POLÍTICAS PÚBLICAS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E PSICANÁLISE: interrogações sobre demanda, desejo, usuário, cidadão e sujeito

Autores

  • Mariana Schuh Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS
  • Renata Cecconello Mônego Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS
  • Amanda Cappellari Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS
  • Letícia Maísa Eichherr Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS
  • Lílian Rodrigues da Cruz Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS

DOI:

https://doi.org/10.22289/2446-922X.V7N1A16

Palavras-chave:

Psicologia Social, Pesquisa Qualitativa, Prática Profissional

Resumo

O presente artigo emerge de inquietações no que se refere aos vocábulos sujeito, usuário, cidadão, desejo e demanda, regularmente utilizados no campo da assistência social. À luz da Psicanálise, o objetivo centra-se em analisar como tais expressões emergem e se articulam em dois documentos que atravessam as práticas de profissionais da Psicologia no âmbito do Sistema Único de Assistência Social (SUAS): a Política Nacional de Assistência Social e a Nota Técnica com Parâmetros para atuação das e dos profissionais de Psicologia no âmbito do Sistema Único de Assistência Social. A partir do número de vezes e do contexto em que aparecem, podem-se conhecer os possíveis sentidos atribuídos a tais expressões. Na sequência, problematizam-se as condições que profissionais da Psicologia encontram para proporcionar, a quem acessa o serviço, um espaço de fala além das demandas, propiciando o reconhecimento do sujeito em sua condição desejante.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Agamben, G. (2002). Homo Sacer: o poder soberano e a vida nua I. (H. Burigo, Trad). Belo Horizonte: Editora UFMG.

Andrade Júnior, M. (2007). O desejo em questão: ética da psicanálise e desejo do analista. Psychê, 11(21), 183-196.

Baldissera, M. (2018). Pode o morador de rua desejar? Breves pontuações sobre a psicanálise na Assistência Social. Correio da APPOA. v. 282, p. online.

Belo Horizonte. (2007). Dicionário de termos técnicos da assistência social. Prefeitura Municipal de Belo Horizonte. Secretaria Municipal Adjunta de Assistência Social. Belo Horizonte: ASCOM.

Brasil. (2005). Política Nacional de Assistência Social – PNAS/2004. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome – Secretaria Nacional de Assistência Social.

Broide, J. (2019). A psicanálise em situações de extrema vulnerabilidade social. In Lopedote, M.; et. al. (Org). Corpos que sofrem: como lidar com os efeitos psicossociais da violência? São Paulo: Elefante.

Comissão Nacional de Psicologia na Assistência Social (CONPAS) & Conselho Federal de Psicologia (CFP). (2016). Nota Técnica com Parâmetros para atuação das e dos profissionais de Psicologia no âmbito do Sistema Único de Assistência Social (SUAS). Brasília: CFP.

Cruz, L. R. & Guareschi, N. M. F. (2014). A constituição da assistência social como política pública: interrogações à psicologia. In Cruz, L. R. & Guareschi, N. M. F. (Org.). Políticas públicas e Assistência Social: diálogo com as práticas psicológicas. (5a ed). Petrópolis, RJ: Vozes.

Dias, T. B. M., Chaves, W. C., & Neto, F. K. (2017). Psicanálise e Assistência Social: O Sujeito entre a Demanda e o Desejo. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 17(1), 238-258.

Freud, S. (1996a). Projeto para uma psicologia científica. Rio de Janeiro: Imago. (Texto original publicado em 1895).

Freud, S. (1996b). Linhas de progresso na teoria psicanalítica. Rio de Janeiro: Imago. (Texto original publicado em 1918).

Guedes, C. F., & Scarcelli, I. R. (2014). Acolhimento institucional na assistência à infância: o cotidiano em questão. Psicologia & Sociedade, 26(spe), 58-67. https://doi.org/10.1590/S0102-71822014000500007

Lacan, J. (1999). O Seminário, livro 5: As formações do Inconsciente. Rio de Janeiro, Zahar. (Texto original publicado em 1957-58).

Lacan, J. (2008). O Seminário, livro 7: a ética da psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar. (Texto original publicado em 1959-60).

Laplanche, J. & Pontalis, J. B. (1998). Vocabulário da psicanálise. (2a ed) (P. Tamen, Trad.). São Paulo: Martins Fontes.

Rego, W. L. (2008). Aspectos teóricos das políticas de cidadania: uma aproximação ao Bolsa Família. Lua Nova: Revista de Cultura e Política, (73), 147-185. https://doi.org/10.1590/S0102-64452008000100007.

Rocha, R., & Pires, H. (2005). Minidicionário da língua portuguesa Ruth Rocha. São Paulo: Scipione.

Rosa, M. D. (2004). A pesquisa psicanalítica dos fenômenos sociais e políticos: metodologia e fundamentação teórica. Revista Mal Estar e Subjetividade, 4(2), 329-348.

Rosa, M. D. (2016). A clínica psicanalítica em face da dimensão sociopolítica do sofrimento. São Paulo: Escuta/Fapesp.

Scarparo, M. L. D. E, & Poli, M. C. (2008). Psicanálise e assistência social. Barbarói, n. 28, p. 50-74; jan./jun.

Serpa, V., Virgínia, C., & Cavalcante, S. (2015). Assistência social pública brasileira: uma política da autonomia - um dispositivo biopolítico. Revista Subjetividades, 15(3), 428-437.

Silva, M. B. (2016). Usuários. In Fernandes, R. M. C.; & Hellmann, A. G. (Org). Dicionário crítico: política de assistência social no Brasil. Porto Alegre: UFRGS.

Downloads

Publicado

2021-04-13

Como Citar

Schuh, M., Cecconello Mônego, R., Cappellari, A. ., Maísa Eichherr, L. ., & Rodrigues da Cruz, L. (2021). POLÍTICAS PÚBLICAS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E PSICANÁLISE: interrogações sobre demanda, desejo, usuário, cidadão e sujeito. Psicologia E Saúde Em Debate, 7(1), 228–240. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V7N1A16

Edição

Seção

Estudo Teórico