UMA LEITURA SOBRE O TRANSTORNO DE PÂNICO À LUZ DA TEORIA FREUDIANA DA ANGÚSTIA

Autores

  • Gabriel Liberato Universidade do Estado do Rio Grande do Norte - UERN
  • Gabriella Dupim Programa de Pós-graduação em Psicologia Práticas e Inovação em Saúde Mental - Universidade de Pernambuco (UPE); Universidade Federal de Campina Grande; ; Université Rennes 2. https://orcid.org/0000-0002-1585-416X

DOI:

https://doi.org/10.22289/2446-922X.V7N1A26

Palavras-chave:

ANGÚSTIA, ANSIEDADE, TRANSTORNO DE PÂNICO, PSICOPATOLOGIA

Resumo

O Transtorno de Pânico nos convida a pensar implicações clínicas e culturais envolvidas na estruturação desse tipo de sofrimento, tal qual tratado pela psiquiatria através do DSM. Ao reduzirmos a psicopatologia da angústia à nosologia, a um discurso técnico e ideológico, desconsideramos os sofrimentos como efeito de novas formas de subjetivação e de modalizações do laço social que a contemporaneidade tem produzido. A psicanálise se interessa pelo sofrimento psíquico em sua dimensão de sintoma, isto é, considerando o mal-estar na civilização, sem lançar mão dos processos de subjetivação humana. Diante do exposto, este estudo pretende investigar a categoria Transtorno de Pânico a partir da obra freudiana, seguindo seu percurso clínico e teórico para compreender a especificidade dessa forma de sofrimento e suas relações com a angústia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriel Liberato, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte - UERN

Psicanalista. Psicólogo pela Universidade Federal de Campina Grande (UFCG). Mestrando pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais e Humanas da  Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN-Mossoró). 

Gabriella Dupim, Programa de Pós-graduação em Psicologia Práticas e Inovação em Saúde Mental - Universidade de Pernambuco (UPE); Universidade Federal de Campina Grande; ; Université Rennes 2.

Psicanalista. Pós-doutoranda em Psychopathologie et Psychanalyse - Université Rennes 2. Docente do Programa de Pós-graduação em Psicologia Práticas e Inovação em Saúde Mental - Universidade de Pernambuco (UPE-Garanhuns). Professora Adjunta Psicologia da Universidade Federal de Campina Grande. Coordenadora do Laboratório de Psicanálise de Orientação Lacaniana – LAPSO (UFCG/CNPq). DoctèurePsychologieUniversité Rennes 2. Doutora em Psicologia UFRJ. Mestre em Psicologia UFRJ.

Referências

APA - American Psychiatric Association. (2014). Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM-5; tradução: Maria Inês Corrêa Nascimento et al.; revisão técnica: Aristides Volpato Cordioli et al.. 5. ed. – Dados eletrônicos. – Porto Alegre: Artmed. Recuperado em 29 de agosto de 2016, em https://www.niip.com.br/wp-content/uploads/2018/06/Manual-Diagnosico-e-Estatistico-de-Transtornos-Mentais-DSM-5-1-pdf.pdf

Burkle, T. S. (2009). Uma reflexão crítica sobre as edições do Manual de Diagnóstico e Estatística das perturbações mentais – DSM. Rio de Janeiro: UFRJ. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva), Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Calazans, R. (2012). DSM: nova versão, velhas questões, antigas pretensões. Em Psicopatologia em debate: controvérsias sobre os DSMs / organizadores: Fuad Kyrillos Neto, Roberto Calazans. – Barbacena: EdUEMG. Recuperado em 09 de maio de 2021, em https://intranet.uemg.br/comunicacao/arquivos/PubLocal172P20130219101921.pdf

Carvalho-Netto, E. F. (2014). Ansiedade: uma visão neuroanatômica. Caderno Multidisciplinar Innove, Ansiedade. v. 3. Recuperado em 04 de setembro de 2016, em https://www.institutoinnove.com.br/wp-content/uploads/2013/03/Caderno-Multidisciplinar-Innove_Ansiedade.pdf

Castro, J. E. (2012). A ética da psicanálise e o DSM ou, respectivamente, psicopatologia ou antipsicopatologia? Em Psicopatologia em debate: controvérsias sobre os DSMs / organizadores: Fuad Kyrillos Neto, Roberto Calazans. – Barbacena: EdUEMG. Recuperado em 09 de maio de 2021, em https://intranet.uemg.br/comunicacao/arquivos/PubLocal172P20130219101921.pdf

Costa, V. A. S. F., & Queiroz, E. F. (2011). Transtorno de pânico: uma manifestação clínica do desamparo. Psicologia: Ciência e Profissão. Brasília, v. 31, n. 3. Recuperado em 07 de setembro de 2016, em https://www.scielo.br/pdf/pcp/v31n3/v31n3a02.pdf

Dunker, C. (2015). Mal-estar, sofrimento e sintoma. São Paulo: Boitempo.

Dunker, C. I. L. (2012). Crítica da razão diagnóstica: psicanálise, psicopatologia, DSM. Em Psicopatologia em debate: controvérsias sobre os DSMs / organizadores: Fuad Kyrillos Neto, Roberto Calazans. – Barbacena: EdUEMG. Recuperado em 09 de maio de 2021, em https://intranet.uemg.br/comunicacao/arquivos/PubLocal172P20130219101921.pdf

Freud, S. (1996a). Rascunho B – A etiologia das neuroses. In Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (Vol. 01). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1893)

Freud, S. (1996b). Rascunho E – Como se origina a ansiedade. In Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (Vol. 01). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1894)

Freud, S. (1996c). Sobre os critérios para destacar da Neurastenia uma síndrome particular intitulada “Neurose de Angústia”. In Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (Vol. 03). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1895 [1894])

Freud, S. (1996d). O sentido dos sintomas. In Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (Vol. 16). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1917)

Freud, S. (1996e). Repressão. In Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (Vol. 14). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1915)

Freud, S. (1996f). Além do princípio do prazer. In Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (Vol. 18). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1920)

Freud, S.(1996g). Psicologia de grupo e análise do ego. In Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (Vol. 18). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1921)

Freud, S. (1996h). Inibições, sintomas e ansiedade. In Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (Vol. 20). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1926 [1925])

Freud, S. (1996i). Ansiedade e vida instintual. In Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (Vol. 22). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1933)

Menezes, L. S. (2006). Pânico: efeito do desamparo na contemporaneidade – Um estudo psicanalítico. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1.ed. FAPESP.

OMS - Organização Mundial da Saúde. (2007). CID - 10. Organização Mundial da Saúde; trad. Centro Colaborador da OMS para a Classificação de Doenças em Português. 10. ed. rev. - São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.

Pereira, M. E. C. (1999). Pânico e desamparo: um estudo psicanalítico. São Paulo: Escuta.

Safatle, V.; Silva Jr, N.; Dunker, C. I. L. (2019). Patologias do social: arqueologias do sofrimento psíquico. Belo Horizonte: Autêntica Editora.

Veras, M. (2002). Versões do pânico. In V. Besset (Org.), Angústia.São Paulo: Escuta.

Downloads

Publicado

2021-06-18

Como Citar

Liberato, G., & Dupim, G. . (2021). UMA LEITURA SOBRE O TRANSTORNO DE PÂNICO À LUZ DA TEORIA FREUDIANA DA ANGÚSTIA. Psicologia E Saúde Em Debate, 7(1), 376–397. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V7N1A26

Edição

Seção

Estudo Teórico