PSICOPATIA: uma análise do tratamento da psicopatia no sistema penal brasileiro

Autores

  • Constance Rezende Bonvicini FPM - FACULDADE DE PATOS DE MINAS
  • Júlio Alves Caixeta Júnior Centro de Ensino Superior de São Gotardo - Cesg
  • Esmeralda Medrado de Oliveira Centro de Ensino Superior de São Gotardo - Cesg

DOI:

https://doi.org/10.22289/2446-922X.V7N2A3

Palavras-chave:

Psicopatia, Sistema Penal Brasileiro, Imputabilidade

Resumo

A ideia primordial do presente artigo é tornar notório o estudo sobre o transtorno de personalidade antisocial, a psicopatia frente ao sistema penal brasileiro. O presente estudo teórico objetiva analisar o transtorno de personalidade antissocial – a psicopatia – frente ao sistema de responsabilização penal no sistema jurídico brasileiro. A pesquisa do estudo teórico foi realizada por meio de pesquisa bibliográfica em livros, artigos, entre outros documentos que abordam a psicopatia frente ao sistema penal brasileiro. Ressaltando-se que a psicopatia não é uma doença, mas um transtorno de personalidade, que em decorrência de uma anomalia, sobretudo funcional presente no cérebro, acarreta prejuízos em diversas esferas da vida do indivíduo. Assim, surge a demanda jurídica e social de lidar com esses seres humanos, bem como aplicar o meio eficaz a fim de que a norma encontre sua finalidade, gerando, por fim, sua eficácia. Embora exista parâmetros para comparação de como o sistema penal deve lidar com o psicopata, concluímos que no Brasil, até o atual momento, pouco investe no tema. Essa falta de atenção para com a psicopatia resulta em uma grande reincidência desses como presidiários. Ao analisar-se números, nota-se a necessidade da implementação de meios eficazes para lidar com o perfil, buscando auxílio na psicologia para esclarecer os pontos obscuros do funcionamento cerebral de indivíduos acometidos por esse transtorno.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Assis, M. D. S. (2017). Responsabilidade penal do psicopata. In: Jus. Recuperado em 20 de março, 2021, de https://jus.com.br/artigos/59875/responsabilidade-penal-do-psicopata/2.

Balone, G. (2017). Personalidade Psicopática ou Sociopática. In: PsiqWeb. Recuperado em 03 de novembro, 2020, de http://psiqweb.net/index.php/personalidade/psicopatia/

Barros, F. A. M. (2003). Direito penal: parte geral. 3. ed. rev. atual. e ampl. São Paulo: Saraiva.

Baumann, J. B. (1972). Culpabilidad y Expiación. Nuevo Pensamiente Penal. Revista Cuatrimestral de Derecho Y Ciencias Penales, 1(1), 28.

Brasil. (1940). Decreto-Lei nº 2.848 de 7 de dezembro de 194: Código Penal. Brasília, DF: Planalto. Recuperado em 27 de março, 2021, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del2848compilado.htm.

Brasil. (2002). Lei n. 10.406, de 10 de janeiro de 2002: Código Civil. Brasília, DF: Planalto. Recuperado em 27 de março, 2021, de <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/L10406compilada.htm>.

Brasil. Superior Tribunal de Justiça. (2019). Habeas Corpus nº 462.893 - MS (2018/0197852-1). Relatora: Sebastião Reis Júnior.

Bruyne, P. (1991). Dinâmica da pesquisa em ciências sociais: os polos da prática metodológica. 5. ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1991.

Capez, F. (2009). Curso de direito penal. 13. ed. São Paulo: Saraiva.

Capez, F. (2011). Curso de direito Penal: parte geral. 15. ed. São Paulo: Saraiva.

Cavalcante, M. A. L. (s.d.). Execução de medida de segurança. Súmula 341-STJ Buscador Dizer o Direito, Manaus. Recuperado em 20 de fevereiro, 2021, de https://www.buscadordizerodireito.com.br/jurisprudencia/detalhes/ac45088df2e8d3cd2d8fbafceb920878

Freitas, A. T. (1952). Esboço do Código Civil (Vol. I). Rio de Janeiro: Ministério da Justiça.

Freud, S. (1905). Personagens Psicopáticos no Palco. Rio de Janeiro: Imago.

Gil, A. C. (1999). Métodos e técnicas de pesquisa social. 5.ed. São Paulo: Atlas.

Gil, A. C. (2020). Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas.

Gomes, O. (1971). Introdução ao Direito Civil. 3. ed. Rio de Janeiro: Forense.

Kelsen, H. (1998). O que é justiça? A Justiça, o Direito e a Política no espelho da ciência. São Paulo: Martins Fontes.

Oliveira Netto, A. A. (2006). Metodologia da Pesquisa Científica. 2. ed. Florianópolis: Books.

Prodanov, C. C., & Freitas, E. C. (2013). Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2. ed. Novo Hamburgo: Feevale.

Reale Júnior, M. (1998). Teoria do Delito. São Paulo: Revista dos Tribunais.

Rio grande do Sul. Tribunal de Justiça. (2011). Ap. crim. 70037449089, rel. Des. Odone Sanguine, 2011.

Rodrigues, K. R. A. L., & Mota, R. M. (2018). Psiquiatria nas penitenciarias brasileiras. Recuperado em de 20 março, 2021, de https://jus.com.br/artigos/71102/psiquiatria-nas-penitenciarias-brasileiras/2.

Santandreu, R. (2019). Córtex pré-frontal: uma das áreas mais interessantes do cérebro - a mente é maravilhosa. Recuperado em 20 de março, 2020, de https://amenteemaravilhosa.com.br/cortex-pre-frontal/.

Santos. A. B. (2018). Psicopatia e crime: a imputabilidade do Psicopata na Legislação Penal Brasileira. Conteúdo Jurídico: Direito Penal. Recuperado em 20 de março, 2021, de https://conteudojuridico.com.br/consulta/Artigos/51922/psicopatia-e-crime-a-imputabilidade-do-psicopata-na-legislacao-penal-brasileira.

Silva, A. B. B. (2008). Mentes perigosas: o psicopata mora ao lado. Rio de Janeiro: Fontanar.

Silva, A. B. B. (2018). Psicopatia não tem cura; é um modo de ser, diz psicanalista. Revista Gaúcha ZH. Recuperado em 20 de março, 2021 de https://gauchazh.clicrbs.com.br/comportamento/noticia/2011/05/psicopatia-nao-tem-cura-e-um-modo-de-ser-diz-psicanalista-3323647.html

Toniolo, J. H. R. (2012). A imputabilidade do psicopata. ETIC: Encontro de Iniciação Científica- 8(8), 1-14.

Trindade, J. (2012). Manual de Psicologia Jurídica para operadores do Direito. 6. ed. rev. atual. e ampl. Porto Alegre: Livraria do Advogado.

Downloads

Publicado

2021-07-29

Como Citar

Bonvicini, C. R. ., Júnior, J. A. C. ., & Oliveira, E. M. de . (2021). PSICOPATIA: uma análise do tratamento da psicopatia no sistema penal brasileiro. Psicologia E Saúde Em Debate, 7(2), 28–47. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V7N2A3

Edição

Seção

Estudo Teórico