GÊNERO E SAÚDE: um olhar para a mulher estomizada no contexto social e familiar

Autores

  • Sirlei Favero Cetolin Universidade do Oeste de Santa Catarina - Unoesc https://orcid.org/0000-0002-2954-0815
  • Simone Kelly Cetolin Wackerhagen Centro Universitário - Católica de Santa Catarina
  • Vilma Beltrame Universidade do Oeste de Santa Catarina - Unoesc https://orcid.org/0000-0002-9639-6403
  • Jorge Fernando Soares Universidade do Oeste de Santa Catarina - Unoesc

DOI:

https://doi.org/10.22289/2446-922X.V7N1A27

Palavras-chave:

Estomia, Saúde da Mulher, Gênero e Saúde, Saúde mental

Resumo

Este artigo apresenta resultados de uma pesquisa qualitativa, realizada com o objetivo de identificar aspectos de superação no convívio familiar e social de mulheres estomizadas. As informações foram coletadas através de uma entrevista em momentos da retirada mensal das bolsas coletoras e acessórios, fornecidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS), no decorrer do ano de 2019. Participaram do estudo, mulheres estomizadas residentes em municípios de abrangência da 1ª Gerência Regional de Saúde do Estado de Santa Catarina. Dentre os resultados, percebeu-se que a convivência com a estomia provocou mudanças significativas relacionadas as relações afetivas e amorosas das mulheres. A insegurança e o medo da rejeição familiar e social, foram destacadas como principais geradoras de sentimentos negativos. Esses sentimentos também se evidenciaram nas relações de gênero, por conta da construção histórica voltada para à importância da aparência para o sexo feminino. Em contrapartida, a adequação à condição de estomizadas foi demonstrada por relatos contundentes de resgate da autoestima e “opção pela vida”. Realizar o estudo possibilitou importantes reflexões, dentre as quais, a responsabilidade dos profissionais da saúde, em contribuir para que todo o processo que envolve a condição de estomizada, seja amenizado e humanizado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sirlei Favero Cetolin, Universidade do Oeste de Santa Catarina - Unoesc

Doutora em Serviço Social, graduada em Serviço Social e em Psicologia. Professora do Programa de Mestrado em Biociências e Saúde da Universidade do Oeste de Santa Catarina - Unoesc. Joaçaba, Santa Catarina – Brasil.

Simone Kelly Cetolin Wackerhagen, Centro Universitário - Católica de Santa Catarina

Mestre em Psicologia Social e do Trabalho. Graduada em Psicologia e em Direito.  Professora do Curso de Psicologia do Centro Universitário – Católica de Santa Catarina.

Vilma Beltrame, Universidade do Oeste de Santa Catarina - Unoesc

Doutora em Gerontologia Biomédica. Graduada em Enfermagem. Professora do Mestrado em Biociências e Saúde da Universidade do Oeste de Santa Catarina – Unoesc.

Jorge Fernando Soares, Universidade do Oeste de Santa Catarina - Unoesc

Mestre em Biociências e Saúde pela Universidade do Oeste de Santa Catarina – Unoesc. Graduado em Enfermagem pela Universidade do Estado de Santa Catarina. Especialização em Enfermagem Cardiológica.

Referências

Barbutti, R. C. S., Silva, M. C. P., & Abreu, M. A. L. (2008). Ostomia, uma difícil adaptação [Versão Eletrônica]. Revista SBPH, 11(2), 27-39. Retirado em 30 dezembro, 2020, em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S151608582008000200004.

Bardin, L. (2016). Análise de Conteúdo. Portugal: 70 Edições.

Brasil, Departamento de Psiquiatria – UNIFESP/RPM. (2000). Correlação entre adaptação psicossocial à colostomia permanente e resposta psicológica ao câncer. Retirado em 22 novembro, 2018, em www.uniesp.br

Cascais, A. F. M. V., Martini, J. G., & Almeida, P. J. dos S. (2007, março). O impacto da ostomia no processo de viver humano. Texto contexto - enferm., 16(1), 163-167. Retirado em 30 dezembro, 2020, em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-07072007000100021&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072007000100021.

Feijó, M. R., Macedo, R. M. (2012). Gênero, cultura e rede social - a construção social da desigualdade por meio da linguagem. Nova Perspectiva Sistêmica, (44), 21-34.

Freedman, R. (1994). Meu corpo... meu espelho: aprendendo a conviver com seu corpo, a aceitar seu visual e a gostar cada vez mais de você. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos.

Gardiner, A. (2013). Addressing common stoma complications. Nurs resident care, 15(3), 128. Retirado em 17 setembro, 2019, em http://www.magonlinelibrary.com/doi/abs/10.12968/nrec.2013.15.3.128.

Gemelli, L. M. G., & Zago, M. M. F. (2002). A interpretação do cuidado com o ostomizado na visão do enfermeiro: um estudo de caso. Revista Latino-am. Enferm., 10(1), 34-40.

Maruyama, S. (2004). A experiência da colostomia por câncer como ruptura biográfica na visão dos portadores, familiares e profissionais de saúde: um estudo etnográfico. Tese de doutorado, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem Fundamental, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto – Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, SP, Brasil.

Menezes, A. P. S., & Quintana, J. F. A. (2008, fevereiro). Percepção do indivíduo estomizado quanto à sua situação. Rev. Bras. Prom. Saúde, 21(1), 13-8.

Minayo, M. C. S. (2006). Pesquisa qualitativa em saúde – Desafio do Conhecimento. Rio de Janeiro: Vozes.

Nascimento, C. de M. de S., Trindade, G. L. B., Luz, M. H. B. A., & Santiago, R. F. (2011). Vivência do paciente estomizado: uma contribuição para a assistência de enfermagem. Texto & Contexto - Enfermagem, 20(3), 557-564. De https://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072011000300018.

Novaes, M. H. (1975). Deficiência física: imagem corporal e autoconceito. In Novaes, M. H Psicologia aplicada à reabilitação (pp. 33-8). Rio de Janeiro: Imago.

Recalla, S. I., English, K., Nazarali, R., Mayo, S., Miller, D., Gray, M. (2013, set./out.). Ostomy care and management: a systematic review. J Wound Ostomy Continence Nurs. 40(5), 489-500

Rocha, E. F. (1991). Corpo deficiente: em busca da reabilitação? Uma reflexão a partir da ética das pessoas portadoras de deficiência física. Dissertação de mestrado, Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Saffioti, H. I. B. (2004). Gênero, patriarcado, violência. São Paulo: Fundação Perseu Abramo.

Salter, M. J. (1992). Aspects of sexuality for patients with stomas and continent pouches. J. ET Nurs. 19(4), 126-30.

Sampaio, F. A. A., Aquino, P. S., Araújo, T. L., & Galvão. M. T. G. (2008). Nursing care to an ostomy patient: application of the Orem’s theory. Acta Paul Enferm, 21(1), 94-100. Retirado em 11 fevereiro, 2021, em http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002008000100015.

Downloads

Publicado

2021-07-12

Como Citar

Favero Cetolin, S., Cetolin Wackerhagen, S. K. ., Beltrame, V. ., & Soares, J. F. . (2021). GÊNERO E SAÚDE: um olhar para a mulher estomizada no contexto social e familiar. Psicologia E Saúde Em Debate, 7(1), 398–407. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V7N1A27

Edição

Seção

Artigo original