UMA COMPREENSÃO ACERCA DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DIRECIONADAS ÀS PESSOAS QUE VIVEM COM O HIV/AIDS NO BRASIL: uma revisão sistemática

Autores

  • Marielli Monte Araújo Universidade Federal do Delta do Parnaíba
  • Alexia Jade Machado Sousa Escola de Saúde Pública do Ceará https://orcid.org/0000-0002-5014-9220
  • Eduardo Costa Cordeiro Universidade Federal do Delta do Parnaíba
  • Thalia Ariadne Peña Aragão Instituto Aggeu Magalhães/FIOCRUZ-PE
  • Cláudio Ângelo Ventura Universidade Federal do Delta do Parnaíba
  • Francisco Jander de Sousa Nogueira Universidade Federal do Delta do Parnaíba

DOI:

https://doi.org/10.22289/2446-922X.V7N1A20

Palavras-chave:

política pública, HIV/Aids, sistema único de saúde

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo compreender a lógica da atuação das políticas públicas existentes para pessoas vivendo com HIV/Aids (PVHIV) no Brasil, considerando o percurso histórico da problemática levantada. Pretendemos aqui também focar em uma perspectiva social, considerando as condições de vida e de vulnerabilidade às quais esses sujeitos são submetidos e de que forma as políticas públicas disponíveis respondem às necessidades dessa população. A metodologia utilizada foi à revisão sistemática da literatura que buscou responder como funcionam as políticas públicas para as PVHIV. Diante do exposto é possível compreender que os atravessamentos sobre HIV/Aids são diversos e complexos, evidenciando que não é só uma questão de saúde, mas social, política, econômica e cultural. Portanto, a interprofissionalidade, descentralização do cuidado e abordagem centrada na pessoa são práticas essenciais para a melhoria da qualidade de vida das PVHIV e diminuição da taxa de infecção.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marielli Monte Araújo, Universidade Federal do Delta do Parnaíba

Graduanda em Psicologia, pela Universidade Federal do Delta do Parnaíba. Integrante do Programa de Educação pelo Trabalho PET-Saúde com foco em Interprofissionalidade. Foi membro do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Desenvolvimento Humano, Psicologia Educacional e Queixa Escolar - PSIQUED. Foi voluntaria PIBIC/CNPq com o projeto "Análise psicossocial da velhice LGBT: um estudo das Representações Sociais".

Alexia Jade Machado Sousa, Escola de Saúde Pública do Ceará

Psicóloga pela Universidade Federal do Delta do Parnaíba (2021) e Residente em Pediatria na Escola de Saúde Pública do Ceará. Pesquisadora da área da saúde pública, saúde de pessoas LGBTQIA+ e, atualmente, psicologia hospitalar infantil.

Eduardo Costa Cordeiro, Universidade Federal do Delta do Parnaíba

Graduando em Medicina, pela Universidade Federal do Delta do Parnaíba (UFDPar) . Integrante do Programa de Educação Pelo Trabalho PET-Saúde. Membro da Liga Acadêmica de Saúde Mental do Piauí. Voluntário no PIBIC com o projeto "SETOR COVID”: Narrativas de profissionais de uma instituição de saúde sobre o enfrentamento da pandemia em hospital público estadual da cidade de Parnaíba, Piauí".

Thalia Ariadne Peña Aragão, Instituto Aggeu Magalhães/FIOCRUZ-PE

Psicóloga pela Universidade Federal do Piauí. Residente do Programa de Saúde Coletiva do Instituto Aggeu Magalhães/FIOCRUZ-PE. Pós-graduanda em Docência do Ensino Superior.

Cláudio Ângelo Ventura, Universidade Federal do Delta do Parnaíba

Doutor em Biologia Funcional e molecular pela UNICAMP. Atualmente professor associado da Universidade Federal do Delta do Parnaíba, onde desenvolve trabalhos na áreas de saúde coletiva, epidemiologia e bioquimica molecular.

Francisco Jander de Sousa Nogueira, Universidade Federal do Delta do Parnaíba

Doutor em Sociologia pela Universidade Federal da Paraíba. Docente do curso de medicina da Universidade Federal do Delta do Parnaíba. Experiência em Docência e Preceptoria, Formação e Trabalho Interprofissional em Saúde. Atualmente atuando nos seguintes temas: Sociologia e Antropologia da Saúde; Gênero, Risco e Sexualidade; Violência de Gênero; Saúde Coletiva; Metodologias Ativas de Ensino-Aprendizagem na Saúde. 

Referências

Alencar, R. A., & Ciosak, S. I. (2016). Aids em idosos: motivos que levam ao diagnóstico tardio. Revista Brasileira de Enfermagem, 69(6), 1140-1146.

Andrade, J., Ayres, J. A., Alencar, R. A., Duarte, M. T. C., & Parada, C. M. G. D. L. (2017). Vulnerabilidade de idosos a infecções sexualmente transmissíveis. Acta Paulista de Enfermagem, 30(1), 8-15.

Amarante, P. (1996). O homem e a serpente: outras histórias para a loucura e a psiquiatria. SciELO-Editora FIOCRUZ.

Beltrão, R. P. L., da Silva, A. C. B., Nogueira, F. J. S., & Mouta, A. A. N. (2020). Saúde e qualidade de vida das pessoas vivendo com HIV/aids: uma revisão narrativa dos últimos 15 anos. Revista Eletrônica Acervo Saúde, (40), e2942-e2942.

Cerqueira-Santos, E., Calvetti, P. U., Rocha, K. B., Moura, A., Barbosa, L. H., & Hermel, J. (2010). Percepção de usuários gays, lésbicas, bissexuais e transgêneros, transexuais e travestis do Sistema Único de Saúde. Interamerican Journal of Psychology, 44(2), 235-245.

Dantas, A. V. (2018). Saúde, luta de classes e o ‘fantasma’da Reforma Sanitária Brasileira: apontamentos para sua história e crítica. Saúde em Debate, 42, 145-157.

de Calais, L. B., & Perucchi, J. (2015). Aids, Infância (s) e Políticas Públicas: A Construção de Sujeitos Através do Discurso. Psicologia em Estudo, 20(2), 165-176.

Leal, A. F., & Lui, L. (2018). Instituições participativas e seus efeitos nas políticas públicas: estudo do Comitê de Mortalidade por Aids de Porto Alegre. Saúde e Sociedade, 27, 94-105.

Martins, V., Batista, R. A., Sehnem, G. D., Merigo, G. K., Rezer, J. F. P., & da Silva, V. A. M. (2018). Infecções sexualmente transmissíveis (IST): estratégias de intervenção para promoção de saúde. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, 10(2).

Magnabosco, G. T., Lopes, L. M., Andrade, R. L. D. P., Brunello, M. E. F., Monroe, A. A., & Villa, T. C. S. (2018). Assistência ao HIV/aids: análise da integração de ações e serviços de saúde. Escola Anna Nery, 22(4).

Melo, E. A., Maksud, I., & Agostini, R. (2018). Cuidado, HIV/Aids e atenção primária no Brasil: desafio para a atenção no Sistema Único de Saúde?. Revista Panamericana de Salud Pública, 42, e151.

Menezes, K. M. D., Pompilio, M. A., & Andrade, S. M. O. D. (2019). A integração do cuidado: dificuldades e perspectivas. Rev. enferm. UFPE on line, 1052-1063.

Ministério da Saúde (2019). Boletim Epidemiológico HIV/Aids. Brasília, DF: Ministério da Saúde.

Monteiro, A. L., & Villela, W. V. (2009). A criação do Programa Nacional de DST e Aids como marco para a inclusão da idéia de direitos cidadãos na agenda governamental brasileira. Revista Psicologia Política, 9(17), 25-45.

Monteiro, S. S., Brigeiro, M., Vilella, W. V., Mora, C., & Parker, R. (2019). Desafios do tratamento como prevenção do HIV no Brasil: uma análise a partir da literatura sobre testagem. Ciência & Saúde Coletiva, 24, 1793-1807.

Nogueira, F. J. S., & Aragão, T. A. P. (2019). Política Nacional de Saúde Integral LGBT: o que ocorre na prática sob o prisma de usuários (as) e profissionais de saúde. Saúde e Pesquisa, 12(3), 463-470.

Organização das Nações Unidas. UNAIDS Brasil, 2020. Página Inicial. Disponível em:< https://unaids.org.br/>. Acesso em: 24 de maio de 2020.

Parker, R. (2019). Estigmas do HIV/Aids: novas identidades e tratamentos em permanentes sistemas de exclusão. Revista Eletrônica de Comunicação, Informação e Inovação em Saúde, 13(3).

Pinho, A. D. A., Cabral, C. D. S., & Barbosa, R. M. (2017). Diferenças e similaridades entre mulheres que vivem e não vivem com HIV: aportes do estudo GENIH para a atenção à saúde sexual e reprodutiva. Cadernos de Saúde Pública, 33, e00057916.

Pinto, V. M., & de Mattos Capeletti, N. (2019). Reorganização do modelo de atenção às pessoas vivendo com HIV: A experiência do município de Florianópolis/SC. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, 14(41), 1710-1710.

Presidência da República (2014). Lei n. 12.984/2014. Brasília, DF: Presidência da República. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br> Acesso em: 23 abr. 2020.

Reis, D. O., Araújo, E. C. D., & Cecílio, L. C. D. O. (2012). Políticas Públicas de Saúde no Brasil: SUS e pactos pela Saúde. Módulo Político Gestor. Disponível em: http://www. unasus. unifesp. br/biblioteca_virtual/esf/1/modulo_politico_gestor/Uni dade_4. pdf. Acesso em, 21 junho 2020.

Rocha, G. S. D. A., Angelim, R. C. D. M., Andrade, Â. R. L. D., Aquino, J. M., Abrão, F. M. D. S., & Costa, A. M. (2015). Cuidados de enfermagem aos indivíduos soropositivos: reflexão à luz da fenomenologia. Revista Mineira de Enfermagem, 19(2), 258-265.

Rolim, L. B., Cruz, R. D. S. B. L. C., & Sampaio, K. J. A. D. J. (2013). Participação popular e o controle social como diretriz do SUS: uma revisão narrativa. Saúde em debate, 37(96), 139-147.

Sampaio, R. F., & Mancini, M. C. (2007). Estudos de revisão sistemática: um guia para síntese criteriosa da evidência científica. Brazilian Journal of Physical Therapy, 11(1), 83-89.

Santos, R. C. S., & Schor, N. (2015). As primeiras respostas à epidemia de aids no Brasil: influências dos conceitos de gênero, masculinidade e dos movimentos sociais. Psicologia Revista, 24(1), 45-59.

Zambenedetti, G., & Silva, R. A. N. D. (2016). Descentralização da atenção em HIV-Aids para a atenção básica: tensões e potencialidades. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 26, 785-806.

Downloads

Publicado

2021-05-24

Como Citar

Araújo, M. M., Sousa, A. J. M., Cordeiro, E. C. ., Aragão, T. A. P. ., Ventura, C. Ângelo ., & Nogueira, F. J. de S. . (2021). UMA COMPREENSÃO ACERCA DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DIRECIONADAS ÀS PESSOAS QUE VIVEM COM O HIV/AIDS NO BRASIL: uma revisão sistemática. Psicologia E Saúde Em Debate, 7(1), 280–292. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V7N1A20

Edição

Seção

Estudo Teórico