MULHERES TRABALHADORAS DOMÉSTICAS

Autores

  • Mireli Luzia Santos Sousa Faculdade Patos de Minas - FPM
  • Flávio Henrique Sousa Santos Faculdade Patos de Minas - FPM
  • Gilmar Antoniassi Junior Faculdade Patos de Minas - FPM

DOI:

https://doi.org/10.22289/2446-922X.V7N1A25

Palavras-chave:

Trabalho Doméstico, Mulheres, Trabalho Doméstico. Mulheres. Promoção da Saúde.

Resumo

Introdução: O trabalho é considerado uma atividade à qual as pessoas atribuem valor e importância em sua vida, não somente por estar relacionado à sua subsistência, mas também devido a sua capacidade de promover a interação social no cotidiano das relações. Objetivo: Contextualizar a partir do estado da arte o cenário sobre as mulheres trabalhadoras domésticas. Materiais e Métodos: Trata-se de um estudo qualitativo descritivo do estado da arte ante a produção científica levantada na literatura no tocante a temática das mulheres e o trabalho doméstico. Resultados: Respectivamente a escrita foi organizada em três eixos estabelecidos ao abordar sobre as mulheres no âmbito das relações de trabalho, pormenorizando o ofício doméstico e os olhares da promoção de saúde e a qualidade de vida no trabalho. Considerações: O propósito aqui é mostrar que o trabalho domestico passou por varias transformações para chegar até aqui, que ainda é muito pouco é necessário valorização dessa classe, e o respeito por tantas mulheres que deixam seus lares em busca de melhoria de vida e que na historia do trabalho domestico não deve nada que não foi suado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Antoniassi Junior, G., Freitas, E. R. L., Santos, F. H. S., Silva, L. A. M., & Figueiredo, G. L. A. (2018). Mulheres donas de casa atendidas no ambulatório de saúde mental: Uma questão de saúde e bem-estar ante o sofrimento da adicção e o ambiente familiar. Livro Saúde Mental: um campo em construção. Cap.16. p.167-204.

Rocha, E. K. G. T., & Pinto, F. M. (2018). O desafio conceitual do trabalho doméstico à psicologia do trabalho. Revista de Psicologia, 30( 2), p. 145-153.

Siqueira, D. P., &Samparo, A. J. F. (2017). Os direitos da mulher no mercado de trabalho: da discriminação de gênero à luta pela igualdade.Rev. do Departamento de Ciências Jurídicas e Sociais da Unijuí. 6(45), p. 287-325.

Bandini, M. (2014). Por que promover saúde no trabalho? Revista proteção, São Paulo, SP. 1-9.

Bordalo, K. B. (2013). O trabalho na concepção de Marx. Anais do XI Congresso Nacional de Educação – Educere, Curitiba 23 a 26/09/2013, 30(107), p. 373-387.

Brasil. Presidência da República. (2013). Emenda Constitucional nº 72, de 2 de abril de 2013: altera a redação do parágrafo único do art. 7º da Constituição Federal para estabelecer a igualdade de direitos trabalhistas entre os trabalhadores domésticos e os demais trabalhadores urbanos e rurais. Brasília. Recuperado em: 20 de novembro, 2020, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/emendas/emc/emc72.htm

Brasil. Presidência da República. Decreto-Lei nº 150, de 1º de junho de 2015: Contrato de trabalho doméstico. Brasília, DF: Independência da República.

Brasil. Presidência da República. Decreto-lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943: A prova a Consolidação das Leis do Trabalho. Brasília, DF: Diário Oficial da União.

Carvalho, M. N., Rodrigues, C. R., Costa, E. M. O. D., Sakai, M. H., & Leite, S. N. (2018). Necessidade e dinâmica da força de trabalho na Atenção Básica de Saúde no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 23(1), p. 295-302. https://doi.org/10.1590/1413-81232018231.08702015

Correia, M. O. G., & Biondi1, P. (2011). Uma leitura marxista do trabalho doméstico. Revista LTR, 75, p. 311-317.

Correia, M. O. G., & Biondi1, P. (2011). Uma leitura marxista do trabalho doméstico. Revista LTR, 75, p. 311-317.

D’ Affonseca, S. M., Cia, F., &Barham, E. J. (2014). Trabalhadora feliz, mãe feliz? Condições de trabalho que influenciam na vida familiar. Rev. Psicologia Argumento. 32(76), p. 129-138.

Declaração de Sundsvall. Promoção da saúde e ambientes favoráveis à saúde. Suecia: 3ª Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde Sundsvall. Retirado em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/declaracao_sundsvall.pdf Acesso em: 27 de maio de 2020.

Brasil.Decreto n° 21.417-A. (1932, 17 de maio) Regula as condições do trabalho das mulheres nos estabelecimentos industriais e comerciais. Rio de Janeiro, RJ: Independência da República.

Departamento Intersindical de Estatística e de Estudos Sócio-econômicos - Dieese (2019). Mulheres no mercado de trabalho no Distrito Federal. Brasília: Sistema Ped. Retirado de: em https://www.dieese.org.br/analiseped/2019/2019pedmulheresbsb.pdf Acesso em: 11 de maio de 2020.

Dias, M. S. A. Oliveira, I. P., Silva, L. M. S., Vasconcelos, M. I. O., Machado, M. F. A. S., Forte, F. D. S. et al. (2018). Política Nacional de Promoção da Saúde:um estudo de avaliabilidade em uma região de saúde no Brasil. Rev. Ciênc. saúde colet. 23(1), p. 103-114.

Nader, M. B. (2002). Mudanças Econômicas, Mulher e Casamento em Vitória. 1970-2000. XIII Encontro da Associação Brasileira de Estudos Populacionais, Ouro preto- MG.

Brasil. (2002). Tribunal Superior do Trabalho. Ato n. 121/SEAD.GDGCA, de 17 de setembro de 2002. Boletim Interno [do] Tribunal Superior do Trabalho, Brasília, DF, 37, p. 7. Retirado em 20de setembro de 2019.

Brasil. (2013). Emenda constitucional n° 72. (2013, 02 de abril). Altera a redação do parágrafo único do art. 7º da Constituição Federal para estabelecer a igualdade de direitos trabalhistas entre os trabalhadores domésticos e os demais trabalhadores urbanos e rurais. Brasilia, DF: Presidência da República.

Goldschmidt, R. (2008). Discriminação no mercado de trabalho: consciência e ações de resistência. Rev. Trib. Reg. Trab.3ª Reg., 48(78), p. 231-251.

Gomez, C. M., Vasconselhos, L. C. F., & Machado, J. M. H. (2018). Saúde do trabalhador: aspectos históricos, avanços e desafios no Sistema Único de Saúde. Rev. Ciência & Saúde Coletiva. 22 (6),p. 1963- 1970.

Guedes, M. C., & Alves, J. E. D. (2004). A população feminina no mercado de trabalho entre 1970-2000: particularidades do grupo com nível universitário. XIV Encontro Nacional de Estudos Populacionais, Caxambu-MG.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística -IBGE. (2019). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua Trimestral (PNAD Contínua) do quatro trimestres de 2018. Rio de Janeiro: Autor.

Brasil. Lei Complementar Nº. 150 (2015, 01 de junho). Dispõe sobre o contrato de trabalho doméstico; altera as Leis no 8.212, de 24 de julho de 1991, no8.213, de 24 de julho de 1991, e no 11.196, de 21 de novembro de 2005; revoga o inciso I do art. 3o da Lei no 8.009, de 29 de março de 1990, o art. 36 da Lei no 8.213, de 24 de julho de 1991, a Lei no5.859, de 11 de dezembro de 1972, e o inciso VII do art. 12 da Lei no 9.250, de 26 de dezembro 1995; e dá outras providências. Brasília, DF: Independência da República.

Brasil. Lei n° 13.467. (2017, 13 de julho). Altera a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, e as Leis n º 6.019, de 3 de janeiro de 1974, 8.036, de 11 de maio de 1990, e 8.212, de 24 de julho de 1991, a fim de adequar a legislação às novas relações de trabalho. Brasilia, DF: Independência da República.

Lima, L. D. (2018). O lado oculto da violência doméstica contra a mulher. Trabalho de Conclusão de Curso em Serviços Sociais, Universidade Federal do Recôncavo aa Bahia - UFRB, Cachoeira.

Lima, M., & Prates, I. (2019). Emprego doméstico e mudança social Reprodução e heterogeneidade na base da estrutura ocupacional brasileira. Revista de sociologia da USP, 31( 2).p. 149-172.

Luna, S. A. A. (2017). A “Mucama permitida”: A origem escravocrata do emprego doméstico no Brasil. Seminário Internacional Fazendo Gênero, 11 &Women’s Worlds Congress, 13th (pp. 1-11). Florianópolis, SC.

Maidl, D. (2016). Relação de Emprego. JusBrasil. Retirado em: 30 de outubro de 2019 de https://danielmaidl.jusbrasil.com.br/artigos/405083084/qual-e-a-diferenca-entre-relacao-de-emprego-e-relacao-de-trabalho

Malta, D. C., Reis, A. A. C., Jaime, P. C. Morais Neto, O. L., Silva, M. M. A., &Akerman, M. (2018). OSUS e a política nacional de promoção da saúde:perspectiva resultados, avanços e desafios em tempos de crise. Revista Ciência Saúde Coletiva. 23(6), p. 1799-1809.

Marx, K. (1985). O Capital: crítica da economia política. Tradução por Regis Barbosa e Flávio R. Kothe. São Paulo: Abril Cultural. Livro 1, v. 1, t. 1. (Os economistas).

Myrrha, L. J. D., & Wajnman, S. (2008). Características e Heterogeneidade do emprego doméstico no Brasil. XVI Encontro Nacional de Estudos Populacionais, Caxanbu-MG.

Nacif, C. M. L., & Souza, M. P. (2018). Reflexões sobre a aplicação do trabalho intermitente no trabalho doméstico. Rev. Trib. Reg. Trab. 64 (97), p. 251-268.

Nader, M. B. (2002). Mudanças Econômicas, Mulher e Casamento em Vitória. 1970-2000. XIII Encontro da Associação Brasileira de Estudos Populacionais, Ouro preto- MG.

Neves, D. R., Nascimento, R. P., Felix Jr, M. S., Silva, F. A., & Andrade, R. O. B. (2018). Sentido e significado do trabalho: uma análise dos artigos publicados em periódicos associados à ScientificPeriodicalsElectronic Library. Cadernos EBAPE.BR, 16(2), 318-330. https://doi.org/10.1590/1679-395159388

Ogata, A., &Simurro, S. (2018). Guia Prático de Qualidade de Vida: como planejar e gerenciar o melhor programa para a sua empresa. Alta Books, Rio de Janeiro.

Oliveira, R. A. (2010). A Concepção de trabalho na filosofia do jovem Marx e suas implicações antropológicas. Kínenis. II (03), 72-88.

Organização das Nações Unidas [ONU]. (2015). Agenda 2030: transformando nosso mundo: a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, Nova Iorque, 2015. Disponível em: <https://nacoesunidas.org/pos2015/agenda2030/>. Acesso em: 20 de junho de 2020.

Organização Pan-Americana da saúde – OPAS. Organização Mundial da Saúde - OMS. (2018). Indicadores de saúde: elementos conceituais e práticos. Brasil. Recuperado em 26 de maio de 2020 de: https://www.paho.org/hq/index.php?option=com_content&view=article&id=14401health-indicators-conceptual-and-operational-considerations-section-1&Itemid=0&limitstart=1&lang=pt em.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.446. (2014, 11 DE NOVEMBRO). Redefine a Política Nacional de Promoção da Saúde (PNPS). Brasília, DF: Autor.

Probst, E. R., & Ramos, P. (2015). A evolução da mulher no mercado de trabalho. Especialização em Gestão Estratégica de Recursos Humanos. Instituto Catarinense de Pós-Graduação – ICPG, Blumenau, SC.

Querino, L. C. S., Domingues, M. D. S., & Luz, R. C. (2013). A evolução da mulher no mercado de trabalho. Revista dos discentes da Faculdade Eça de Queirós. 2(2), p. 1-32.

Reis Junior, D. R. (2008). Qualidade de vida no trabalho: construção e validação do questionário QWLQ78. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) – Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Ponta Grossa, 2008. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/cp080680.pdf. Acesso em: 04 de novembro 2019.

Ribeiro, L. A., & Santana, L. C. (2015). Qualidade de vida no trabalho: fator decisivo para o sucesso organizacional. Revista de Iniciação Científica – RIC, 02(02), p. 75-96.

Silva, D. F, Loreto, M. D. S, &Bifano, A. C. S. (2017). Ensaio da história do trabalho doméstico no Brasil: um trabalho invisível. Cadernos de Direito, 17(32), p. 409-438. DOI: 10.15600/2238-1228/cd.v17n32p409-438

Silva, M. I., Pelazza, B. B., & Souza, J. H. (2016). Educação e saúde: Relato de experiências de ações educativas para saúde em comunidades socialmente vulneráveis. Revista Eletrônica da Divisão de Formação Docente. 3(1), p. 118-128.

Teixeira, D. L. P., & Souza. M.C. A. F. (1985). Organização do processo de trabalho na evolução do capitalismo. Revista de Administração de empresas. 25(4), p. 65-72.

Torres, L. (2016). As espécies de trabalho e a configuração do vinculo empregatício. Direito Diário. Retirado em: 30 de Outubro de 2019 de https://direitodiario.com.br/especies-de-trabalho-e-vinculo-empregaticio/

Downloads

Publicado

2021-06-10

Como Citar

Sousa, M. L. S. ., Santos, F. H. S. ., & Junior, G. A. . (2021). MULHERES TRABALHADORAS DOMÉSTICAS. Psicologia E Saúde Em Debate, 7(1), 362–375. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V7N1A25

Edição

Seção

Estudo Teórico