C., & Jatene, F. B. (2004). A prática clínica baseada em evidências. Parte II: Buscando as evidências em fontes de informação. Revista Associação Médica Brasileira, 50(1), 1-9. https://doi.org/10.1590/S0104-42302004000100045

Brasil. Ministério da Saúde. (2002). Portaria n. 19, de 3 de janeiro de 2002. Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde, o Programa Nacional de Assistência à Dor e Cuidados Paliativos. Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. Ministério da Saúde. (2012). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Caderno de atenção domiciliar – Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. Ministério da Saúde. (2018). Resolução nº 41, de 31 de outubro de 2018. Dispõe sobre as diretrizes para a organização dos Cuidados Paliativos, à luz dos cuidados continuados integrados, no âmbito Sistema Único de Saúde (SUS) [Internet]. Brasília, 2018. https://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2018/Reso573.pdf

Finkelstein, E. A., Bhadelia, A., Goh, C., Baid, D., Singh, R., Bhatnagar, S., & Connor, S. R. (2022). Cross country comparison of expert assessments of the quality of death and dying 2021. Journal of Pain and Symptom Management, 63(4), 419-429. https://doi.org/10.1016/j.jpainsymman.2021.12.015

Floriani, C. A. (2009). Moderno movimento hospice: fundamentos, crenças e contradições na busca da boa morte [Tese de Doutorado, Escola Nacional de Saúde Sergio Arouca]. Repositório Institucional da Fiocruz. https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/2571

Floriani, C. A., & Schramm, F. R. (2007). Desafios morais e operacionais da inclusão dos cuidados paliativos na rede de atenção básica. Cadernos de Saúde Pública, 23(9), 2072-2080.

Gomes, A. L. Z., & Othero, M. B.. (2016). Cuidados paliativos. Estudos Avançados, 30(88), 155–166. https://doi.org/10.1590/S0103-40142016.30880011

Harding, R., Luyirika, E., & Sleeman, K. E. (2016). Palliative care: When and how, and what are the implications for global cancer policy? Journal of Cancer Policy, 10, 16–20. https://doi.org/10.1016/j.jcpo.2016.05.004

Justino, E. T., Kasper, M., Santos, K. da S., Quaglio, R. de C., & Fortuna, C. M. (2020). Palliative care in primary health care: Scoping review. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 28, 1–11. https://doi.org/10.1590/1518-8345.3858.3324

Koerich, M. S., Machado, R. R., & Costa, E. (2005). Ética e bioética: para dar início à reflexão. Texto & Contexto - Enfermagem, 14(1), 106-110. https://doi.org/10.1590/S0104-07072005000100014

Maciel, S. C., & Alves, R. S. F. (2017). A arte de cuidar: contribuições do psicólogo na equipe multiprofissional de Cuidados Paliativos. In.: V. A. Angerami (Org.). E a psicologia entrou no hospital. (pp. 207- 233). Editora Artesã.

Matsumoto, D. Y. (2012). Cuidados Paliativos: conceito, fundamentos e princípios. In: R. T. Carvalho, & H. A. Parsons (Org.), Manual de Cuidados Paliativos ANCP - Ampliado e Atualizado (2ª ed., pp.23-30). Academia Nacional de Cuidados Paliativos.

Melo, A. G. C., & Caponero, R. (2009). Cuidados Paliativos: uma abordagem contínua e integral. In: Santos, F. S. (Org.), Cuidados Paliativos: discutindo a vida, a morte e o morrer (pp. 257-282). Editora Atheneu.

Merhy, E. E. (2013). O cuidado é um acontecimento e não um ato. In.: T. B. Franco, & E. E. Merhy. Trabalho, produção do cuidado e subjetividade em saúde (pp. 172 – 182). Hucitec Editora.

Ministério da Saúde – MS. (2020). Manual de Cuidados Paliativos. Hospital Sírio- Libanês; Ministério da Saúde.https://cuidadospaliativos.org/uploads/2020/12/Manual-Cuidados-Paliativos.pdf

Moreira, C. V. M., Ribeiro, D. B., Pontes-Ribeiro, D. H., & Cabral, H. L. T. B. (2020). Quem foi Cicely Saunders? In J. C. S. Lóss, V. E. Dias, & H. L. T. B. Cabral (Orgs.), Cuidados paliativos em abordagem multidisciplinar (pp. 19-27). Brasil Multicultural.

Pereira, E. A. L., & Reys, K. Z. (2021). Conceitos e princípios. In: R. K. Castilho, V. C. S. Silva & C S. Pinto (Orgs.), Manual de Cuidados Paliativos da Academia Nacional de Cuidados Paliativos (3ª ed., pp. 3-6). Academia Nacional de Cuidados Paliativos.

Rosa, T. (2017). Cuidados Paliativos: um desafio para a Saúde. Revista Consensus, 25. https://paliativo.org.br/cuidados-paliativos-um-desafio-para-saude

Rother, E. T. (2007). Revisão sistemática X revisão narrativa. Acta paulista de enfermagem, 20(2), 5-6. https://doi.org/10.1590/S0103-21002007000200001

Sangoi, K. C. M., & Sangoi, L. A. M. (2021). Até o fim: como os Cuidados Paliativos ressignificam a transição entre a vida e a morte. In: C. P. C. Gimenez, & K. C. M. Sangoi (Orgs.). Olhares interprofissionais sobre vida e morte: mediação entre a vida e a terminalidade pelo Direito, Saúde e Bioética. Editora Fi.

Santos, A. F. J., Ferreira, E. A. L., & Guirro, U. B. P. (2020). Atlas dos Cuidados Paliativos no Brasil 2019 (1a Ed.). ANCP. https://paliativo.org.br/wp-content/uploads/2020/05/ATLAS_2019_final_compressed.pdf

Silva, A. E., Duarte, E. D., & Fernandes, S. J. D. (2022). Palliative care production for health professionals in the context of home care. Revista Brasileira de Enfermagem 75(1). https://doi.org/10.1590/0034-7167-2021-0030

Silva, G. F. (2015). Cuidados Paliativos, Psicologia e Políticas Públicas: Diálogos e Interfaces. In Psicologia e políticas públicas na Saúde: experiências, reflexões, interfaces e desafios. L. Polejack et al. (Orgs). Rede Unida.

Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia – SBGG, & Academia Nacional de Cuidados Paliativos – ANCP. (2014). Vamos Falar dos Cuidados Paliativos. SBGG. https://sbgg.org.br/vamos-falar-de-cuidados-paliativos/

World Health Organization – WHO. (1995). The World Health Organization quality of life assessment (WHOQOL): position paper from the World Health Organization. Social Science & Medicine, 41(10), 1403-1409. https://doi.org/10.1016/0277-9536(95)00112-k

World Health Organization – WHO. (2002). Pain relief and palliative care. In WHO, National Cancer Control Programmes: policies and managerial guidelines (pp. 83-92). WHO.

World Health Organization – WHO. (n.d.). Palliative care. World Health Organization. https://www.who.int/health-topics/palliative-care

Worldwide Palliative Care Aliance – WHPCA. (2020). Global Atlas of Palliative Care. 2nd Edition. ISBN: 978-0-9928277-2-4. https://www.researchgate.net/publication/344572454_Global_Atlas_of_Palliative_Care_2nd_Edition

Worldwide Hospice Palliative Care Alliance - WHPCA. (2021). Worldwide Hospice Palliative Care Alliance - Strategic Plan 2022-25. . https://thewhpca.org/resources/whpca-strategic-plan-2022-2025/?task=callelement&format=raw&item_id=2017&element=f85c494b-2b32-4109-b8c1-083cca2b7db6&method=download&args%5B0%5D=b6a1d91f0a1dbfab90ddde5cfd5545c4

Downloads

Publicado

15-10-2023

Como Citar

Hoffmann, M. C., Vidotti, J., Oliveira, J., & Polejack, L. (2023). CUIDADOS PALIATIVOS E POLÍTICAS PÚBLICAS NO BRASIL: aspectos conceituais e históricos. Psicologia E Saúde Em Debate, 9(2), 473–489. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V9N2A27

Edição

Seção

Estudo Teórico