ALÉM DAS EXPLICAÇÕES CAUSAIS: a compreensão do suicídio na perspectiva da psicologia fenomenológica existencial

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22289/2446-922X.V9N2A13

Palavras-chave:

suicídio;, psicologia existencial;, fenomenologia

Resumo

O presente trabalho versa sobre o tema do suicídio na perspectiva da Psicologia Fenomenológica Existencial. A pergunta norteadora do estudo é: como a Psicologia Fenomenológica Existencial compreende e analisa o tema do suicídio? O objetivo geral é discutir a problemática do suicídio sob o olhar da Psicologia Fenomenológica Existencial de inspiração heideggeriana. Como objetivos específicos apresentam-se: contextualizar a questão do suicídio; compreender as categorias de finitude, morte e autonomia; e analisar a discussão da moralização, culpabilização e patologização do suicídio. Trata-se de uma revisão narrativa de literatura, pela qual se busca descrever o desenvolvimento de determinado tema por meio da análise da produção científica. Partindo de uma análise estatística e dos diferentes modos de compreensão do suicídio, procurou-se alcançar uma reflexão mais profunda acerca das questões existenciais referentes a tal fenômeno, percorrendo reflexões acerca dos sentidos da finitude a partir de algumas ideias, tais como angústia, desespero, liberdade e escolha, e passando por aspectos envolvendo questões sobre causa e motivo. Por fim, buscou-se aprofundar as interpretações rotuladoras tradicionais que prevalecem sobre os modos de compreensão do ato de colocar fim à própria vida, com destaque para a visão moralizante, de culpabilização e de patologização. Espera-se que as discussões realizadas possam favorecer uma visão que contemple a subjetividade e a complexidade de cada existência a respeito do suicídio.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Abbagnano, N. (1984). História da filosofia. Presença.

Almeida, F. A. (2019). Suicídio na Biopolitica - Estudo à luz dos escritos de Michel Foucault [Dissertação de Mestrado, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo]. Repositório Institucional da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. https://tede2.pucsp.br/bitstream/handle/22729/2/Fl%C3%A1via%20Andrade%20Almeida.pdf

Alvarez, A. (1999). O Deus selvagem: Um estudo do suicídio. Companhia das Letras.

Amaral, D. L. (2011). A morte em Heidegger: Horizonte de possibilidades para uma vida autêntica. Portal Pensamento Extemporaneo. https://pensamentoextemporaneo.com.br/?page_id=2667

American Psychiatric Association. (2014). Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais - DSM-5. Artmed.

Associação Brasileira de Psiquiatria (2009). Manual para a Imprensa. Boas práticas de comunicação e guia com recomendações para um texto claro e esclarecedor sobre doenças mentais e psiquiatria. Conselho Federal de Medicina.

Associação Brasileira de Psiquiatria. (2014). Suicídio: Informando para previnir.

Conselho Federal de Medicina.

Bardin, L. (2016). Análise de conteúdo. Edições 70.

Calisto, F. A. (2018). Absurdo e contingência em Camus e Sartre. ConTextura, 10(13), 30 -38. https://repositorio.ufmg.br/bitstream/1843/36834/2/Absurdo%20e%20conting%c 3%aancia%20em%20Camus%20e%20Sartre.pdf

Camus, A. (1942). O mito de Sísifo. Guanabara.

Cocco, R. (2006). A questão da técnica em Martin Heidegger. Controvérsia. 2(1), 34-54. https://revistas.unisinos.br/index.php/controversia/article/view/7089

Coimbra, C. (1995). Guardiães da ordem: Algumas práticas psi no Brasil do “milagre”. Oficinas do Autor.

Nietzsche, F. (2009). Colección Grandes Pensadores. Gredos.

Cruz, C. A., Sales, D. O., Souza, L. S. de., & Branco, P. C. C. (2020). O suicídio na perspectiva das psicologias humanista, fenomenológica e existencial: Revisão sistemática e metassíntese. Contextos Clínicos. 13(1), 293-315. https://dx.doi.org/10.4013/ctc.2020.131.14

Dias, M. R. O. (2016). A relação entre a violência filioparental, a vergonha, a culpa e a ideação suicida: Uma realidade silenciosa em crescimento [Dissertação de Mestrado, Instituto Universitário]. Repositório Institucional do Instituto Universitário. https://repositorio.ispa.pt/bitstream/10400.12/5299/1/19732.pdf

Durkheim, E. (1982). O suicídio. Zahar.

Evangelista, P. E. R. A. (2016). Psicologia fenomenológica existencial: A prática psicológica à luz de Heidegger. Juruá.

Ewald, A. P. (2008). Fenomenologia e existencialismo: Articulando nexos, costurando sentidos. Estudos e Pesquisas em Psicologia. 8(2), 149-165. http://www.revispsi.uerj.br/v8n2/artigos/pdf/v8n2a02.pdf

Farias, B. R. (2016). A culpa em situação: Esboço fenomenológico-existencial acerca do fenômeno da culpa [Dissertação de Mestrado, Universidade do Estado do Rio de Janeiro]. Repositório Institucional da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. https://www.bdtd.uerj.br:8443/bitstream/1/15414/1/Dissert_Bernardo%20Rocha%20de%20Farias.pdf

?

Farias, B. R. (2018). Psicologia, suicídio e culpabilização. In A. M. L. C. de Feijoo (Org.), Suicídio: Entre o morrer e o viver (pp. 145-170). IFEN.

Feijoo, A. M. L. C. (2014). Confissão e cura pela revelação da verdade escondida: É o objetivo da clínica psicológica? Revista da Abordagem Gestáltica. 20(2), 221-227. http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rag/v20n2/v20n2a10.pdf

Feijoo, A. M. L. C. (2016). Por fim à vida: Coragem, desespero ou hybris. Manuscrito submetido para publicação.

Feijoo, A. M. L. C. (Org.). (2018). Suicídio: Entre o morrer e o viver. IFEN.

Feijoo, A. M. L. C. (2019). Suicídio: Uma compreensão sob a ótica da psicologia existencial. Arquivos Brasileiros de Psicologia. 71(1), 158-173. http://pepsic.bvsalud.org/pdf/arbp/v71n1/12.pdf

Fórum Brasileiro de Segurança Pública. (2022). Anuário Brasileiro de Segurança Pública (No. 16). https://forumseguranca.org.br/wp-content/uploads/2022/06/anuario-2022.pdf?v=5

Foucault, M. (1987). Vigiar e punir: Nascimento da prisão. Vozes.

Foucault, M. (1996). A ordem do discurso - Aula inaugural no College de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970 (3th ed.). Edições Loyola.

Fukumitsu, K. O. (2013). Suicídio e luto: Histórias de filhos sobreviventes. Digital Publish&Print.

Gomes, D. M., & Sousa, A. M. (2017). A morte sob o olhar fenomenológico: Uma revisão integrativa. Revista do NUFEN. 9(3), 164-176. https://doi.org/10.26823/ RevistadoNUFEN.vol09.n03revir25

Hallal, P. C., Sardinha, L. M. V., Wehrmeister, F. C., & Paula, P. do C. B. (Orgs.). (2022). Inquérito telefônico de fatores de risco para doenças crônicas não transmissíveis em tempos de pandemia. COVITEL. https://www.vitalstrategies.org/wp-content/uploads/Covitel-Inque%CC%81rito-Telefo%CC%82nico-de-Fatores-de-Risco-para-Doenc%CC%A7as-Cro%CC%82nicas-na%CC%83o-Transmissi%CC%81veis-em-Tempos-de-Pandemia.pdf

Heidegger, M. (2001). Seminários de Zollikon. Vozes.

Heidegger, M. (2005). Ser e tempo. Vozes.

Heidegger, M. (2007). A questão da técnica. Scientiae Studia. 5(3), 375-398. https://doi.org/10.1590/S1678-31662007000300006

Heidegger, M. (2012). Os problemas fundamentais da fenomenologia. Vozes.

Holanda, A. F. (2014). Fenomenologia e humanismo: Reflexões necessárias. Juruá.

Hume, D. (1988). Sobre el suicídio y otros ensayos. Alianza Editorial.

Husserl, E. (1965). A filosofia como ciência de rigor. Atlântida.

Kant, I. (2020). Metafísica dos costumes. Edipro.

Kierkegaard, S. (2010a). O conceito de angústia. Vozes.

Kierkegaard, S. (2010b). O desespero humano. Editora Unesp.

Kovács, M. J. (Coord.). (1992). Morte e desenvolvimento humano. Casa do Psicólogo.

Kowalski, R. L. (2022). Número de suicídios registrados no Paraná praticamente dobra em seis anos. Bem Paraná. https://www.bemparana.com.br/noticia/numero-de-suicidios-registrados-no-parana-praticamente-dobra-em-seis-anos

Lessa, M. B. (2018). Um estudo sobre a moralização do suicídio. In A. M. L. C. de Feijoo (Org.), Suicídio: Entre o morrer e o viver (pp. 105-144). IFEN.

Lima, J. M. (2018). Suicídio: Uma revisão sistemática da literatura. In A. M. L. C. de Feijoo (Org.), Suicídio: Entre o morrer e o viver (pp. 39-66). IFEN.

Marcondes, V., & Pretto, Z. (2020). O suicidio à luz da psicologia existencial sartriana [Trabalho de Conclusão de Curso de Graduação, Universidade do Sul de Santa Catarina]. Repositório Universitário da Ânima. https://repositorio.animaeducacao.com.br/bitstream/ANIMA/16619/1/TCC-PB-Z-OK.pdf

Ming-Wau, C., Boris, G. D. J. B., Melo A. K., & Silva, R. M. (2020). A decisão de tentar o suicídio sob a lente fenomenológico-existencial sartriana. Estudos e Pesquisas em Psicologia. 20(spe.), 1310-1330. https://dx.doi.org/10.12957/epp.2020.56663

Ministério da Saúde. (2021). Mortalidade por suicídio e notificações de lesões autoprovocadas no Brasil. Boletim Epidemiológico. 52(33), 1-10. https://www.gov.br/saude/pt-br/ centrais-de-conteudo/publicacoes/boletins/epidemiologicos/edicoes/2021/ boletim_epidemiologico_svs_33_final.pdf

Minois, G. (2018). História do suicídio: A sociedade ocidental diante da morte voluntária. Editora Unesp.

Morato, H. T. P. (2009). Plantão psicológico: Inventividade e plasticidade [Apresentação de artigo]. IX Simpósio Nacional de Práticas Psicológicas em Instituições. Rhttps://laclife.files.wordpress.com/2009/10/click-na-figura-para-baixar-o-artigo-de-henriette.pdf

Nagafuchi, T. (2018). Em busca de vozes no silêncio: Suicídio, gênero e sexualidade na era digital. In F. Marquetti (Org.), Suicídio: Escutas do silêncio (pp. 147-175). Unifesp.

Nietzsche, F. (2013). A genealogia da moral. Editora Escala.

Oliveira, A. C. G. (2020). A morte pela espada: O suicídio ritualístico japonês analisado à luz da teoria de Émile Durkheim. Estudos de Sociologia. 25(48), 189-308. https://doi.org/10.52780/res.11943

Protasio, M. M. (2018). Camus e Kierkegaard: Do absurdo do desespero. In A. M. L. C. de Feijoo (Org.), Suicídio: Entre o morrer e o viver (pp. 231-265). IFEN.

Protasio, M. M. (2020). Desespero e finitude: Análise existencial de uma situação clínica. In A. M. L. C. de Feijo (Org.), Suicídio: Estudos & ensaios (pp. 225-254). IFEN.

Reichmann, E. (1963). Esboço biográfico de Kierkegaard. Editora da UFPR.

Ribeiro, J. L. P. (2014). Revisão de investigação e evidência científica. Psicologia, Saúde & Doenças. 15(3), 672-683. http://dx.doi.org/10.15309/14psd150309

Roehe, M. V., & Dutra, E. (2017). Compreendendo narrativas sobre suicídio com base na analítica existencial de Martin Heidegger. Revista da Abordagem Gestáltica. 23(1), 32-41. http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rag/v23n1/v23n1a05.pdf

Santos, S. O. (2020). Uma preparação: O percurso da nossa pesquisa e uma proposta compreensiva sobre o suicídio. In A. M. L. C. de Feijo (Org.), Suicídio: Estudos & ensaios (pp. 7-27). IFEN.

Sartre, J. P. (2013). As moscas. Nova Fronteira.

Sartre, J. P. (2014). O existencialismo é um humanismo. Vozes.

Sbeghen, E. P. D. (2015). Uma compreensão fenomenológica da vivência dos enlutados do suicídio [Dissertação de Mestrado, Universidade Estadual de Maringá]. Repositório Institucional da Universidade Estadual de Maringá. http://www.ppi.uem.br/arquivos-para-links/teses-e-dissertacoes/2015/edson-p

Schopenhauer, A. (2006). Sobre el dolor del mundo, el suicídio y la voluntad de vivir. Tecnos.

Sêneca (2017). Aprendendo a viver: Cartas a Lucílio. L&PM.

Silva, L. C. (2013). Suicídio: O luto dos sobreviventes. In Conselho Federal de Psicologia (Org.), Suicídio e os desafios para a psicologia (pp. 59-64). Conselho Federal de Psicologia.

Silva, V. (2018). Um projeto de uma outra compreensão acerca do suicídio. In A. M. L. C. de Feijoo (Org.), Suicídio: Entre o morrer e o viver (pp. 7-16). IFEN.

Souza, J. P. M. C. & Alves, J. H. M. (2013). Sobreviventes: O outro lado do suicídio [Trabalho de Conclusão de Curso de Graduação, Universidade de Brasília]. Biblioteca Digital da Produção Intelectual Discente da Universidade de Brasília. https://bdm.unb.br/bitstream/10483/7276/4/2013_JoaoPauloMarianoSouza_JorgeHenriqueAlves.pdf

Tangney, J. P., Miller, R. S., Flicker, L., & Barlow, D. H. (1996). Are shame, guilt, embarrassment distinct emotions? Journal of Personality and Social Psychology. 70(6), 1256-1269. https://doi.org/10.1037/0022-3514.70.6.1256

Tondo L., Lepri, B., & Baldessarini, R. J. (2007). Suicidal risks among 2826 Sardinian major affective disorder patients. Acta Psychiatrica Scandinavica. 116(6), 419-428. https://doi.org/10.1111/j.1600-0447.2007.01066.x

Vale, A. A. (2008). A possibilidade da impossibilidade: A morte na obra Ser e Tempo de Martin Heidegger [Trabalho de Conclusão de Curso de Graduação, Faculdade Dom Luciano Mendes]. Portal Pensamento Extemporaneo. https://pensamentoextemporaneo.com.br/?p=1994

Vares, S. F. (2017). O problema do suicídio em Émile Durkheim. Revista do Instituto de Ciências Humanas. 13(18), 13-36. http://periodicos.pucminas.br/index.php/revistaich/ article/view/15869/12785

Vidal, C. E. L., & Gontijo, E. D. (2013). Tentativas de suicídio e o acolhimento nos serviços de urgência: A percepção de quem tenta. Caderno de Saúde Coletiva. 21(2),

-114.

https://www.scielo.br/j/cadsc/a/ZgWqyVy6hjVYchTXBWc4z9R/?format=pdf&lang=pt

World Health Organization. (2022). World Suicide Prevention Day 2022 - Creating hope through action. https://www.who.int/campaigns/world-suicide-prevention-day/2022

Zappino, J. P. (2017). El suicidio actual. Editorial EOS.

Downloads

Publicado

19-09-2023

Como Citar

Rosa, R. da R., Mallmann, L. J., Sales , A. K. C., Bernardes, A. B., Momose, D. M., Silva, M. A., & Coriolano, V. T. (2023). ALÉM DAS EXPLICAÇÕES CAUSAIS: a compreensão do suicídio na perspectiva da psicologia fenomenológica existencial. Psicologia E Saúde Em Debate, 9(2), 229–248. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V9N2A13

Edição

Seção

Estudo Teórico