ESTUDO DE CASO SOBRE UMA CRIANÇA COM TDAH: o diagnóstico clínico

Autores

  • Cristiana Maria da Silva Faculdade Cidade de Coromandel - FCC
  • MENDES, Delza Ferreira Faculdade Patos de Minas - FPM
  • BARBOSA, Deivid de Oliveira Faculdade Cidade de Coromandel - FCC

DOI:

https://doi.org/10.22289/2446-922X.V6N2A30

Palavras-chave:

Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade, Diagnóstico, Estudo de caso

Resumo

O Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) é um padrão persistente de desatenção e/ou hiperatividade-impulsividade que interfere no funcionamento ou no desenvolvimento do sujeito. Este estudo tem como objetivo identificar os critérios para avaliação psicodiagnóstica de uma criança que apresenta traços do TDHA e a eficácia das ferramentas diagnósticas empregados durante o processo de avaliação. Para isso, foi utilizado o relato de experiência de um caso clínico, ocorrido em uma Clínica de Psicologia de uma Faculdade do interior de Minas Gerais. A criança foi encaminhada para o atendimento psicológico, por apresentar comportamentos como baixo rendimento escolar, divagação durante a realização de tarefas, falta de persistência, dificuldade em manter o foco, desorganização e atividades motoras excessivas e em seguida foi feita a avaliação psicodiagnóstica.  Através do estudo de caso foi possível confirmar e acompanhar o processo psicodiagnóstico da criança apresentando a mesma característica de TDAH encontradas nas pesquisas bibliográficas e confirmadas no psicodiagnóstico clínico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Albornoz, A. C. (2016). Devolução das informações do psicodiagnóstico. In: C. S. Hutz et al. (Orgs.). Psicodiagnóstico. (pp. 160-171). Porto Alegre: Artmed.

Associação Americana de Psiquiatria - APA. (2014). Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM-V. 5. ed. Porto Alegre: Artmed.

Associação Americana de Psiquiatria - APA. (1994). Diagnóstico e Manual Estatístico de Transtornos Mentais. 4. ed. Washington, DC.

Associação Brasileira do Déficit de Atenção - ABDA. (2018). Diagnóstico-Crianças. Brasília, DF, 2017. Recuperado em 12 de dezembro, 2019 de https://tdah.org.br/diagnostico-criancas/>.

Andrade, E. R., & Scheuer, C. (2004). Análise da eficácia do metilfenidato usando a versão abreviada do questionário de Conners em Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade. Revista Arquivos de Neuropsiquiatria, 62(1), 81-85.

Barkley, R. A., Anastopoulos, A. D., Robin, A. L., Lovett, B. J., Smith, B. H., Cunningham, C. E. et al. (2008). Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade: manual para diagnóstico e tratamento. 3. ed. Porto Alegre: Artmed.

Benczik, E. B. P. (2000). Manual da Escala de Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade: versão para professores. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Benczik, E. P. (2010). Transtorno de Déficit de atenção/Hiperatividade: diagnóstico e terapêutica. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Bonadio, R. A. A., & MORI, N. N. R. (2013). Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade: diagnóstico e prática pedagógica. Maringá: Eduem.

Bonet, T., Soriano, Y., & Solano, C. (2008). Aprendendo com crianças hiperativas: um desafio educativo. São Paulo: Cengage Learning.

Buck, J. N. (2009). Casa-Árvore-Pessoa: técnica projetiva de desenho. (2a ed.). São Paulo. Vetor.

Calegaro, M. (2002). Avaliação psicológica do transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH). In M. Calegaro. Avaliações e medidas psicológicas: produção do conhecimento e da intervenção profissional. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Caliman, L. V. (2008). O TDAH: entre as funções, disfunções e otimização da atenção. Psicologia em Estudo, 13(3), 559-566.

Cervo, A., Bervian, P. A., & Silva, R. (2007). Metodologia Científica. (6a ed.). São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Conners, C. K. (2009). Diagnóstico e avaliação do TDAH. In: C. K. Conners. Transtorno de déficit de atenção/hiperatividade: as mais recentes estratégias de avaliação e tratamento. (pp. 15-44). Porto Alegre: Artmed.

Costa, T. (2009). O desejo do analista e a clínica psicanalítica com crianças. Psicanálise & Barroco em Revista, 7(2), 86-102.

Coutinho, G., Mattos, P., & Araujo, C. (2007). Desempenho neuropsicológico de tipos de transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) em tarefas de atenção visual. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 56(1), 13-16.

Dumas, J. E. (2011). Psicopatologia da infância e da adolescência. (3a ed.). Porto Alegre: Artmed.

Eidt, N. M., & Ferracioli, M. U. 2010.O ensino escolar e o desenvolvimento da atenção e da vontade. Campinas, SP: Alínea.

Fachin, O. (2006). Fundamentos de metodologia. (5a ed.). São Paulo: Saraiva.

Fonseca, V. (2008). Desenvolvimento psicomotor e aprendizagem. Porto Alegre: Artmed.

Freitas, K. N., & Cunha, J. A. (2000). Desenho da Casa, Árvore e Pessoa (HTP). In: J. A. Cunha. Psicodiagnóstico V. (5a ed. rev.). (pp. 519-527). Porto Alegre: Artmed.

Gil, A. C. (2008). Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. (5a ed.). São Paulo: Atlas.

Gil, A. C. (2009). Estudo de Caso. São Paulo: Atlas.

Graeff, R. L., & Vaz, C. E. (2008). Avaliação e diagnóstico do transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH). Psicologia USP, 19(3), 341-361.

Hadler, A., & Pergher, G. K. (2011). O uso da brincadeira na terapia Cognitivo-Comportamental In: R. Wainer, N. M. Piccoloto, & G. K. Pergher. Novas Temáticas em Terapia Cognitiva. v. 1. (pp. 417-442). Porto Alegre: Sinopsys.

Hernández, F. (2007). Catadores da cultura visual: transformando fragmentos em nova narrativa educacional. Porto Alegre: Mediação.

Hutz, C. S. (2016). Avaliação em Psicologia Positiva-94. Porto Alegre: Artmed.

Lakatos, E. M., & Marconi, M. A. (2011). Metodologia científica. (6a ed). São Paulo: Atlas.

Lopes, R. M. F., Nascimento, R. F. L., & Bandeira, D. R. (2005). Avaliação do transtorno do déficit de atenção / hiperatividade em adultos (TDAH): uma revisão de literatura. Avaliação Psicológica, 4(1), 65-74.

Martins, G. A. (2008). Estudo de caso: uma reflexão sobre a aplicabilidade em pesquisas no Brasil. Revista de Contabilidade e Organizações, 2(2), 9-18.

Mattos, P., Serra-Pinheiro, M. A., Rohde, L. A., & Pinto, D. (2006). A apresentação de uma versão em português para uso no Brasil do instrumento MTA-SNAP-IV de avaliação de sintomas de transtorno do déficit de atenção/hiperatividade e sintomas de transtorno desafiador e de oposição. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, 28(3), 290-297.

Mattos P. et al. Consenso brasileiro de especialistas sobre diagnóstico do Transtorno do Déficit de Atenção/ Hiperatividade em adultos (TDAH). 2007. Recuperado em 03 de junho, 2019 de http://www.tdah.org.br/consenso_final.pdf.

Mattos, P. (2004). No mundo da Lua: perguntas e respostas sobre o Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade em crianças, adolescentes e adultos. São Paulo: Lemos Editorial.

Nogueira, M. O. G. (2011). Dificuldades de aprendizagem: um olhar psicopedagógico. Curitiba: IBPEX.

Organização Mundial de Saúde – OMS. (1993). Classificação de transtornos mentais e de comportamento - CID -10: descrições clínicas e diretrizes diagnósticas. Porto Alegre: Artes Médicas.

Phelan, T. W. (2004). TODA/TDAH: Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade. São Paulo: M. Books.

Ritalina, Cloridrato de metilfenidato: comprimido. ([201?]). Taboão da Serra: Anovis Industrial Farmacêutica. Bula de remédio.

Rego, T. C. (2002). Vygotsky: uma perspectiva histórico-cultural da educação. Petrópolis: Vozes.

Rohde, L. A., & Halpern, R. (2004). Transtorno de déficit de atenção/ hiperatividade: atualização. Jornal de psiquiatria, 80(2), supl., p. S61-S70.

Rotta, N. T., Ohlweiler. L., & Riesgo, R. S. (2006). Transtornos da aprendizagem: abordagem neurobiológica e multidisciplinar. (1a ed.) Porto Alegre: Artmed.

Santos, L. F., & Vasconcelos, L. A. (2010). Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade em crianças: uma revisão interdisciplinar. Psicologia: teoria e pesquisa, 26(4), 717-724.

Segabinaze, J. D., Zortea M., Zanon C., Bandeira D. R., Giacomon C. H., & Hutz C. S. (2016). Escala de afetos positivos e negativos para adolescentes: adaptação, normatização e evidências de validade. Avaliação Psicológica, 11(1), 1-12.

Schmidt, M. B., & Nunes, M. L. T. (2014). O brincar como método terapêutico na prática psicanalítica: uma revisão teórica. Revista de Psicologia da IMED, 6(1), 18-24.

Silva, M. A., & Bandeira, D. R. (2016). A entrevista de anamnese. In C. S. Hutz et al. Psicodiagnóstico. (pp. 52-67). Porto Alegre: Artmed.

Teixeira, G. (2013). Desatentos e hiperativos: manual para alunos, pais e professores. (2a ed.). Rio de Janeiro: BestSeller.

Topczewski, A. (2011). Hiperatividade: como lidar? São Paulo: Casa do Psicólogo.

Turato, E. R. (2003). Tratado da metodologia da pesquisa clínico-qualitativa: construção teórico-epistemológica, discussão comparada e aplicação nas áreas da saúde e humanas. Petrópolis: Vozes.

Wechsler, D. (2013). WISC-IV: manual técnico. São Paulo: Pearson.

Yin, R. K. (2005). Estudo de caso: planejamento e métodos. (3a ed.). Porto Alegre: Bookman.

Yin, R. K. (2015). Estudo de caso: planejamento e métodos. (6a ed.). Porto Alegre: Bookman.

Yin, R. K. (2010). Estudo de caso: planejamento e métodos. (5a. ed.). Porto Alegre: Bookman.

Downloads

Publicado

2020-12-22

Como Citar

Silva, C. M. da ., Ferreira Mendes, D., & de oliveira Barbosa, D. (2020). ESTUDO DE CASO SOBRE UMA CRIANÇA COM TDAH: o diagnóstico clínico. Psicologia E Saúde Em Debate, 6(2), 453–479. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V6N2A30

Edição

Seção

Relato de Caso e/ou Experiência