O ENCANTAMENTO COMO POSSIBILIDADE DE CONHECIMENTO E AS VICISSITUDES DO REAL

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Leonardo Carrijo Ferreira Caio Souza Próchno Maria Castilho Romera

Resumo

O encantamento a partir da contemplação despretensiosa tem uma profundidade de sentido ainda não compreendida em sua totalidade. O significado deste ato, deste encantar, enseja imanências de possibilidades de compreensão do psiquismo, seja ele, individual, social ou cultural. A intenção do artista expressa em sua obra pode ser interpretada em sua singular transversalidade. A realidade, este reino de representações, comporta uma infinidade de campos diversos, campos a serem pesquisados. A aquisição da inteligibilidade deste momento consiste no encontro entre o artista, o real representado e seu contemplador, momento tão sublime quanto efêmero. O que se propõe é a interpretação do impacto que a obra de arte surte sobre o espectador, cujo entendimento se debruça sobre este impacto; através da ruptura de campo, a interpretação psicanalítica faz surgir os sentidos psíquicos. Se a psique é o que produz sentido nas coisas humanas, a proposta reside em criar sentidos a partir desta vivência contemplativa, como uma possibilidade de experiência; pois, o que esboça um campo impregnado de possíveis significados é este encontro do pesquisador com o artista, na experiência singular da contemplação, campo de múltiplos devires e da interpretação do estranho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
Ferreira, L., Próchno, C., & Romera, M. (2015, agosto 1). O ENCANTAMENTO COMO POSSIBILIDADE DE CONHECIMENTO E AS VICISSITUDES DO REAL. Psicologia E Saúde Em Debate, 1(2), 55-70. Recuperado de http://psicodebate.dpgpsifpm.com.br/index.php/periodico/article/view/21
Seção
Artigo original