INCLUSÃO E AUTISMO: relato de caso sobre o trabalho com uma criança na educação infantil

  • Maira Cristina Souza Teixeira Faculdade Patos de Minas
  • Danielle Ribeiro Ganda Faculdade Patos de Minas
Palavras-chave: Inclusão, Práticas pedagógicas, Transtorno do Espectro Autista

Resumo

A inclusão de crianças com necessidades educativas especiais - NEE, ou seja, que possuem deficiências físicas, intelectuais e transtornos de aprendizagem, dentro da escola regular é um direito assegurado por lei. A estas crianças, deve-se fornecer um ambiente e materiais adequados às suas necessidades, assim como ter a presença de um profissional apoio que visa acompanhá-los em sala de aula durante a realização das atividades pedagógicas. Dentre os distúrbios que mais cresceram nas últimas décadas, destaca-se o Transtorno do Espectro Autista - TEA, definido como um transtorno global do desenvolvimento cujos sintomas característicos são: atraso na linguagem, dificuldade de interação social, comportamentos estereotípicos, alta sensibilidade, seletividade, entre outros. O presente artigo tem o objetivo de apresentar um relato de caso sobre a inserção de uma criança com Transtorno do Espetro Autista no 1º e 2º período da Educação Infantil. O estudo visa também apresentar as atividades realizadas pela profissional-apoio e o impacto no desenvolvimento da criança autista. Observou-se que, por meio de práticas pedagógicas diferenciadas, o aluno apresentou maior socialização, mais autonomia e progresso em sua aprendizagem. O acompanhamento diário ao aluno revela o quanto é necessário um profissional apoio preparado, que busque alternativas criativas, lúdicas e adaptadas para facilitar a aprendizagem das crianças com TEA.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

APA. American Psychiatric Association DSM-IV. (2002). Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais. Porto Alegre: ARTMED.

BRASIL. Ministério da Saúde. (2015). Linha de cuidado para a atenção às pessoas com Transtornos do Espectro do Autismo e suas famílias na Rede de Atenção Psicossocial do SUS. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas, Brasília-DF.

Cipriano, M. S.; & Almeida, M. T. P. (2016). O brincar como intervenção no transtorno do espectro do autismo. Extensão em Ação 2(11), 78-91.

Ibraim, L. F. (2013). Avaliação neuropsicológica para Síndrome de Asperger e Transtorno do Espectro Autista de alto funcionamento. Em: W. C. Júnior (Org.). Síndrome de Asperger e outros transtornos do espectro do autismo de alto funcionamento: da avaliação ao tratamento. Belo Horizonte: Artesã, pp. 125-151.

Klin, A. (2006). Autismo e síndrome de Asperger: uma visão geral. Revista Brasileira de Psiquiatria, 28(1), 3-11.

Locatelli, P. B.; & Santos, M. F. R. (2016). Autismo: propostas de intervenção. Revista Transformar, 8, 203-220.

Mendes, M. A. S. (2015). A importância da ludicidade no desenvolvimento de crianças autistas. Monografia, Especialização em Desenvolvimento Humano, Educação e Inclusão Escolar. Universidade de Brasília – UNB, Brasília.

Mergl, M.; & Azoni, C. A. S. (2015). Tipo de ecolalia em crianças com transtorno do espectro autista. Revista CEFAC, 17(6), 2072-2080.

Sousa, L. L. L.; Pinheiro, T. S.; Costa, H. M.; Moura, C. S.; & Vieira, M. D. S. (2015). Os desafios da inclusão de alunos autistas nas escolas públicas da cidade de picos. Anais do Colóquio Internacional. Educação, Cidadania e Exclusão: Didática e Avaliação. Rio de Janeiro.

Surian, L. (2010). Autismo: informações essenciais para familiares, educadores e profissionais de saúde. São Paulo: Paulinas, 2010.

Publicado
2019-12-26
Como Citar
Teixeira, M. C. S., & Ganda, D. R. (2019). INCLUSÃO E AUTISMO: relato de caso sobre o trabalho com uma criança na educação infantil. Psicologia E Saúde Em Debate, 5(2), 125-135. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V5N2A9
Seção
Relato de Caso e/ou Experiência