HIPERPIGMENTAÇÃO PERIORBITAL

  • Jaquelina Aparecida de Araujo Faculdade Patos de Minas
  • Lilian Abreu Ferreira Faculdade Patos de Minas
Palavras-chave: Hiperpigmentação, Etiologia, Cosméticos

Resumo

As hipercromias são alterações cutâneas geradas principalmente pelo excesso de produção de melanina, que confere uma tonalidade mais escura à pele.  A hiperpigmentação periorbital é caracterizada por uma hipercromia da região periorbital de origem multifatorial. Não é uma alteração prejudicial à saúde e nem está associada a qualquer morbidade, entretanto, pode influenciar a qualidade de vida de um indivíduo, pois interfere na aparência facial, resultando em um aspecto cansado, triste, de privação de sono ou mesmo não saudável. Existem diversas modalidades de tratamento, contudo, os produtos com ativos tópicos são a forma mais conveniente de se iniciar a terapia. Diante disso, o objetivo do estudo foi realizar uma revisão sobre a hiperpigmentação periorbital com ênfase em suas características e etiologia, abordando os principais tipos de ativos tópicos disponíveis para o tratamento, através de uma busca nas bases de dados Pubmed e SciELO nos últimos anos. Foi possível observar que em sua etipatogenia ocorre o envolvimento de fatores intrínsecos, determinados pela genética e fatores extrínsecos, tais como tabagismo, exposição solar, medicamentos, privação de sono, entre outros. É possível ver uma hiperpigmentação pós-inflamatória, devido à fricção e ato de coçar a região, em casos de dermatite atópica ou alergia e, assim, para a escolha do melhor tratamento, deve-se levar em consideração a contribuição de cada um desses fatores para que a condição possa ser corrigida ou amenizada.  Entre os ativos tópicos, aqueles que melhoram a circulação e/ou reduzem a melanina foram os mais indicados para o tratamento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Aghaei, S. (2016). An approach to dark circles under the eyes, Journal of Surgical Dermatology, 1(2), 55-56.

Agrawal, S. (2018). Periorbital Hyperpigmentation: Overcoming the Challengs in the Management, Nepal Journal of Dermatology, Venereology & Leprology, 16(1), 2-11.

Borges, F. A., & Almeida, L. C. K. de. (2016). Desenvolvimento de gel-creme contendo extrato de camomila (Chamomilla recutita L.) e estudo de estabilidade, Revista Perquirere, 13(1), 173-182.

David, B. G., Roshni M.R., Shankar, R. (2017). A clinico-epidemiological study of periorbital melanosis, International Journal of Research in Dermatology, 3(2), 245-250.

Dantas, L. D. P. (2013). Analise de padrões dermatoscopicos em pacientes com hiperpigmentação periocular. Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Friedmann DP, Goldman MP. Dark circles: Etiology and management options. Clin Plast Surg. 2015; 42:33–50

George, A. Tranexamic acid: An emerging depigmenting agent. Pigment Int. 2016; 3:66-71.

Gonçalves, K., & Lemgruber, K. (2016). Breve histórico sobre a velhice e instituições asilares no brasil. Psicologia E Saúde Em Debate, 2(Supl. 1), 21-23.

Guimarães, A., Kaneoya, A., Soares, A., Machado, Z., & Fernandes, S. (2011). Qualidade de vida, autoestima e autoimagem de japoneses do Brasil e do Japão, Revista Pensar a Prática, 14(1), 1-12.

Lüdtke, C., Souza, D.M., Weber, M.B., Ascoli, A., Swarowski, F., & Pessin, C. (2013). Perfil epidemiológico dos pacientes com hipercromia periorbital em um centro de referência de dermatologia do Sul do Brasil, Surg Comestic Dermatol, 5(4), 302-8.

Martini, F. H., Timmons, M. J., Tallitsch, R. B. (2009). Anatomia Humana (6a ed.) São Paulo: Artmed.

Nicoletti, M. A., Orsine, M. A. de., Duarte, A. C. N., & Buono, G. A. (2002). Hipercromias: aspectos gerais e uso de despigmentantes cutâneos, Revista Cosmetics & Toiletries, 14(2), 46-51.

Oliveira, G., Paiva, A. (2016). Causas e tratamento da hipercromia periorbital, Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba, 18(3), 133-139.

Oliveira, T. S. de. (2016). Rejuvenescimento da pele por meio da utilização do laser – uma revisão sistemática da literatura. Trabalho de Conclusão de Curso de graduação. Centro Universitário de Brasília, Brasília, DF, Brasil.

Palermo, EC. (2013). Anatomia da região periorbital. Surg Cosmet Dermatol; 5(3): 245-56.

Ribeiro, J. C., Alves, R., Liu, R. P., Filho, A. F. S. da., Pereira, N. A., Carvalho, E. E. S. de. (2012). Reconstrução palpebral com enxerto de cartilagem autóloga de concha de orelha, Rev Bras Cir Plast, 27(2), 243-8.

Sarkar, R., Ranjan, R., Garg, S., Garg, K., Sonthalia, S., & Bansal, S. (2016). Periorbital Hyperpigmentation: A comprehensive Review, Journal J Clin Aesthet Dermatol, 9, 49-55.

Sbrissa R, Pitanguy I. (2017). Atlas de cirurgia palpebral. (2a ed.). Rio de Janeiro: Revinter.

Souza, D. M., Ludtke, C., Souza, E. R. M. de., Scandura, K. M. P., Weber, M. B. (2011). Periorbital Hyperchromia, Surg Cosmet Dermatol, 3(3), 233-9.

Souza, D., Ludtke, C., Souza, E., Souza, N., Weber, M., Manzoni, A., Lorenzini, F. K. (2013). Comparação entre ácido tioglicólico 2.5%, hidroquinona 2%, haloxyl 2% e peeling de ácido glicólico 10% no tratamento da hiperpigmentação periorbital, Surg Cosmet Dermatol, 5(1), 46-51.

Taskin, B. (2015). Periocular Pigmentation: Overcoming the Difficulties, Journal of Pigmentary Disorders, 2(1), 1-3.

Viana, A., & Junior, G. (2017). Qualidade de vida em idosos praticantes de atividades físicas. Psicologia E Saúde Em Debate, 3(1), 87-98.

Vrcek, I., Ozgur, O., Nakra, T. Infraorbital Dark Circles: A Review of the Pathogenesis, Evaluation and Tratament, Journal of Cutaneous and Aesthetic Surgery, 9(2), 65-72

Publicado
2018-12-07
Como Citar
de Araujo, J., & Ferreira, L. (2018). HIPERPIGMENTAÇÃO PERIORBITAL. Psicologia E Saúde Em Debate, 4(3), 60-71. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V4N3A6
Seção
Estudo Teórico