RELAÇÃO ENTRE BISFOSFONATO E PERIIMPLANTITE: Uma revisão sistemática de literatura

  • Diogo Araújo
  • Joice Couto
  • Lilian Barros
Palavras-chave: Peri-implantite, bisfosfonato, implantes dentais

Resumo

Bisfosfonatos são potentes inibidores usados pela medicina contra reabsorções ósseas, que tem sido considerada a melhor escolha terapêutica em doenças que afetam o metabolismo ósseo. O objetivo deste estudo é analisar a relação entre a terapia com bisfosfonatos e a periimplantite em pacientes reabilitados com implantes. O método empregado no estudo foi uma revisão sistemática de base qualitativa do tipo analítica. Para a pesquisa bibliográfica, utilizou-se a base de dados (PubMed – Biblioteca nacional de Medicina US) realizada no período compreendido de agosto de 1966 à agosto de 2016, sendo selecionados 28 artigos. Na análise de dados, foram encontrados 8 artigos que evidenciaram diagnóstico de osteonecrose associada aos bisfosfonatos da mandíbula, exposição óssea necrótica intraoral, número de implantes e acompanhamento, mostrando algumas variáveis, como ausência de evidência de perda óssea ou periimplantite com osteonecrose ao redor dos implantes dentários. Os resultados da pesquisa apontam que não só a intervenção cirúrgica de um implante dentário, mas o próprio implante, parece ser um fator de risco contínuo para o desenvolvimento da osteopatologia. Com a administração oral, após algumas semanas de ingestão, níveis adequados de inibição da reabsorção óssea podem ser observados. De acordo com vários estudos, os procedimentos odontológicos são um dos fatores de risco para o desenvolvimento da osteonecrose da mandíbula associada aos bisfosfonatos. Portanto, o acompanhamento cuidadoso e frequente de pacientes com implantes dentários recebendo terapia de bisfosfonato torna-se indicado

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2017-07-01
Como Citar
Araújo, D., Couto, J., & Barros, L. (2017). RELAÇÃO ENTRE BISFOSFONATO E PERIIMPLANTITE: Uma revisão sistemática de literatura. Psicologia E Saúde Em Debate, 3(1), 1-11. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V3N1A1
Seção
Artigo original