A EFETIVIDADE DA TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL NA REDUÇÃO DA ANSIEDADE INFANTIL

  • Ana Carolina Rimoldi de Lima UNIFUCAMP
  • Brígida Alvares Dornelas Melo UNIFUCAMP
Palavras-chave: Transtornos de Ansiedade, Terapia Cognitivo-Comportamental, Comportamento infantil, Saúde da criança, Psicologia da criança

Resumo

A ansiedade é uma condição que gera perdas importantes para as crianças e, por isso, o estudo sobre possíveis intervenções para tratamento e redução dos sintomas é um tema de grande relevância social e acadêmica. Neste sentido, o objetivo geral a pesquisa consistiu em identificar se a Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC) é efetiva na redução da ansiedade em crianças. Já os objetivos específicos foram: (a) caracterizar como se manifesta a ansiedade infantil e seus prejuízos para a criança; (b) identificar as estratégias de intervenção da TCC para o manejo da ansiedade infantil; (c) descrever o que a literatura pertinente aponta sobre os dados de efetividade da TCC para a redução da ansiedade infantil. Como percurso metodológico adotou-se a revisão narrativa de literatura. As publicações demonstraram que a TCC é uma abordagem que tem apresentado resultados satisfatórios na intervenção da ansiedade em crianças, seja por resultados mais efetivos em maior número de pacientes do que outras abordagens, seja por oferecer resultados mais duradouros a médio ou longo prazo. Assim, pode-se concluir que a TCC é efetiva na redução dos sintomas de ansiedade em crianças.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

APA – American Psychiatric Association. (2014). Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais: DSM-5 [recurso eletrônico]. (5 ed.). Tradução: Maria Inês Corrêa Nascimento. Revisão técnica: Aristides Volpato Cordioli. Porto Alegre: Artmed.

Asbahr, F. R. (2004). Transtornos ansiosos na infância e adolescência: aspectos clínicos e neurobiológicos. Jornal de Pediatria, v. 80, n. 02, pp. 28-34. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/jped/v80n2s0/v80n2Sa05.pdf>. Acesso em: 21 maio. 2019.

Assumpção, A. A.; Teodoro, M.; Maltoni, J. & Neufeld, C. B. (2017). A perspectiva adolescente na teoria cognitiva de Beck. In: Neufeld, C. B. (Org.). Terapia cognitivo-comportamental para adolescentes: uma perspectiva transdiagnóstica e desenvolvimental [recurso eletrônico]. Porto Alegre: Artmed, cap. 02, pp. 42-58.

Bohn, C. H. & Gimenes, L. S. (2008). Automonitoramento como técnica terapêutica e de avaliação comportamental. Revista Psicologia, v. 01, n. 01, pp. 88-100. Disponível em: <http://www.cemp.com.br/arquivos/39088_73.pdf>. Acesso em: 23 jun. 2019.

Caires, M. C. & Shinohara, H. (2010). Transtornos de ansiedade na criança: um olhar nas comunidades. Revista Brasileira de Terapia Cognitiva, v. 06, n. 01, pp. 62-84. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1982-12472018000200012>. Acesso em: 22 maio. 2019.

Dobson, Deborah & Dobson, Keith S. (2011). A Terapia Cognitivo-Comportamental baseada em evidências. Porto Alegre: Artmed.

Dugas, M. J.; Brillon, P.; Savard, P.; Turcotte, J.; Gaudet, A. & Ladouceur, R. (2010). Um ensaio clínico randomizado de terapia cognitivo-comportamental e relaxamento aplicado para adultos com transtorno de ansiedade generalizada. Behavior Therapy, v. 41, n. 01, pp. 46-58. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-56872017000100008>. Acesso em: 19 maio. 2019.

Fernandes, L. F. B.; Luizi, A. M. A. G.; Miyazaki, M. C. O. S. & Marques Filho, A. B. (2009, abr./jun.). Efeitos de um programa de orientação em grupo para cuidadores de crianças com transtornos psiquiátricos. Estudos de Psicologia. Campinas/SP, v. 26, n. 02, pp. 147-158. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/estpsi/v26n2/03.pdf>. Acesso em: 18 maio. 2019.

Ferriolli, S. H. T.; Marturano, E. M. & Puntel, L. P. (2007). Contexto familiar e problemas de saúde mental infantil no Programa Saúde da Família. Revista de Saúde Pública, v. 41, n. 02, pp. 251-259.

Friedberg, R. D. (2011). Técnicas de terapia cognitiva para crianças e adolescentes [recurso eletrônico]. Porto Alegre: Artmed.

Heldt, E.; Isolan, L.; Mansur, M. A. & Jarros, R. B. (2013). Ansiedade, medos e preocupações: transtornos de ansiedade na infância e na adolescência. Dourados/MS: UFGD.

King, A. L. S.; Valença, A. M.; Silva, A. C. O.; Sardinha, A.; Levitan, M. N. & Nardi, A. E. (2011). Terapia cognitivo-comportamental: A preparação do paciente com transtorno de pânico para as exposições agorafóbicas interoceptivas e in vivo. Análise Psicológica, v. 29, n. 03, pp. 429-449. Disponível em: <http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-82312011000300005>. Acesso em: 25 jun. 2019.

Levitan, M. N.; Chagas, H. N.; Crippa, J. A. S.; Manfro, G. G.; Hetem, L. A. B.; Andrada, N. C.; Salum, G. A.; Isolan, L.; Ferrari, M. C. F. & Nardi, A. E. (2011, set.). Diretrizes da Associação Médica Brasileira para o tratamento do transtorno de ansiedade social. Revista Brasileira de Psiquiatria, v. 33, n. 03, pp. 292-302. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1516-44462011000300014&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em: 15 maio. 2019.

Lins, T. & Alvarenga, P. (2015). Controle Psicológico Materno e Problemas Internalizantes em Pré-Escolares. Psicologia, Teoria e Pesquisa, v. 31, n. 03, pp. 311-329. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-37722015000300311&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em: 15 maio. 2019.

Lopes, C. S.; Abreu, G. A.; Santos, D. F.; Menezes, P. R.; Carvalho, K. M. B.; Cunha, C. F. & Vasconcelos, M. T. L. (2016). ERICA: prevalência de transtornos mentais comuns em adolescentes brasileiros. Revista de Saúde Pública, v. 50, n. 01, pp. 01-09. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0034-89102016000200308&script=sci_arttext&tlng=pt>. Acesso em: 23 maio. 2019.

Lopes, R. F. F. & Lopes, E. J. L. (2013). Baralho dos problemas. Porto Alegre: Synopsis.

Maia, C. R. M. & Rohde, L. A. (2007). Psicofármacos para tratamento de transtorno de ansiedade em crianças e adolescentes: uma revisão sistemática. Revista Brasileira de Psiquiatria, v. 29, n. 01, pp. 72-79. Disponível em: <https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/20523>. Acesso em: 24 jun. 2019.

Mello, C. D. (2016). Transtorno do mutismo seletivo: algumas considerações sobre a recusa da fala. Revista Kurytyba, Curitiba/PR, v. 08. Disponível em: <http://revistacientifica.cmc.eb.mil.br/revista/index.php/revista/article/download/83/72>. Acesso em: 20 jun. 2019.

Mendes, M. A. (2015). Terapia focada nas emoções e processos de mudança em psicoterapia. Revista Brasileira de Terapia Cognitiva, v. 11, n. 02, pp. 96-104. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-56872015000200005&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 25 jun. 2019.

Murta, S. G. & Rocha, S. G. M. (2014). Instrumento de apoio para a primeira entrevista em psicoterapia cognitivo-comportamental. Psicologia Clínica, Rio de Janeiro, v. 26, n. 02, pp. 33-47. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-56652014000200003>. Acesso em: 23 maio. 2019.

Nogueira, C. A.; Crisóstomo, K. N.; Souza, R. S. & Prado, J. M. (2017). A importância da psicoeducação na terapia cognitiva-comportamental: uma revisão sistemática. Revista das Ciências da Saúde do Oeste Baiano – Higia, v. 02, n. 01, pp. 108-130. Disponível em: <http://www.fasb.edu.br/revista/index.php/higia/article/view/190/211>. Acesso em: 24 jun. 2019.

OMS – Organização Mundial da Saúde. (1993). Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde. Disponível em: <https://www.cid10.com.br/>. Acesso em: 20 jun. 2019.

Pureza, J. R.; Ribeiro, A. O.; Pureza, J. R. & Lisboa, C. S. M. (2014). Fundamentos e aplicações da Terapia Cognitivo-Comportamental com crianças e adolescentes. Revista Brasileira de Psicoterapia, v. 16, n. 01. Disponível em: <http://rbp.celg.org.br/audiencia_pdf.asp?aid2=144&nomeArquivo=v16n1a08.pdf>. Acesso em: 22 maio. 2019.

Reyes, A. N. & Fermann, I. L. (2017). Eficácia da terapia cognitivo-comportamental no transtorno de ansiedade generalizada. Revista Brasileira de Terapia Cognitiva, v. 13, n. 01., pp. 49-54. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-56872017000100008>. Acesso em: 19 maio. 2019.

Rother, E. T. (2007). Revisão sistemática X revisão narrativa. Acta Paulista de Enfermagem, v. 20, n. 02, pp. 05-06. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-21002007000200001>. Acesso em: 17 maio. 2019.

Silva, M. A. (2014, jan./abr.). Terapia cognitiva-comportamental: da teoria à prática. Psicologia da USF, Atatibaia, v. 19, n. 01, pp. 167-168. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-82712014000100016>. Acesso em: 25 jun. 2019.

Silvares, E. F. M. (Org.). (2000). Estudos de caso em psicologia clínica comportamental infantil. Campinas/SP: Papirus.

Stallard, P. (2009). Bons pensamentos, bons sentimentos: manual de Terapia Cognitiva-Comportamental para crianças e adolescentes [recurso eletrônico]. Porto Alegre: Artmed.

Stallard, P. (2010). Ansiedade: Terapia Cognitivo-Comportamental para Crianças e Jovens. Porto Alegre: Artmed.

Vianna, R. R. A. B.; Campos, A. A. & Landeira-Fernandez, J. (2009). Transtornos de ansiedade na infância e adolescência: uma revisão. Revista Brasileira de Terapia Cognitiva, v. 05, n. 01, pp. 46-61. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-56872009000100005>. Acesso em: 21 maio. 2019.

Westphal, M. P. (2016). Treinamento de pais na Terapia Cognitivo Comportamental: uma revisão de literatura. Revista da Graduação: publicações de tcc., v. 09, n. 01. Disponível em: <http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/graduacao/article/view/23960>. Acesso em: 23 maio. 2019.

Wright, J. H.; Basco, M. R. & Armando, M. G. (2008). Aprendendo a terapia cognitivo-comportamental: um guia ilustrado. São Paulo: Artmed.

Zuanetti, P. A.; Lugli, M. B.; Fernandes, A. C. P.; Soares, M. S. T. & Silva, K. (2018, nov./dez.). Desempenho em memória, compreensão oral e aprendizagem entre crianças com transtorno do déficit de atenção e hiperatividade e crianças com transtorno de ansiedade. Revista Cefac, v. 20, n. 06, pp. 692-702. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1516-18462018000600692&lng=en&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso em: 19 maio. 2019.

Zuardi, A. W. (2017, jan./fev.). Características básicas do transtorno de ansiedade generalizada. Medicina, Ribeirão Preto/SP, v. 50, pp. 51-55. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/rmrp/article/view/127538>. Acesso em: 20 jun. 2019.

Publicado
2020-07-09
Como Citar
Lima, A. C. R. de, & Melo, B. A. D. (2020). A EFETIVIDADE DA TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL NA REDUÇÃO DA ANSIEDADE INFANTIL. Psicologia E Saúde Em Debate, 6(1), 213-226. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V6N1A15
Seção
Estudo Teórico