INCLUSÃO DO AUTISTA NO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO

Autores

  • Vallery Shibuta Faculdade Sant'Ana
  • Igor Favaro da Costa Faculdade Sant'Ana
  • Fernanda Pimentel dos Santos Faculdade Sant'Ana

DOI:

https://doi.org/10.22289/2446-922X.V7N2A1

Palavras-chave:

Autismo, Políticas Públicas, Educação

Resumo

Segundo a definição encontrada no DSM-IV (2002) o Transtorno Autista consiste na presença de um desenvolvimento comprometido ou acentuadamente anormal da interação social e da comunicação e um repertório muito restrito de atividades e interesses. As manifestações do transtorno variam imensamente, dependendo do nível de desenvolvimento e da idade cronológica do indivíduo. Essas características prejudicam no processo de aprendizagem, fazendo-se necessário uma atenção maior por parte das instituições de ensino. Devido ao crescente número de autistas presentes no ensino superior fazem-se necessários materiais sobre o assunto de inclusão nas universidades. No decorrer deste trabalho iremos apresentar revisões bibliográficas encontradas em torno da inclusão do autista no ensino superior, se há e como é feito esse processo, e suas políticas públicas. E por fim, contribuir para futuros estudos e melhorias da inclusão de autistas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Amaral, L. A. (2004) Resgatando o passado: deficiência como figura e vida como fundo. São Paulo: Casa do Psicólogo.

American Psychiatric Association – APA (2013). Diagnostic and statistical manual of mental disorders - DSM-5. (5a ed.) Washington: American Psychiatric Publishing.

Ávila, C. F.; Tachibana, M.; Vaisberg, T. M. J. A. (2008) Qual é o lugar do aluno com deficiência? O imaginário coletivo de professores sobre a inclusão escolar. Paidéia, 18(39), 155-164. https://doi.org/10.1590/S0103-863X2008000100014.

Bereohff, A. M. P.; Leppos, A. L. E.; Freire, H. V. (1994) Considerações Técnicas sobre o atendimento psicopedagógico do aluno portador de condutas típicas da síndrome do autismo e de psicoses infanto-juvenis. (1ª ed.) Brasília: Asteca.

Decreto-Lei n. 6949, de 25 de agosto de 2009. Aprova a Convenção sobre os direitos das pessoas com deficiência. Recuperado de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/decreto/d6949.htm.

Declaração Internacional de Montreal Sobre Inclusão, de 5 de junho de 2001. Recuperado de: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/dec_inclu.pdf.

BRASIL. Ministério da Educação – MEC. Secretaria de Educação Especial – SEESP. Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva. Documento elaborado pelo Grupo de Trabalho nomeado pela Portaria nº 555, de 5 de junho de 2007, prorrogada pela Portaria nº 948, de 09 de outubro de 2007. Brasília, 2008. Recuperado de: http://portal.mec.gov.br.

Cabral, C. S.; Marin, A. H. (2017) Inclusão escolar de crianças com transtorno do espectro autista: Uma revisão sistemática da literatura. Educação em Revista, v. 33. https://doi.org/10.1590/0102-4698142079.

Coelho, M.; Santo, A. E. Necessidades Educativas Especiais de Carácter Permanente/Prolongado no Contexto da Escola Inclusiva. Trabalho no âmbito da Acção de Formação n° 07/2006. Recuperado de: http://cenfocal.drealentejo.pt/trabalhosformandos/ac%E7%E3o7/Trabalho_Final_-_Autismo_Ant%F3nia_Madalena.pdf

Pereira-Ferrari, L [et al]. Análise genética de neurotransmissores em pacientes brasileiroscom autismo. (2009). Cadernos da Escola de Saúde, Curitiba. Faculdades Integradas do Brasil. 1(2). Recuperado de: https://portaldeperiodicos.unibrasil.com.br/index.php/cadernossaude/article/view/2258

GIL, A. C. (2009) Como elaborar projetos de pesquisa. (4a. ed) São Paulo: Atlas.

GOMES, C. G. S. (2007) Autismo e ensino de habilidades acadêmicas: adição e subtração. Rev. Brasi. Educ. Espec. 13 (3), 345-364. https://doi.org/10.1590/S1413-65382007000300004.

Informe epidemiológico CIEVS – Paraná - Semana Epidemiológica 04/2016. Recuperado de: http://www.saude.pr.gov.br/arquivos/File/INFORMESEMANALCIEVS04_2016.pdf.

Kanner, L. (1943). Affective disturbances of affective contact. Nervous Child, 2, 217-250. Recuperado de: http://www.aspiresrelationships.com/articles_autistic_disturbances_of_affective_contact.htm

Klin, Ami. (2006). Autismo e síndrome de Asperger: uma visão geral. Rev. Bras. Psiquiatr. 28, 3-11. https://doi.org/10.1590/S1516-44462006000500002.

Medeiros, J. B.; Tomasi, C. (2008). Comunicação Científica: normas técnicas para redação científica. São Paulo: Atlas.

Mercadante, M. T.; Van D. G., Rutger J.; Schwartzman, J. S. (2006). Transtornos invasivos do desenvolvimento não-autísticos: síndrome de Rett, transtorno desintegrativo da infância e transtornos invasivos do desenvolvimento sem outra especificação. Revista Brasileira de Psiquiatria. 28(1). Doi: 10.1590/S1516-44462006000500003.

Ministério da Educação. (2017) Censo da Educação Superior. Recuperado de: http://portal.mec.gov.br/docman/setembro-2018-pdf/97041-apresentac-a-o-censo-superior-u-ltimo/file.

Mizukami, M. G. N.; Reali, A. M. M.; Reyes, C. R.; Martucci, E. M.; Lima, E. F.; Tancredi, R. M. S. P.; Mello, R. R. (2002). Escola e Aprendizagem da Docência: Processos de Investigação e Formação. (1ª ed). São Carlos: EDUFSCar.

Monteiro, A. P. H.; Manzini, E. J. Mudanças nas concepções do professor do Ensino Fundamental em relação à inclusão após a entrada de alunos com deficiência em sua classe. Revista Brasileira de Educação Especial. 14, (1), 35-52. https://doi.org/10.1590/S1413-65382008000100004.

MORIN, E. (2003). A cabeça bem-feita. (5. ed.). Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

O'connor, I. M.; Klein P.D. (2004). Exploration of strategies for facilitating the reading comprehension of high-functioning students with autism spectrum disorders. Journal of Autism and Developmental Disorders, 34, 115-127. DOI: 10.1023/B:JADD.0000022603.44077.6b.

Lei nº 12.764, de 27 de dezembro de 2012. Institui a Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista e altera o § 3° do art. 98 da Lei n° 8.112, de 11 de dezembro de 1990. Recuperado de: https://presrepublica.jusbrasil.com.br/legislacao/1033668/lei-12764-12.

Rocha, B.R et al. (2018). Universitários Autistas: considerações sobre a inclusão de pessoas com TEA nas IES e sobre a figura do docente nesse processo. Revista Educação em foco, [S. l.], 1-14.

Rodrigues, I. B.; Moreira, L. E. V.; Lerner, R. (2012). Análise institucional do discurso de professores de alunos diagnosticados como autistas em inclusão escolar. Psicologia Teoria e Prática, 14(1), 70-83.

ROSA, R. S. A inclusão escolar de alunos com necessidades educativas especiais em escola de ensino regular. Contemporânea - Psicanálise e Transdisciplinaridade, Porto Alegre, n. 6, p. 214-221, 2008. Recuperado de: http://www.revistacontemporanea.org.br/revistacontemporaneaanterior/site/wp-content/artigos/artigo197.pdf

Santos, V. D.; Candeloro, R. J. (2006) Trabalhos Acadêmicos: Uma orientação para a pesquisa e normas técnicas. Porto Alegre/RS: AGE Ltda.

Sekkel, M. C. A Construção de um Ambiente Inclusivo na Educação Infantil: Relato e Reflexão sobre uma Experiência (Tese de doutorado em Psicologia). Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003.

Silva, A. B. B.; Gaiato, M. B.; Reveles, L. T. (2012). Mundo singular: entenda o autismo. Rio de Janeiro: Objetiva.

Wing, L., & Gould, J. (1979). Severe impairments of social interaction and associated abnormalities in children Epidemiology and classification Journal of Autism and Developmental Disorders, 9, 11- 29. DOI: 10.1007 / BF01531288

Downloads

Publicado

2021-08-16

Como Citar

Shibuta, V., Favaro da Costa, I., & Pimentel dos Santos, F. (2021). INCLUSÃO DO AUTISTA NO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO. Psicologia E Saúde Em Debate, 7(2), 1–11. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V7N2A1

Edição

Seção

Estudo Teórico