https://psicodebate.dpgpsifpm.com.br/index.php/periodico/issue/feed Psicologia e Saúde em debate 2020-07-20T10:27:40-03:00 Gilmar Antoniassi Junior editor@dpgpsifpm.com.br Open Journal Systems <h2><strong>Revista Psicologia e Saúde em Debate</strong></h2> <h3><strong><br>ISSN (eletrônico) </strong><strong>2446-922X<br>DOI 10.22289/issn.2446-922X.PSICODEBATE4FPM</strong></h3> <p>A Revista Psicologia e Saúde em Debate é uma publicação de divulgação digital, que visa suprir uma necessidade institucional para as áreas da saúde e psicologia. O periódico tem todos artigos liberados para download em PDF (Portable Document Format) e foi idealizado pelos professores&nbsp;<a href="mailto:cursopsicologia.fpm@hotmail.com" target="_blank" rel="noopener">Gilmar Antoniassi Junior</a>&nbsp;e&nbsp;<a href="mailto:hugo.some@gmail.com" target="_blank" rel="noopener">Hugo Christiano S. Melo</a>. O escopo primário do periódico é divulgar artigos científicos de qualidade, favorecendo o diálogo científico entre pesquisadores de múltiplas instituições e alunos de graduação e pós-graduação.<br><br>O volume anual é composto por duas publicações, de periodicidade semestral e a submissão é em fluxo contínuo.<br><br>O corpo editorial da Revista Psicologia e Saúde em Debate não se responsabiliza pelos dados e opiniões expressos nos artigos, sendo estes de inteira responsabilidade dos autores.</p> <h4>Editores-chefe: Prof. Dr. Hugo Christiano Soares Melo<br>&nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; Prof. MSc. Gilmar Antoniassi Junior</h4> <h4>Normatização geral: Renata Ferreira dos Santos<br>&nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp;Maria Nazaré Brandão Borges.</h4> <h4>Editoração eletrônica: Hugo C. S. Melo<br>&nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp;Ernane Júnior da Silva Reis</h4> <p><strong>Fator de impacto:&nbsp; QUALIS CAPES B3<br>&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp; </strong><strong>ICI (2018) 2.89</strong><br><strong>&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp; SJIF (2016) 5.602<br>&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp; h-index 5</strong></p> <p><strong><img src="/public/site/images/agamen0n/Qualis.jpg" width="275" height="270"></strong><br>Todos os artigos da Revista Psicologia e Saúde em Debate possuem DOI. <img src="/public/site/images/agamen0n/7063199_orig.jpg"></p> <p>Esta revista oferece acesso livre imediato ao seu conteúdo, seguindo o princípio de que disponibilizar gratuitamente o conhecimento científico ao público proporciona maior democratização mundial do conhecimento, e permite às bibliotecas coletar, preservar e fornecer a seus leitores acesso ao material publicado na Web com o objetivo da preservação digital através dos sistemas LOCKSS e CLOCKSS.</p> <p><a title="LOCKSS" href="http://scientiageneralis.com.br/index.php/periodico/gateway/lockss" target="_blank" rel="noopener"><img src="/public/site/images/agamen0n/lockss-logo-v1.jpg"></a> <a title="CLOCKSS" href="http://scientiageneralis.com.br/index.php/periodico/gateway/clockss" target="_blank" rel="noopener"><img src="/public/site/images/agamen0n/clockss-logo.jpg"></a></p> <h4>A Revista Psicologia e Saúde em Debate é totalmente de acesso aberto.&nbsp;<img src="/public/site/images/agamen0n/OAlogo.jpg"></h4> https://psicodebate.dpgpsifpm.com.br/index.php/periodico/article/view/V6N1A1 ANÁLISE DA PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO CARDIOVASCULARES EM UNIVERSITÁRIOS 2020-07-16T11:21:35-03:00 Paloma Rodrigues de Oliveira paloma_koro@hotmail.com Marcos Rafael de Souza Barbosa marcoscoro12300@hotmail.com Luciana Araujo Mendes Silva laraujo32016@gmail.com Marcos Rafael de Souza Barbosa marcoscoro12300@hotmail.com Douglas Pereira Castro mscdouglascastro@hotmail.com Juliana Gonçalves Silva Mattos juju_enf@hotmail.com <p>As doenças cardiovasculares representam um número alto e crescente de morbimortalidade mundial decorrente do estilo de vida.&nbsp; Objetivou-se identificar a prevalência dos fatores de risco cardiovasculares entre os universitários de uma faculdade do interior de Minas Gerais. Trata-se de uma pesquisa descritiva, quantitativa, de delineamento transversal realizada com universitários da Faculdade Cidade de Coromandel (FCC), entre os meses de junho e julho de 2016. Utilizou-se um questionário sociodemográfico, as medidas antropométricas, o questionário Internacional de Atividade Física (IPAQ) na versão curta, seis questões relativas ao uso de bebidas alcoólicas e de tabaco e o questionário de avaliação dos Hábitos Alimentares.&nbsp; Participaram do estudo 56 universitários de ambos os sexos (em partes iguais) que cursavam mais de 90 dias letivos de aula na faculdade, nos diversos cursos.&nbsp; A faixa etária variou de 18 a 55 anos com uma prevalência maior entre 21 e 29 anos em ambos os sexos (21,5% do sexo masculino e 26,8% do sexo feminino). A maior parte cursa Educação Física (30,4%), possuía o financiamento estudantil da própria instituição (50,0%), eram solteiros (75,0%), com emprego fixo e remunerado (76,7%), com renda individual mensal de até um salário mínimo (44,6%) e renda familiar mensal entre dois e cinco salários mínimos (48,2%). Afirmaram morar com a família (96,4%), com média de quatro pessoas na residência (35,7%). Identificou-se que o índice de alterações das variáveis analisadas foi superior no sexo masculino (06), com alterações na hipertensão arterial, no sobrepeso/obesidade, no sedentarismo, no tabagismo, no etilismo e nos hábitos alimentares. As mulheres apresentaram maiores alterações na variável circunferência abdominal (30,3%). Grande parte dos universitários possui de dois a quatro fatores de risco cardiovascular (homens 37,5% e mulheres 32,1%).&nbsp; Não houve diferença estatisticamente significante entre a estratificação do sedentarismo em relação à alimentação, concluindo que neste estudo o primeiro não interfere no segundo.&nbsp; A prevalência encontrada foi de 1,0, considerando que todos os participantes possuem ao menos um fator de risco cardiovascular. Apesar dos homens apresentarem maiores alterações nas variáveis que compõem os fatores de risco cardiovasculares, as mulheres apresentaram alta prevalência nos fatores de risco, já que os resultados das variáveis não são mutuamente exclusivos. Verifica-se há necessidade de planejamento e implantação de propostas que visem modificar os hábitos de vida dos indivíduos, principalmente por parte do educador físico.</p> 2020-07-06T15:25:46-03:00 Copyright (c) 2020 Psicologia e Saúde em debate https://psicodebate.dpgpsifpm.com.br/index.php/periodico/article/view/V6N1A2 SUBJETIVIDADE HUMANA REVELADA NAS TATUAGENS DE PESSOAS DELITIVAS EM CUMPRIMENTO DE PENA 2020-07-16T11:21:43-03:00 Gema Galgani da Fonseca ggalgani.fonseca@gmail.com Bruna Santos Gonçalves a@a.com.br <p>A tatuagem era associada à marginalidade e às classes socioeconômicas mais baixas, considerada inicialmente como sinais de contestação ou de comportamentos rebeldes. Lentamente a prática de se tatuar passou a estar presente em todos os níveis da sociedade, implicando mudanças de mentalidade e ressignificação de imaginários. O presente estudo utilizou como referencial teórico a perspectiva psicanalítica, tendo como objetivo refletir sobre a subjetividade humana revelada por meio das tatuagens em pessoas delitivas em cumprimento de pena numa Associação de Proteção e Assistência aos Condenados (APAC). O estudo foi submetido à apreciação ética pelo Comitê de Ética e Pesquisa com Seres Humanos da Faculdade Patos de Minas (FPM) CAEE: 81171717.8.0000.8078. A coleta de dados se deu por meio da aplicação de um questionário elaborado pelas pesquisadoras a partir de um estudo piloto. Além disso, foi utilizada entrevista semiestruturada. A amostra foi composta por 10 participantes. Dos resultados obtidos por este estudo destaca-se: carências, prejuízos em fases anteriores de desenvolvimento, vivências de conflitos e desamparos relacionados a figura paterna. Do total, seis dos entrevistados revelaram que o sentimento atual que possuem em relação as suas tatuagens é de arrependimento.</p> 2020-07-06T15:31:44-03:00 Copyright (c) 2020 Psicologia e Saúde em debate https://psicodebate.dpgpsifpm.com.br/index.php/periodico/article/view/V6N1A3 ANALOGIA DOS PERSONAGENS DA OBRA CRIME E CASTIGO DE DOSTOIEVSKI ENTRE OS ARQUÉTIPOS JUNGUIANOS 2020-07-16T11:21:43-03:00 Keili Meira Souza keilisouza@outlook.com Gilmar Antoniassi júnior gilmar.junior@faculdadepatosdeminas.edu.br <p class="Normal1" style="text-align: justify;"><span style="font-size: 11.0pt; font-family: 'Arial',sans-serif; color: #0d0d0d;">Trata-se de um ensaio ante ao enredo de uma obra literária. Cujo objetivo é identificar os doze arquétipos junguianos presentes nas personagens da obra ‘Crime e Castigo’ do autor russo Fiodor Mikhailovitch Dostoievski, publicada no ano de 1866. A obra aborda em seu enredo a história de um jovem de família pobre que sai de sua cidade no interior da Rússia para estudar na cidade grande. Posteriormente, abandona os estudos e com o tempo ocioso, planeja matar uma velha agiota, roubar-lhe o dinheiro, para com ele se consagrar depois ao serviço de toda a humanidade e ao bem geral. Nota-se na obra de Dostoievski por meio do modo ao qual o autor narra o enredo de suas personagens a possibilidade de identificar as características personificas de cada uma delas, favorecendo a oportunidade de aprofundar a discussão no campo psicológico entre a teoria junguiana da personalidade e as personagens descritas na obra, o que, facilitou a analogia dos arquétipos.</span></p> 2020-07-06T15:46:31-03:00 Copyright (c) 2020 Psicologia e Saúde em debate https://psicodebate.dpgpsifpm.com.br/index.php/periodico/article/view/V6N1A4 TREINAMENTO MUSCULAR INSPIRATÓRIO COMO RECURSO PARA A PROTEÇÃO DO INDIVÍDUO COM INSUFICIÊNCIA CARDÍACA 2020-07-16T11:21:44-03:00 Carla Cristina Ferreira de Andrade carla.aldrin@hotmail.com Gabriela Fonseca Alves a@a.com.br Gisele Luiza Costa a@a.com.br Fernando Leonardo Diniz Souza drfernandodiniz@gmail.com Marisa Afonso Andrade Brunherotti a@a.com.br <p>Esse trabalho teve como objetivo realizar uma revisão da literatura narrativa sobre as características da patologia (IC) e como o treino muscular inspiratório protege o indivíduo portador de insuficiência cardíaca. A literatura aponta que o TMI demonstrou efeitos benéficos em pessoas com IC, como melhora do VO<sub>2</sub>máx e bom desempenho em testes funcionais. Todavia, não há um consenso sobre qual a melhor carga se treinar, o melhor tempo de treinamento e a frequência do mesmo; e os reais benefícios na capacidade funcional de indivíduos com IC. Estudos mostraram que com o treinamento muscular inspiratório há melhora da capacidade funcional e da qualidade de vida dos indivíduos portadores de IC pertencentes a classes funcionais mais avançadas e com terapêutica não medicamentosa escassa, melhorando assim a capacidade funcional e a qualidade de vida de indivíduos com insuficiência cardíaca de maior gravidade, favorecendo condições de bem-estar.</p> 2020-07-07T11:56:23-03:00 Copyright (c) 2020 Psicologia e Saúde em debate https://psicodebate.dpgpsifpm.com.br/index.php/periodico/article/view/V6N1A5 CONTAMINAÇÃO PARASITOLÓGICA EM ALFACES (Lactuca sativa) COMERCIALIZADAS EM CAMPINA GRANDE-PB 2020-07-16T11:21:44-03:00 Jailton Lobo da Costa Lima jailtonbiomedico@gmail.com Allana Rayssa do Nascimento Silva jailtonbiomedico@gmail.com Maria Amélia Vieira Maciel jailtonbiomedico@gmail.com <p>As infecções parasitárias têm se constituído um problema de saúde pública entre os países em desenvolvimento, incluindo o Brasil, em decorrência da falta de saneamento básico e pela ingestão de água e alimentos contaminados. Diante disto, o objetivo deste trabalho foi analisar a contaminação parasitária em alfaces comercializadas na feira central e nos supermercados de Campina Grande-PB. Foram coletadas 10 amostras, sendo cinco comercializadas na feira central e cinco comercializadas em supermercados da cidade. Essas amostras foram processadas no laboratório da Uninassau – CG, onde foram realizadas duas lavagens das folhas e a água utilizada nas lavagens fora submetida a técnica de sedimentação espontânea para pesquisa dos parasitos. Após análise microscópica foi detectada contaminação em todas as amostras, porém as amostras da feira central possuíram uma variedade maior de parasitos. As formas parasitárias mais prevalentes foram <em>Endolimax nana </em>(100%), <em>Balantidium coli </em>(90%) e <em>Strongyloides stercoralis </em>(70%). Através destes resultados pode-se concluir que há uma elevada contaminação das hortaliças comercializadas na cidade, em decorrência do transporte, acondicionamento e manuseio destas hortaliças, oferecendo riscos para população que as consome. Demonstrando a necessidade da higienização destas hortaliças por seus consumidores, visando reduzir o número de infecções parasitárias e a melhoria na qualidade de vida.</p> 2020-07-07T15:40:27-03:00 Copyright (c) 2020 Psicologia e Saúde em debate https://psicodebate.dpgpsifpm.com.br/index.php/periodico/article/view/V6N1A6 EVIDÊNCIA DE CONSTRUTO E INVARIÂNCIA FATORIAL DA ESCALA DE ENGAJAMENTO NO TRABALHO EM DIFERENTES ORGANIZAÇÕES NO BRASIL 2020-07-16T11:21:44-03:00 Nilton Soares Formiga nsformiga@yahoo.com Antonia Wigna de Almeida Ribeiro wignna@hotmail.com Iriane Teresa Araújo irianearaujo@hotmail.com Natália Holanda Mendes Maia Paula nataliaholandammp@gmail.com Adriana Manrique Tomé drih_tome@hotmail.com <p>Na psicologia das organizações e do trabalho, o construto do engajamento no trabalho é compreendido como um estado psicológico ativo que relaciona as emoções como determinantes da satisfação e do prazer do trabalhador na dinâmica organizacional, conduzindo ao envolvimento e dedicação deste. No Brasil, poucos estudos vêm se preocupando com a verificação da qualidade e manutenção de uma medida de engajamento no trabalho em termos temporais. O presente estudo tem como objetivo avaliar a consistência e invariância da estrutura fatorial da escala de engajamento no trabalho.&nbsp;569 trabalhadores distribuído em duas amostras distintas, com idades acima de 18 anos,&nbsp;62 % do sexo feminino, 63% de empresa pública e&nbsp;renda econômica acima de 2.000,00 reais, responderam, através de um link enviado para o e-mail pessoal ou rede social, a escala de engajamento no trabalho e dados sociodemográficos. Observaram-se que, na análise exploratória e confirmatória, os indicadores psicométricos garantiram a consistência e invariância da estrutura bi-fatorial da medida de engajamento para o contexto organizacional. Essa escala não apenas corrobora a capacidade de avaliação do construto, mas também a perspectiva teórica abordada com trabalhadores, contribuindo para a auto-avaliação do papel profissional e a função organizacional do trabalhador na gestão de pessoas.</p> 2020-07-07T15:54:50-03:00 Copyright (c) 2020 Psicologia e Saúde em debate https://psicodebate.dpgpsifpm.com.br/index.php/periodico/article/view/V6N1A7 DESENVOLVIMENTO DO PROTOCOLO DA AVALIAÇÃO DA VISÃO FUNCIONAL INFANTIL (AVFI) PARA CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL 2020-07-16T11:21:45-03:00 Marcia Caires Bestilleiro Lopes marciacblopes@gmail.com Marcelo Fernandes da Costa costamf@usp.br Marcela Aparecida dos Santos marcelasantos.to@gmail.com Celia Regina Nakanami ce.nakanami@gmail.com <p>A visão, como o sistema sensorial mais sofisticado, vem despertando interesse de pesquisadores em diversos países no estudo da visão funcional para crianças. No Brasil existem algumas avaliações, mas estas não são baseadas em estudos psicofísicos e psicosensoriais. Portanto, o presente estudo buscou desenvolver uma avaliação de visão funcional adequada à demanda utilizando de critérios científicos. A avaliação consiste de 12 procedimentos, sendo os instrumentos desenvolvidos: raquete quadriculada, raquete de face, cubos quadriculados e faixa listrada. A distância de aplicação varia de 30 a 50cm, o ambiente deve ser livre de aglomerados e distratores visuais, e o intervalo de apresentação entre os estímulos de aproximadamente 30 segundos. O posicionamento da criança varia conforme a idade, e o avaliador devem permanecer fora do campo visual funcional da criança. Este protocolo de avaliação visual funcional possui diferenciais significativos frente aos protocolos nacionais e internacionais disponíveis na literatura. A presença de estimulos baseados em evidências e um protocolo de apresentação e registro de resultados sistemáticos, se constitui como um método com menor influência subjetiva tanto na condução das avaliações como no registro das funcionalidades visuais presentes. Este protocolo de avaliação da visão funcional infantil abrange questões importantes do desenvolvimento visual correlacionadas com o desenvolvimento neuropsicomotor da criança.</p> 2020-07-07T16:04:01-03:00 Copyright (c) 2020 Psicologia e Saúde em debate https://psicodebate.dpgpsifpm.com.br/index.php/periodico/article/view/V6N1A8 ESTUDO DOS ASPECTOS EPIDEMIOLÓGICOS DA SÍFILIS EM GESTANTES NO ESTADO DO TOCANTINS 2020-07-16T11:21:45-03:00 Caio Willer Brito Gonçalves Caiowillerb@gmail.com Andreia Kássia Lemos de Brito andreiinha.lemos@gmail.com Adir Bernardes Pinto Neto Adirbernardes@gmail.com Gleiziane Sousa Lima gleizisl@gmail.com Dário Luigi Ferraz Gomes dariosjp24@gmail.com Kelvin Hamim José Feitosa Reis kelvin-hamim@hotmail.com <p>A sífilis é uma doença infecciosa sistêmica causada pela espiroqueta <em>Treponema pallidum. </em>Durante a gestação, se não tratada adequadamente, a sífilis resulta em mortes fetais e neonatais precoces. Esse estudo teve o objetivo de avaliar os aspectos epidemiológicos da incidência da sífilis gestacional no estado do Tocantins. Foi feito um estudo transversal, retrospectivo com a abordagem quantitativa e analítica por meio da consulta à base de dados do Sistema de Informação de Agravo de Notificação (SINAN) do Ministério da Saúde (MS) do período de janeiro de 2009 a dezembro de 2018. Foram diagnosticados 2182 casos de sífilis no período estudado, a faixa etária mais prevalente foi dos 20 a 29 anos de idade, totalizando 52,7% dos casos. Verificou-se maior prevalência entre gestantes com 5ª a 8ª série incompletos sendo 456 casos e com relação à classificação clínica, a maior prevalência foi a de sífilis primárias sendo 43,3% do total de casos. Os dados apresentados nesse estudo confirmam que a sífilis gestacional no estado do Tocantins ainda se encontra em ascensão, gerando assim questões relacionadas à assistência prestadas no cuidado do pré-natal.</p> <p>&nbsp;</p> 2020-07-07T16:07:59-03:00 Copyright (c) 2020 Psicologia e Saúde em debate https://psicodebate.dpgpsifpm.com.br/index.php/periodico/article/view/V6N1A9 O PAPEL DA EDUCAÇÃO FÍSICA NO COMBATE À DISCRIMINAÇÃO RACIAL NA ESCOLA COM A PARCERIA DO PSICÓLOGO 2020-07-16T11:21:46-03:00 Nádia Raquel Dutra de Morais Mourão nadiaealeks@hotmail.com Elias Barboza de Melo eliasbmelo@hotmail.com Anibal Monteiro Magalhães-Neto professoranibal@yahoo.com.br <p>O tema principal deste artigo é o papel da Educação Física como um dos possíveis instrumentos a serem utilizados no enfrentamento à discriminação racial no ambiente escolar. Para isto realizamos uma pesquisa bibliográfica e por meio de tais leituras e pesquisas encontramos caminhos para reforçar nosso tema, bem como identificamos aspectos que propiciam uma reflexão sobre o processo discriminatório, suas possíveis consequências psicológicas e algumas estratégias para minimizá-lo. A título de ilustração, apresentamos um exemplo ocorrido no município em que atuamos, descrevendo a trajetória de um estudante negro do ensino fundamental que se tornou atleta profissional. Nosso objetivo foi demonstrar que a prática do esporte, por meio da Educação Física e de um auxilio psicológico, se apresentam como possíveis caminhos a serem utilizados pela escola e pela sociedade para se discutir a discriminação no ambiente escolar, podendo ser ainda uma forma de valorização do aluno discriminado. Os resultados da pesquisa apontam que a Educação Física e a parceria do psicólogo podem ser instrumentos valioso no combate à discriminação racial, quando direcionada para ações que geram reflexões e tomada de atitudes antirracistas.</p> 2020-07-07T16:21:53-03:00 Copyright (c) 2020 Psicologia e Saúde em debate https://psicodebate.dpgpsifpm.com.br/index.php/periodico/article/view/V6N1A10 PRINCIPAIS CAUSAS DE FALHA NA EXTUBAÇÃO DE PACIENTES INTERNADOS EM UM CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO DE UM HOSPITAL DO INTERIOR DE MINAS GERAIS 2020-07-20T10:27:40-03:00 Lisieux Fabricia da Fonseca lisieuxfonseca@yahoo.com.br Patricia Resende Nogueira prnogueirafisio@gmail.com Jacqueline de Souza Araújo Machado jacqueline.araujo2010@bol.com.br <p>A ventilação mecânica (VM) ou suporte ventilatório é considerado um método de tratamento vital nas (UTIs). Ademais é tido como um valioso suporte no atendimento de paciente com insuficiência respiratória aguda e crônica agudizada. Há evidências de que, quanto antes seja estabelecida a condição clínica desse paciente, de acordo como protocolo mais breve será a sua extubação. O objetivo dessa pesquisa foi determinar as principais causas de falha na extubação em pacientes de um centro de terapia intensiva adulto (CTI). O estudo realizado foi do tipo descritivo, retrospectivo e longitudinal, foram analisados 58 prontuários de pacientes que estiveram internados no CTI de um hospital do interior de Minas Gerais. A amostra foi composta por 58 pacientes, sendo 32 homens e 26 mulheres, desses 23 foram a óbito. O principal diagnóstico clínico foi doenças neurológicas seguida de doenças respiratórias. A principal causa de falha da extubação no sexo feminino foi por laringoespasmo; aumento do trabalho respiratório; e rebaixamento do nível de consciência associado ao aumento do trabalho respiratório. No sexo masculino foi por insuficiência respiratória; rebaixamento do nível de consciência associado ao aumento do trabalho respiratório. O estudo, perfez-se que dos prontuários analisados 23 destes evoluíram para óbito. O tempo que o paciente permaneceu em ventilação mecânica corresponde a 5 dias. Nove pacientes do sexo feminino e seis do sexo masculino, foram considerados inaptos pelo protocolo e extubados, destes, 5 pacientes evoluíram para óbito, o que mostra a falta de adesão, e a resistência da equipe em seguir protocolos.</p> 2020-07-08T12:39:38-03:00 Copyright (c) 2020 Psicologia e Saúde em debate https://psicodebate.dpgpsifpm.com.br/index.php/periodico/article/view/V6N1A11 O PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES COM RISCO SUICIDA ACOLHIDOS NO SERVIÇO DE SAÚDE SANTA MARIA ACOLHE 2020-07-16T11:21:46-03:00 Jaqueline Migliorin Tadiello jaquetadiello@hotmail.com Carlos Eduardo Seixas carlosseixastcc@gmail.com <p>O suicídio abrange um lugar de importância entre os danos que atingem as populações devido ao grande impacto familiar, psicossocial e econômico, sendo a atenção básica de saúde o primeiro local onde são atendidos esses indivíduos. Assim, uma análise do cenário atual e do perfil de pacientes com comportamento suicida atendidos no principal serviço de acolhimento do município de Santa Maria - RS, pode fornecer subsídios para o aperfeiçoamento das propostas de tratamento ou prevenção. Neste sentido, o objetivo do estudo foi conhecer o perfil epidemiológico dos pacientes com comportamento suicida que acessam o serviço de atenção psicossocial Santa Maria Acolhe e identificar os fatores desencadeantes de tal comportamento. Tratou-se de uma pesquisa de estudo de campo documental, de caráter exploratório e análise mista a partir de levantamento de dados. Para tal, foram coletados nos prontuários dos pacientes acolhidos no serviço durante o período de junho do ano de 2018 até o mês de junho do ano de 2019 dados referentes a sexo, idade, estado civil, escolaridade e fator desencadeante do comportamento suicida. Foram analisados 223 prontuários sendo a maioria dos pacientes com comportamento suicida do sexo feminino, com a faixa etária variando de 25 aos 59 anos, solteiros, com baixa escolaridade. Além disso os principais fatores desencadeantes do comportamento suicida foram os fatores familiar e transtornos diagnósticos. Ações de promoção em saúde mental, passam a ser fundamentais para a prevenção e controle de comportamentos suicidas, visando minimizar possíveis óbitos.</p> 2020-07-08T13:23:17-03:00 Copyright (c) 2020 Psicologia e Saúde em debate https://psicodebate.dpgpsifpm.com.br/index.php/periodico/article/view/V6N1A12 QUALIDADE DO RELACIONAMENTO COM O TREINADOR E RESILIÊNCIA DE ATLETAS PARALÍMPICOS DE ATLETISMO E NATAÇÃO 2020-07-16T11:21:46-03:00 Gabriel Lucas Morais Freire bi88el@gmail.com José Fernando Vila Nova de Moraes josefernando.moraes@univasf.edu.br Daniel Vincentini de Oliveira d.vincentini@hotmail.com Sherdson Emanoel da Silva Xavier sherdsonemanoel@hotmail.com Laura Carvalho Ribeiro lauracarvalhor@gmail.com José Roberto Andrade do Nascimento Junior a@a.com.br <p>O presente estudo teve como objetivo foi investigar a qualidade do relacionamento com o treinador-atleta (RTA) e a resiliência de 64 atletas paralímpicos de atletismo e natação. Os paratletas eram participantes da Etapa Norte/Nordeste de Atletismo 2017. Dentre eles, 41 eram do sexo masculino e 23 do sexo feminino, com média de idade de 28,42 ±11,32 anos. Como instrumentos foram utilizados o Questionário de Relacionamento Treinador-Atleta (CART-Q) - versão atleta e a Escala de Resiliência de Connor-Davidson (CD-RISC). A análise de dados foi realizada por meio dos testes de Kolmogorov-Smirnov, U de Mann-Whitney e o coeficiente de correlação de Spearman (p&lt;0,05). Os resultados evidenciaram correlação significativa (p &lt; 0,05), positiva e fraca (r &lt; 0,40) da dimensão de comprometimento com a resiliência (r=0,35). Concluiu-se que o sexo, faixa etária e modalidade não parecem ser fatores intervenientes na qualidade do RTA e na resiliência em atletas paralímpicos de atletismo e natação.</p> 2020-07-08T13:31:19-03:00 Copyright (c) 2020 Psicologia e Saúde em debate https://psicodebate.dpgpsifpm.com.br/index.php/periodico/article/view/V6N1A15 A EFETIVIDADE DA TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL NA REDUÇÃO DA ANSIEDADE INFANTIL 2020-07-16T17:38:42-03:00 Ana Carolina Rimoldi de Lima rlanacarolina@yahoo.com.br Brígida Alvares Dornelas Melo a@a.com.br <p>A ansiedade é uma condição que gera perdas importantes para as crianças e, por isso, o estudo sobre possíveis intervenções para tratamento e redução dos sintomas é um tema de grande relevância social e acadêmica. Neste sentido, o objetivo geral a pesquisa consistiu em identificar se a Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC) é efetiva na redução da ansiedade em crianças. Já os objetivos específicos foram: (a) caracterizar como se manifesta a ansiedade infantil e seus prejuízos para a criança; (b) identificar as estratégias de intervenção da TCC para o manejo da ansiedade infantil; (c) descrever o que a literatura pertinente aponta sobre os dados de efetividade da TCC para a redução da ansiedade infantil. Como percurso metodológico adotou-se a revisão narrativa de literatura. As publicações demonstraram que a TCC é uma abordagem que tem apresentado resultados satisfatórios na intervenção da ansiedade em crianças, seja por resultados mais efetivos em maior número de pacientes do que outras abordagens, seja por oferecer resultados mais duradouros a médio ou longo prazo. Assim, pode-se concluir que a TCC é efetiva na redução dos sintomas de ansiedade em crianças.</p> 2020-07-09T13:13:51-03:00 Copyright (c) 2020 Psicologia e Saúde em debate https://psicodebate.dpgpsifpm.com.br/index.php/periodico/article/view/V6N1A16 ESTILOS DE LIDERANÇAS E SUA RELAÇÃO COM O ADOECIMENTO MENTAL 2020-07-16T11:21:47-03:00 Vitória Aparecida Almeida vitoriaap2020@gmail.com Ernane Júnior da Silva Reis a@a.com.br Constance Rezende Bonvicini a@a.com.br <p>O estudo sobre liderança está se mostrando cada vez mais importante. O objetivo desta revisão é levantar conhecimentos sobre os estilos de lideranças apontados nos estudos científicos, enfatizam a sua influência na saúde mental do sujeito no ambiente organizacional. É de grande valia que os líderes saibam como manter a autoridade sobre os funcionários, sendo um líder bem-sucedido, o qual exerça influência positiva e motivação aos colaboradores, produzindo, juntos, um ambiente de trabalho saudável, a fim de cumprirem as metas e objetivos organizacionais.</p> 2020-07-09T13:19:27-03:00 Copyright (c) 2020 Psicologia e Saúde em debate https://psicodebate.dpgpsifpm.com.br/index.php/periodico/article/view/V6N1A17 PSICO-ONCOLOGIA E AMPARO A PACIENTES COM CÂNCER: uma revisão de literatura 2020-07-16T11:21:47-03:00 Pâmela Schultz Danzmann pamelapsicologia10@gmail.com Ana Claudia Pinto da Silva anaclaudiaps14@hotmail.com Janaina Pereira Pretto Carlesso janapcarlesso@yahoo.com.br <p>O câncer na sociedade em que vivemos, ainda está associado a morte. Assim, a morte e o processo de morrer são pouco discutidos e muitas vezes nem mencionados nos pequenos e grandes grupos. O psico-oncologista surge nesse panorama como uma forma de apoio e suporte, para paciente, família e profissionais que estão envolvidos diariamente com essas experiências, de modo a estarem expostos a perda qualidade de vida psíquica e física devido a todo desgaste. O objetivo principal deste estudo foi discutir o papel do psicólogo e da psicologia dentro do contexto da Psico-oncologia, de modo a ressaltar a importância na formação do profissional sobre essa temática que muitas vezes é pouco explorada ou discutida durante a formação acadêmica. O estudo foi embasado por meio de uma pesquisa bibliográfica. A partir disso, discutiu-se questões emocionais, fragilidades e cotidiano do paciente, família e equipe de saúde, e principalmente como o psicólogo trabalha diante das questões que surgem no contexto da Psico-oncologia. Conclui-se destacando a importância do profissional como base de suporte para todas as pessoas que são envolvidas em sua área de atuação.</p> 2020-07-09T13:25:43-03:00 Copyright (c) 2020 Psicologia e Saúde em debate https://psicodebate.dpgpsifpm.com.br/index.php/periodico/article/view/V6N1A18 A IDENTIFICAÇÃO DE PREJUÍZOS COGNITIVOS DECORRENTES DE ESTADOS EMOCIONAIS AVERSIVOS DEMONSTRADOS EM ESTUDOS EMPÍRICOS BRASILEIROS 2020-07-16T11:21:48-03:00 Bruner de Morais Miranda bruner.morais@gmail.com Ana Carolina Rimoldi de Lima rlanacarolina@yahoo.com.br <p>A maneira como a cognição e a emoção interagem entre si tem sido objeto de interesse desde o final do século XVII, sendo ainda foco de pesquisa por psicólogos e neurocientistas do presente século. A compreensão desta relação se mostra importante especialmente para o profissional que atua dentro da perspectiva das abordagens cognitivo-comportamentais, visto que os diversos modelos propostos são congruentes ao preconizarem que as emoções, as cognições e os comportamentos podem ser modulados e modificados, seja por meio da cognição ou das emoções, sendo estas inseparáveis, ainda que distinguíveis. O presente estudo teve como objetivo apresentar os modelos teóricos que abordam a temática para, em seguida, realizar uma revisão bibliográfica narrativa dos estudos empíricos sobre o tema decorrente do mapeamento das produções científicas brasileiras e publicadas em periódicos brasileiros nos últimos 10 anos, de maneira a melhor compreender o enfoque de tais estudos e os resultados por estes alcançados. Os estudos confirmaram a existência de prejuízos cognitivos associados a estados emocionais aversivos, assim como o impacto da estimulação cognitiva sobre estados emocionais. A maioria dos estudos encontrados trabalharam com amostras de idosos, com enfoque em avaliação e intervenção em diferentes déficits cognitivos e emocionais. Sugere-se que novos estudos e propostas de avaliação e intervenção sejam realizados em busca de protocolos mais efetivos de intervenção que lancem mão dos conhecimentos dos achados empíricos acerca da interface entre emoção e cognição, que podem fornecer contribuição relevante para os profissionais de TCC.</p> 2020-07-09T13:33:19-03:00 Copyright (c) 2020 Psicologia e Saúde em debate https://psicodebate.dpgpsifpm.com.br/index.php/periodico/article/view/V6N1A13 IMPLEMENTAÇÃO DE JOGOS NA REABILITAÇÃO DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE FOXP1 2020-07-16T18:30:35-03:00 Marlene Cristina Neves Rosa marlene.rosa@ipleiria.pt Diana Dias diana.dias7@hotmail.com Micael da Silva e Sousa micaelssousa@gmail.com <p>O presente estudo teve como objetivo desenvolver e validar uma estratégia de jogo adaptado à reabilitação da função psicomotora numa criança portadora de FOXP1, indo de encontro às necessidades identificadas pelos cuidadores. Participou neste estudo uma criança de 4 anos com síndrome de FOXP1. Realizou-se uma entrevista semiestruturada com a cuidadora, que foi transcrita e codificada com base na Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF). Foi ainda implementada a Medida Canadense de Desempenho Ocupacional. Posteriormente, prosseguiu-se a testes de implementação adaptada dos jogos analógicos <em>Crazy Cups </em>e<em> Go Go Gelato!</em> e de componentes de um jogo digital. Durante estas sessões realizou-se registo em vídeo para permitir a análise qualitativa e quantitativa do comportamento psicomotor. Os resultados demonstraram que as componentes como os autocuidados, independência fora de casa, mobilidade, socialização e recreação tranquila foram destacados como importantes para a cuidadora, estando modificados por dificuldades marcadas na organização motora e na integração de estímulos. Na implementação dos jogos ocorreram diferenças no número interações entre o jogo analógico e o jogo digital, com destaque para um maior número de interações no jogo digital. Foi ainda percetível uma evolução no número das interações positivas da primeira para a segunda sessão. Este estudo contribuiu para a adaptação de jogos na população pediátrica. A perspetiva do cuidador constitui-se uma ferramenta essencial para desenvolver as dinâmicas do jogo, destacando o controlo do ambiente sensorial.</p> 2020-07-08T15:34:25-03:00 Copyright (c) 2020 Psicologia e Saúde em debate https://psicodebate.dpgpsifpm.com.br/index.php/periodico/article/view/V6N1A14 O USO DE DROGAS DURANTE A GRAVIDEZ E A FORMAÇÃO DO VÍNCULO MÃE-BEBÊ 2020-07-16T11:21:50-03:00 Maria Fernanda Louchard Joazeiro Cromack fesinger@hotmail.com Jairo Werner a@a.com.br <p>Esta pesquisa teve como escopo relacionar adolescência, gravidez e uso de drogas. O objetivo do estudo foi investigar o estabelecimento do vínculo entre a mãe adolescente em uso de drogas e seu futuro bebê, durante a gestação e puerpério. A metodologia utilizada foi de natureza qualitativa, se configurando comoestudo de casounitário com adolescente atendida em&nbsp; Centro de Referência da Criança e do Adolescente (CRCA). A coleta dos dados teve como instrumento entrevista semi direcionada, sendo o procedimento de análise do material coletadoreunido porcategorias temáticas,à luz da teoria psicanalítica. O resultado desse estudo indicou apossibilidade de vinculação da mãe adolescente com seu bebê,mesmo no contexto de utilização de drogas. Neste sentido,outra explicaçãopoderia haver para os casos nos quais se observaa ausência davinculação da mãe usuária de droga com seu bebê, ou seja,a ausência ou dificuldade de vínculo materno nãoestariasempreligadoa embotamento afetivo ou a outra alteração psíquica da mãe causada/agravada pelo uso de drogas,mas,que,em alguns casos, resultaria decondições sociais adversase da consequentedeficiência naassistência materno-infantil. A conclusão desse caso apontou para a importância fundamental dos processos transferencial e da criação de vínculos, por meio do apoio multidisciplinar e do acompanhamento dessas jovens pelos serviços de atendimento ao adolescente, visando a proporcionar melhores condiçõespara aconstrução do vínculo mãe-bebê, em contexto social adverso e do consumo de drogas.</p> <p>&nbsp;</p> <p><strong>Palavras-chave: </strong>gravidez na adolescência, uso de drogas na gestação, assistência materno-infantil.</p> 2020-07-08T15:47:43-03:00 Copyright (c) 2020 Psicologia e Saúde em debate https://psicodebate.dpgpsifpm.com.br/index.php/periodico/article/view/V6N1A19 Weigert, M. A. B. (2010). Uso de drogas e sistema penal: entre o proibicionismo e a redução de danos. Rio de Janeiro: Lumen Juris. 2020-07-16T12:44:38-03:00 Hélio Sousa Borba helio_marca_da_promessa@hotmail.com Juliana Amorim Pacheco de Oliveira a@a.com.br 2020-07-09T13:36:57-03:00 Copyright (c) 2020 Psicologia e Saúde em debate https://psicodebate.dpgpsifpm.com.br/index.php/periodico/article/view/V6N1A20 Bauman, Z. (2007). Tempos Líquidos. (C. M. Medeiros, Trad.) Rio de janeiro, RJ: Zahar. 2020-07-16T12:01:14-03:00 Reinaldo dos Santos rsantospsico@gmail.com Cátia de Castro Dias catia.dias@faculdadepatosdeminas.edu.br 2020-07-09T13:40:40-03:00 Copyright (c) 2020 Psicologia e Saúde em debate https://psicodebate.dpgpsifpm.com.br/index.php/periodico/article/view/V6N1A21 Stallard, Paul. (2010). Ansiedade: Terapia Cognitivo-Comportamental para crianças e jovens. Porto Alegre: Artmed. 2020-07-16T11:21:50-03:00 Nilson Antonio da Silva nilsoncontabil@yahoo.com.br Arthur Siqueira de Sene a@a.com.br Luciana de Araújo Mendes Silva a@a.com.br 2020-07-09T13:45:18-03:00 Copyright (c) 2020 Psicologia e Saúde em debate