ESQUEMAS DISFUNCIONAIS DA PERSONALIDADE E COMPORTAMENTOS DESVIANTES COM JOVENS DELITUOSOS E NÃO DELITUOSOS EM LUANDA-ANGOLA

  • Vieira Damba Universidade Técnica de Angola (UTANGA)
  • Nilton Soares Formiga Universidade Potiguar - UNP
Palavras-chave: Condutas antissociales e delitivas, Crenças disfuncionais, Jovens delinquentes e não delinquentes.

Resumo

O presente estudo investigou as crenças disfuncionais, sobre comportamentos anti-sociais dos Jovens em Luanda: um estudo preditivo com sujeitos Delituosos e não Delituosos. Participara da pesquisa 246 jovens, dos quais, 136 estavam em detenção na comarca de Viana e 108 são estudantes do segundo ciclo, matriculados no complexo escolar do Cazenga, e residentes na cidade de Luanda, em Angola. Eles responderam a escala de conductas antissocial e delitiva, questionário de crenças disfuncionais e dados sociodemográficos. Os construtos utilizados foram confiáveis tanto em sua estrutura fatorial quanto em termos da definição teórica dos mesmos. Na análise de regressão, as crenças disfuncionais foram capazes de explicar as condutas desviantes, bem como, as suas respectivas dimensões (conduta antissocial e delitiva). Observou-se um efeito significativo para os fatores Desconfiança/Abuso, Isolamento e Defectividade/Incompetência das crenças disfuncionais, tendo o sexo masculino apresentado escores mais alto, em relação ao sexo feminino, com o ‘d’ de Cohen maior de 80%. As crenças disfuncionais são interpretações errôneas do processo preceptivo elaborado pelo sujeito; são atitudes de vulnerabilidades a comportamentos antissociais, as quais, apontadas como um fator de risco na juventude. Em determinadas situações, as vivências dos jovens facilitam uma compreensão inadequada da realidade, através de processamentos falhos, isto é, erros de pensamentos que lhes leva a formar conceitos inválidos e desenvolverem crenças disfuncionais, tornando-se vulneráveis e com predisposição a delituosidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vieira Damba, Universidade Técnica de Angola (UTANGA)

Doutor em Psicologia pela Universidade de Ciências Empresariais e Sociais, Buenos Aires - AR. Atualmente, leciona na Universidade Técnica de Angola (UTANGA)

Referências

Agra, C., & Matos, A. (1997). Droga/crime: Estudos interdisciplinares. Trajectórias desviantes. Lisboa, Portugal: Gabinete de Planeamento e de Coordenação do Combate à Droga.

Armstrong, J. S. & Overton, T. S. (1977) Estimating nonresponse bias in mail surveys, Journal of Marketing Research, 14, 1977, 396-402.

Beck, A. e Freeman, A. (1993). Terapia cognitiva dos transtornos de personalidade.Tradução organizada por A.E. Fillman. Porto Alegre: Artes Médicas. (sem data da publicação original).

Beck, A. T., Butler, A. C., Brown, G. K., Dahlsgaard, K. K., Newman, C. F., & Beck, J. S. (2001). Dysfunctional beliefs discriminate personality disorders. Behaviour Research and Therapy, 39(10), 1213–1225. https://doi.org/10.1016/S0005-7967(00)00099-1

Beck, A. T., Butler, A. C., Brown, G. K., Dahlsgaard, K. K., Newman, C. F., & Beck, J. S. (2001). Dysfunctional beliefs discriminate personality disorders. Behaviour Research and Therapy, 39(10), 1213-1225.

Beck, A. T., Freeman, A., & Davis, D. D. (2005). Terapia Cognitiva dos Transtornos de Personalidade (2ª edição ed.). Porto Alegre: Artmed.

Beck, J. S. (1997). Terapia cognitiva: Teoria e prática (S. Costa, trad.). Porto Alegre, Brasil: Artmed.

Beck, J. S. (2013). Terapia cognitiva Comportamental, teoria e prática , Trad. Sandra Mallmann da Rosa, Porto Alegre: Artmed, 2013, 2ª Edição.

Born. M, (2005). Psicologia da Delinquência, Lisboa. Editora Climepsi.

Carvalho, M. J. L. (2005). Jovens, Espaços, Trajectórias e Delinquências. Sociologia, Problemas e Práticas, 49, 71-93.

Carvalho, P. (2008). Exclusão Social em Angola. O caso dos deficientes físicos de Luanda. Portugal: Editora Kilombelombe.

Carvalho, S. (2011). Antimanual de criminologia. Rio de Janeiro: Lumen Juris.

Cazassa, M. J. (2007). Mapeamento de esquemas cognitivos: validação da versão brasileira do Young Schema Questionnaire - Short Form. Dissertação de mestrado não-publicada, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Cazassa, M. J., & Oliveira, M. S. (2008). Terapia focada em esquemas: Conceituação e pesquisas. Revista Psiquiatria Clínica, 35(5), 187-195.

Costa, M. R., & Pimenta, C. A. M. (2006). A violência: natural ou sociocultural? São Paulo: Paulles. (Coleção Questões Fundamentais do Ser Humano).

Faul F., Erdfelder E., Buchner A., Lang A.-G. (2009). Statistical power analyses using G*Power 3.1: tests for correlation and regression analyses. Behavior Research Methods, 41, 1149-1160

Fávero, L. P. L. (2015). Análise de dados: Modelos de regressão com Excel®, Stata® e SPSS®. Rio de Janeiro: Elsevier.

Formiga, N. S. & Camino, L. (2001). A Dimensão do Inventário de Papeis Sexuais (BSRI): A masculinidade e feminilidade em universitários. Estudos de Psicologia, 18, (2), 41-49

Formiga, N. S. & Diniz, A. (2011). Estilo da orientação cultural e condutas desviantes: Testagem de um modelo teórico. Revista Pesquisa em Psicologia, 5(1), 2-11.

Formiga, N. S. (2014). Comparação fatorial e fidedignidade de uma medida sobre excesso de consumo de álcool em universitários brasileiros. Eureka: Revista de Investigación de Psicología, 11(1), 77-94

Formiga, N. S., & Camino, L. (2001). A dimensão do inventário de papéis sexuais (BSRI): a masculinidade e feminilidade em universitários. Estudos de Psicologia (Campinas), 18(2), 41-49. https://dx.doi.org/10.1590/S0103-166X2001000200004

Formiga, N. S., & Gouveia, V. V. (2003). Adaptação e validação da escala de condutas anti-sociais e delitivas ao contexto brasileiro. Psico, 34, 367-388

Formiga, N. S., & Gouveia, V. V.. (2005). Valores humanos e condutas anti-sociais e delitivas. Psicologia: teoria e prática, 7(2), 134-170. Recuperado em 01 de maro de 2019, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-36872005000200006&lng=pt&tlng=pt.

Formiga, N. S., Aguiar, M., & Omar, A. (2008). Busca de sensação e condutas anti-sociais e delitivas em jovens. Psicologia: Ciência e Profissão, 28(4), 668-681. https://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932008000400002

Formiga, N. S., Melo, G., & Leme, J. (2013). Pares sócio-normativos, orientação cultural, hábitos de lazer e condutas desviantes: verificação de um modelo teórico em jovens. Revista de Psicologia Universidade de Antioquia, 5, 7-26.

Formiga, N. S.; Goncalves, G. ; Santos, J. (2018). Sexismo ambivalente, los valores métricos y diferencias entre portugueses y brasileños personas. Eureka: revista científica de psicologia, 15 (2), 207-224.

Formiga, N., Duarte, V., Neves, S., Machado, M., & Machado, F. (2015). Escala de Condutas Antissociais e Delitivas: Estrutura Fatorial da Versão Portuguesa. Psicologia: Reflexão e Crítica, 28(4), 718-727. https://dx.doi.org/10.1590/1678-7153.201528409

Formiga, N., Fleury, L. F. O., Fandiño, A. M., & Souza, M. A., (2016). Evidência Empírica de uma medida da Anomia Organizacional em trabalhadores brasileiros. Revista de Psicologia, 18 (1), 43-59.

Freeman, A. (1998). O desenvolvimento das conceituações de tratamento na terapia cognitiva. Em A. Freeman & F. M. Dattilio (Orgs.), Compreendendo a terapia cognitiva (p. 29-42).Campinas: Editorial Psy.

Friedberg, R. D.; & Mcclure, J. M. (2004). A prática clínica de terapia cognitiva com crianças e adolescentes. Porto Alegre: Artmed .

Greenberger, D., & Padesky, C. A. (1994). A mente vencendo o humor. Porto Alegre: Artmed.

Hair Jr, J. F. et al. (2005). Análise Multivariada de Dados. 5. ed. Porto Alegre: Bookman.

Hutz, C. S., Bandeira, D. R., & Trentini, C. M. (Eds.). (2015). Psicometria. Porto Alegre: Artmed.

Kutner, M. H. et al. (2004). Applied Linear. 5. ed. New York: McGraw-Hill/Irwin.

Maia, M. de F. de M., Formiga, N. S., Tolentino, T. M., Lima, C. A. G., & Sousa, B. V. de O. (2018). Comprovação da estrutura fatorial da medida de condutas antissociais e delitivas em jovens. Perspectivas Em Psicologia, 22(2). https://doi.org/10.14393/PPv22n2a2018-10

Malhotra, N. K. (2011). Pesquisa de Marketing: foco na decisão. 3. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Marôco, João. (2010). Analise de equações estruturais: fundamentos teóricos, software & aplicações. ReportNumb ed. Pêro Pinheiro.

Matos, M. G., Simões, C., & Gaspar, T. (2009). Violência entre pares no contexto escolar em Portugal, nos últimos 10 anos. Revista Interações, 5 (13), 1-28. https://doi.org/10.25755/int.399

Mesquita Filho, M., Eufrásio, C., & Batista, M. A. (2011). Estereótipos de gênero e sexismo ambivalente em adolescentes masculinos de 12 a 16 anos. Saúde e Sociedade, 20(3), 554-567. doi:10.1590/s0104-12902011000300003

Miles, J. N. V., & Shevlin, M. E. (2001). Applying regression and correlation: A guide for students and researchers. London: Sage Publications.

Montagner, H. (2008). A árvore criança, uma nova abordagem do desenvolvimento da criança. Editora: Piaget.

Nardi, F. L., Hauck F. N., & Dell'Aglio, D. D. (2016). Preditores do Comportamento Antissocial em Adolescentes. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 32(1), 63-70. https://doi.org/10.1590/0102-37722016011651063070

Neves, S., Duarte, V., Barbosa, R. C., & Formiga, N. (2015), Violências na contemporaneidade no Brasil e em Portugal. Maia, Edições ISMAI.

Pacheco, J. T. B. (2004). Construção de Comportamento Antissocial em Adolescentes Autores Inflacionais;Uma análise a partir das praticas educativas e dos estilos parentais. (Porto Alegre): Tese de Doutoramento apresentada a Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Padesky, C. A. (1994). Schema change processes in cognitive therapy. Clinical Psychology and Psychotherapy, 1, 267-278. DOI: http://dx.doi.org/10.1002/cpp.5640010502

Pasquali, L. (2011). Psicometria: teoria dos testes na psicologia e na educação. 4 ed. Petrópolis/RJ: Vozes.

Paulino, M. & Almeida, F. (2014). Psicologia, Justiça e Ciências Forenses – Perspetivas Atuais. Lisboa: Pactor.

Pimenta, M. E. (2012).Quem Produz Delinquência,Modelos de Delinquência,(3ª ed.). Lisboa: Volume II, Edição Calçada da Letras

Podsakoff PM, MacKenzie SB & Podsakoff NP. Common method biases in behavioral research: a critical review of the literature and recommended remedies. J Appl Psychol [Internet]. 2003 [cited 2018 Ago 02]; 88 (5): 879-903. Available from: http://www.jwalkonline.org/docs/Grad%20Classes/Survey/articles/required/Podsakoff%20-%20common%20method%20biases.pdf. DOI:10.1037/0021-9010.88.5.879

Redondo, S., & Andrés Pueyo, A. (2007). Psicología de la delincuencia.Papeles del Psicólogo, 28 (3), p.7

Rocha, M. C. O. (2011). Estudo das Condutas Antissociais e Delitivas e Esquemas de Personalidade numa amostra de presidiários. Dissertação de mestrado. Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia-MG

Rocha, M. C. O., Formiga, N. S., & Lopes, E. J. (2013). Una medida de la conducta desviada: La verificación empírica de estrutura fatorial de reclusos em Brasil. Eureka - Revista de investigação científica em psicologia, 10(2), 164-178.

Samohl, R. W. (2009). Controle Estatistico da qualidade. Rio de Janeiro: Elsevier.

Seisdedos, N. (1988). Cuestionario A-D de conductas antisociales - delictivas. Madri: TEA.

Silva, E. A. (2011). Tradição e identidade de género em Angola: ser mulher no mundo rural". Revista Angolana de Sociologia, 8, 21-34.

Simas, T. K. (2012). Profiling Criminal. Introdução a Análise Comportamental no Contexto Investigativo. Letras e Conceitos, Lda. Portugal

Simões, M. C. (2007). Comportamentos de Risco na Adolescência. Coimbra: Fundação Calouste Gulbenkian.

Tabachnick, B.G. & Fidell L.S. (2001). Using multivariate statistics. Needham Heights: Allyn & Bacon.

Valente, M. I. (2001) A Situação da Mulher em Angola, 2001. Disponível em: Disponível em: http://ieham.org/html/docs/A_Situacao_Mulher_em_Angola.pdf .

Van de Vijver, F., & Leung, K. (1997). Methods and data analysis for cross-cultural research. Thousand Oaks: Sage Publications.

Vasconcelos, T. C., Gouveia, V. V., Pimentel, C. E., & Pessoa, V. S. (2008). Condutas desviantes e traços de personalidade: Testagem de um modelo causal. Estudos de psicologia (Campinas), 25(1), 55-65.

Vasconcelos, T. C., Gouveia, V. V., Pimentel, C. E., & Pessoa, V. S. (2008). Condutas desviantes e traços de personalidade: testagem de um modelo causal. Estudos de Psicologia (Campinas), 25(1), 55-65. https://dx.doi.org/10.1590/S0103-166X2008000100006

Vera, J. Á., Bautista, G., Ramírez, M., & Yáñez, A. I. (2012). Relación entre anomia social, alienación y conducta antisocial en jóvenes infractores mexicanos. Revista Latinoamericana de Ciencias Sociales, Niñez y Juventud, 10 (2), 943-955.

White, W. F. (1943/2005). Sociedade de Esquina: A estrutura social de uma área urbana pobre e degradada. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.

Young, J. E (2003). Terapia Cognitiva para transtornos da personalidade: uma abordagem focada em esquemas. (3ª edição) (M.A.V. Veronese, Trad.). Porto Alegre: Artmed.

Young, J., Klosko, J., & Weishaar, M. (2008). Terapia do esquema: Guia de técnicas Cognitivo-comportamentais inovadoras. Porto Alegre: Artmed.

Zappe, J. G., & Dias, A. C. G. (2010). Delinquência juvenil na produção científica nacional: distâncias entre achados científicos e intervenções concretas. Barbaroi, (33), 82-103. Recuperado em 15 de julho de 2020, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-65782010000200006&lng=pt&tlng=pt.

Publicado
2020-10-22
Como Citar
Damba, V., & Formiga, N. S. (2020). ESQUEMAS DISFUNCIONAIS DA PERSONALIDADE E COMPORTAMENTOS DESVIANTES COM JOVENS DELITUOSOS E NÃO DELITUOSOS EM LUANDA-ANGOLA. Psicologia E Saúde Em Debate, 6(2), 184-212. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V6N2A13
Seção
Artigo original